De Glenn Close, em “A Esposa” até a derrota Emmanuele Riva, Caio Pimenta faz uma lista com as derrotas mais injustas do Oscar nos anos 2010.

10. VIOLA DAVIS, por “UM LIMITE ENTRE NÓS”

A Viola Davis é uma das grandes atrizes da atualidade? SIM. 

Ela já deveria ter vencido o Oscar há muito tempo? SIM. 

Ela deveria ter ganhado o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 2017? NÃO! 

O motivo principal para Viola Davis não merecer ter vencido o Oscar é o simples fato dela não ser coadjuvante em “Um Limite Entre Nós”. A Paramount, porém, viu a disputa de Atriz Principal mais forte com Emma Stone, Isabelle Huppert e Natalie Portman e resolveu fazer uma fraude de categoria para aumentar as chances da Viola Davis. 

Para mim, a vitória deveria ter ido para a Michelle Williams, de “Manchester à Beira-Mar“. Ela, de fato, é coadjuvante no filme e tem uma cena final sensacional com o Casey Affleck. 

9. GUERRA AO TERROR x BASTARDOS INGLÓRIOS / DJANGO LIVRE X A HORA MAIS ESCURA

Mark Boal e Quentin Tarantino disputaram a categoria de Melhor Roteiro Original pesado em dois anos. E nos dois anos, a Academia fez a escolha equivocada. 

Em 2010, Tarantino brilhou com “Bastardos Inglórios”, uma reimaginação da Segunda Guerra Mundial em uma vingança deliciosa contra os nazistas. Porém, o Oscar ficou com “Guerra ao Terror” e seu roteiro competente, apesar de nada brilhante. Já em 2013, o Mark Boal causou polêmica ao mexer nas feridas da guerra contra o terrorismo em “A Hora Mais Escura”, chegando a ser criticado pelo governo americano. O Tarantino repetiu fórmulas em “Django Livre” e acabou faturando Oscar. Vai entender. 

8. GLENN CLOSE 

O resultado do Oscar 2019 em Melhor Atriz nem chega a ser tão absurdo assim, porém, o contexto é que provoca a decepção. 

Uma das maiores atrizes americanas dos últimos 40 anos, a Glenn Close tinha tudo para, finalmente, vencer o Oscar por “A Esposa”. Ela venceu quase todos os prêmios – Globo de Ouro, Critics Choice, SAG. Perdeu apenas o Bafta. Porém, no prêmio da Academia, a Olivia Colman, de “A Favorita” surpreendeu e se sagrou a vencedora.  

Com isso, a Glenn Close atingiu um triste recorde: ela se tornou a atriz que mais vezes perdeu o Oscar. Disputou sete vezes e não venceu nenhuma. Defitivamente, ela não merecia isso. 

7. A GRANDE BELEZA 

wannabe de Federico Fellini, Paolo Sorrentino, conquistou o Oscar de Melhor Filme em Língua Não Inglesa em 2014 por “A Grande Beleza”. Mas, a lista de indicados tinha filmes muito melhores. 

Para começar, tinha o dinamarquês “A Caça”, um filmaço de Thomas Vintenberg sobre o impacto de um boato falso na vida de uma pessoa inocente. Tinha também o excelente e trágico drama belga, “Alabama Monroe” e o criativo documentário cambojano “A Imagem que Falta”. 

Todos estes três superiores a uma atualização sem personalidade de “A Doce Vida”. 

6. EDDIE REDMAYNE, por “A TEORIA DE TUDO” 

O Oscar 2015 viu uma disputa acirrada na categoria de Melhor Ator até o último minuto, mas, a Academia acabou fazendo a escolha errada do vencedor. 

Não que o Eddie Redmayne esteja mal em “A Teoria de Tudo”: de fato, há que se elogiar a entrega física e delicada feita por ele para encarnar o gênio Stephen Hawking. Porém, o Michael Keaton faz o papel da vida dele em “Birdman” em uma performance raivosa como se tivesse expurgando todos os demônios internos de uma carreira. 

