Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus personagens de modo solene, sem aprofundar muitos nos perfis dos seus retratados. Dirigido por Angela Zoé e selecionado para mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020, “O Samba é o Primo do Jazz” se encaixa de forma perfeita nesta descrição.

O foco aqui é Alcione, um dos maiores nomes da história do samba e dona de uma voz única e poderosa. Nos 70 minutos de duração, “O Samba é o Primo do Jazz” acompanhamos o bê-á-bá de um documentário do tipo: a infância e a relação com a família, a descoberta musical, a carreira de sucesso, os amores e pequenas falas sobre as características mais célebres e visíveis. Tudo isso embalado por entrevistas antigas, shows com as principais músicas e viagens por Rio de Janeiro, São Luiz (terra natal da cantora) e Lisboa.

Durante todo o documentário, fica a sensação de que há um acordo tácito dos limites sobre o que seria explorado. Passa-se por diversos assuntos com a profundidade de um pires, soando mais como uma retrospectiva histórica de Alcione do que uma análise mais profunda. Nem mesmo quando há espaços para saber um pouco além da superfície – em certo momento, uma das irmãs da cantora fala sobre como tentavam passá-las para trás na negociação de shows – Angela Zoé aproveita para ir além e saber sobre os desafios enfrentados por uma mulher negra e nordestina para conseguir espaço dentro da música e sociedade brasileira.

Cabe a Alcione, então, salvar “O Samba é o Primo do Jazz”. O tom excessivamente solene conferido pela proposta do documentário encontra um contraponto na irreverência e naturalidade da estrela. Seja comentando sobre um homem bonito durante um passeio pelas ruas de Lisboa ou nas descontraídas conversas com Alexandre Menezes, o diretor musical da banda, a Marrom deixa transparecer seu lado mãezona acolhedora ainda que longe de sentimentalismos barato. A ligação com as raízes de onde veio e de onde foi acolhida, o abraço e o sorriso fácil, a firmeza de quem não aceita qualquer coisa, a religiosidade e a vaidade captadas muito bem no documentário ainda ajudam a entender como Alcione consegue transcender gerações e ser a cara de um povo.

Porém, exceção feita ao pouco lembrado passado no jazz, “O Samba é o Primo do Jazz” apenas salienta tudo aquilo que sabemos da figura pública de Alcione vista ao longo destes anos e anos. A Marrom merecia, sem dúvida, uma homenagem melhor.

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...