Infelizmente, como eu sempre digo aqui no canal, a miopia da Academia nas categorias de atuação é algo irritante, especialmente, quando envolve trabalhos vindos de cinebiografias. 

5. BOHEMIAN RHAPSODY 

A conquista de “Bohemian Rhapsody” em Melhor Montagem não é apenas injusta, mas, também, uma das coisas mais inexplicáveis feitas pelo Oscar nos últimos anos. 

Não bastasse a série de erros primários já apontados por diversos profissionais do setor, a montagem de “Bohemian Rhapsody” não possui nada de inovador ou tem um momento de destaque que faça por justificar a vitória. 

Mesmo que não sejam brilhantes, as montagens de “A Favorita” e de “Infiltrado na Klan” estão muito muito à frente da cinebiografia do Queen. 

4. ICARUS 

A Academia teve a oportunidade de premiar uma gigante do cinema mundial em 2018. Porém, acabou não fazendo. 

Símbolo mor das mulheres dentro da Nouvelle Vague francesa, a Agnès Varda foi indicada pelo excelente “Visages, Villages” em Melhor Documentário. O longa, feito em parceria com o J.R, é quase um testamento do olhar único e sensível dela à humanidade. O Oscar, porém, ficou com “Icarus”, documentário muito bom da Netflix sobre o escândalo de doping do esporte russo, mas, que são feitos aos montes todos os anos. 

A Agnes Varda chegou a vencer um Oscar honorário em 2018, mas, merecia ganhar concorrendo. 

3. JENNIFER LAWRENCE, por “O LADO BOM DA VIDA” 

Eu até simpatizo com a Jennifer Lawrence, não posso negar. Além de linda, a considero talentosa e espirituosa com os próprios micos. Mas, daí a ter vencido o Oscar de Melhor Atriz em 2013 é um pouco demais. 

É um pouco demais devido à presença da Emmanuelle Riva. Atriz de clássicos como “Hiroshima, Meu Amor”, ela está brilhante no último grande papel da carreira em uma dobradinha comovente com o Jean-Louis Trintignant. Por melhor que a Jennifer Lawrence esteja em “O Lado Bom da Vida” não dá para comparar. 

2. TOM HOOPER, por “O DISCURSO DO REI”

A cerimônia de 2011 ecoa ainda hoje como um dos maiores motivos de raiva em relação ao Oscar. E a categoria de Melhor Direção simbolizou isso muito bem. 

A Academia colocou todo o seu conservadorismo à prova ao premiar Tom Hopper, de “O Discurso do Rei”, em vez de dar a estatueta ao estilo cínico, elegante e absurdamente preciso do David Fincher, de “A Rede Social”.  

Para quem não gosta do Fincher, tinha a possiblidade também do Darren Aronofsky, de “Cisne Negro”. Opção melhores, sem dúvida, não faltavam. 

1. SPOTLIGHT 

A vitória mais injusta do Oscar na década 2010 aconteceu na cerimônia de 2016 quando “Spotlight” conquistou Melhor Filme. 

Spotlight” passa longe de ser um filme ruim com uma trama importante e bem contada, além de um ótimo elenco. Porém, 2016 teve uma seleção forte com “O Regresso”, uma jornada de tirar o folêgo com o Iñarritu no auge em parceria com o DiCaprio, o retrato cínico sobre a crise econômica de 2008 feita com ironia de sobra por “A Grande Aposta”, e, claro, “Mad Max – Estrada da Fúria”, o filme de ação definitivo da última década. 

Qualquer um deles seria melhor para vencer, porém, em uma votação como o Oscar que busca o filme de maior consenso só poderia ter ganhado “Spotlight”. 

Oscar: 10 Atuações Internacionais que Mereciam Indicações

Em 1960, Sophia Loren foi a pioneira a ganhar o Oscar por uma atuação em um filme de língua não-inglesa com “Duas Mulheres”. Astros como Marcello Mastroianni, Liv Ulmann, Valentina Cortese, Isabelle Adjani, Gerard Depardieu, Roberto Benigni, Javier Bardem, Penélope...

Oscar: TOP 10 Indicações Improváveis de 2000-2021

Caio Pimenta apresenta uma lista com as indicações mais improváveis nas categorias de atuação do Oscar entre 2000 a 2021.  https://www.youtube.com/watch?v=RbqTgQVZch0 10. MARINA DE TAVIRA, por "ROMA"  Depois de levar o Leão de Ouro do Festival de Veneza e chegar com o...

Festival de Cannes: Quem Sai Forte para o Oscar 2022?

Caio Pimenta apresenta quais produções saíram fortes do Festival de Cannes deste ano para a disputa do Oscar 2022. https://www.youtube.com/watch?v=RIdRxxmSWrA MELHOR FILME https://www.youtube.com/watch?v=ZMgvkuhVWfc Maior evento do cinema europeu, o Festival de Cannes...

Oscar Bait: os 10 Maiores casos dos últimos anos

De Glenn Close a “Nasce uma Estrela”, Caio Pimenta analisa quais os 10 maiores Oscar bait dos últimos anos.  https://www.youtube.com/watch?v=ypWD-gfjnMY 10. JENNIFER LAWRENCE, por “JOY” Teve uma época em que bastava a Jennifer Lawrence lançar um filme e o Oscar a...

Oscar: 10 Filmes que não deram sorte na Premiação

Grandes clássicos do cinema não deram sorte no Oscar seja por concorrer contra um mega favorito ou estar no meio de uma disputa entre dois candidatos fortes. Neste vídeo, Caio Pimenta traz 10 filmes que passaram por essa situação....

Oscar: O Épico Duelo Sean Penn x Mickey Rourke

Dois galãs surgidos nos anos 1980, Sean Penn e Mickey Rourke tiveram trajetórias bem diferentes ao longo da carreira, mas, se encontraram para uma disputa acirrada no Oscar 2009 de Melhor Ator. Com direito até tretas, Caio Pimenta traz como foi essa disputa e se o...

Oscar: TOP 10 Atuações Esnobadas entre 2011 a 2021

De Greta Gerwig a Leonardo DiCaprio, Caio Pimenta apresenta 10 grandes atuações esnobadas de indicações no Oscar entre 2011 e 2021. https://www.youtube.com/watch?v=AW1s2P7Hlwk 10. ROBERT DE NIRO, por "O IRLANDÊS"  “O Irlandês” foi perdendo força ao longo da temporada...

Oscar: Os Melhores Duelos Dos Últimos 30 Anos

Há anos em que um filme sobra no Oscar: ocorreu com “O Silêncio dos Inocentes”, “A Lista de Schindler” e “Titanic”. Porém, há outras temporadas em que dois ou três filmes brigam pesado pela estatueta.   Caio Pimenta apresenta as 10 melhores disputas desde a década de...

Oscar: TOP 10 Atuações Indicadas que Nunca Venceriam

Sabe aqueles trabalhos muitos bons de atores consagrados indicados ao Oscar, mas, que, na hora da festa, a gente sabe que não vão levar o prêmio? Separei 10 casos dos últimos 20 anos neste novo vídeo do Cine Set.  https://www.youtube.com/watch?v=OES9Pp4j7Rs ELLEN...

Oscar: A Virada histórica de ‘Menina de Ouro’ sobre ‘O Aviador’

O Oscar 2005 entrou para a história como uma das disputas mais acirradas. O resultado foi a vitória de “Menina de Ouro” em Melhor Filme e Direção com Clint Eastwood. Agora, como isso aconteceu? E foi um resultado justo ou não?...