Ruim, negligente e problemático. 

Com a missão de falar sobre a nova atração da Netflix, ‘365 Dias’, não encontro melhores palavras que estas para apresentar o longa – apesar de “pior filme de 2020” também ser uma boa opção. Baseado no romance homônimo da polonesa Blanka Lipinska, a produção é recheada com tudo que há de pior: um roteiro bagunçado, personagens superficiais, cenas românticas excessivas para esconder os furos da história e, o pior de tudo, atitudes abusivas sendo vendidas como um romance. Ou seja, além de ser sofrível de assistir, a popularidade do longa ainda é um enorme desserviço para seus espectadores. 

Descrito como um romance erótico polonês, o longa apresenta Laura Biel (Anna Maria Sieklucka), uma diretora de vendas que tem sua vida virada do avesso quando, em uma viagem a Sicília, o mafioso Massimo Torricelli (Michele Morrone) a sequestra lhe dando 365 dias para se apaixonar por ele. 

Já pela sinopse podemos perceber que, de romance, “365 Dias” não tem nada, afinal, como apostar em uma relação iniciada em um sequestro? Mas é exatamente isso que o longa faz. Além de raptada, Laura passa por diversas agressões físicas e psicológicas, sem contar, é claro, com a imposição de uma nova rotina em razão do abandono de sua vida anterior. Assim, apesar da protagonista em diversas situações, reafirmar não ser apenas um objeto, o filme mostra exatamente o contrário já que tanto ela quanto Massimo estão ali apenas cumprindo falas e sendo objetificados. 

A superficialidade nos protagonistas é tangível e mostra o quanto “365 Dias” não se preocupa em atingir uma profundidade narrativa em momento nenhum. Então, se todo resto é descartável, supostamente as cenas de sexo deveriam ser o grande atrativo e destaque positivo, tudo o que não acontece. Esses momentos, além de serem protagonizados por atuações quase cômicas, ainda têm direito a uma música brega no fundo, seguindo sempre o mesmo padrão. 

SERVE COMO COMÉDIA?

Porém, se como romance erótico o filme dá errado, como comédia ele poderia ter tido maior sucesso. Afinal, já temos um roteiro totalmente improvisado, personagens unidimensionais e cenas que rendem boas risadas. A união de todos esses fatores cria uma enorme bagunça visual e, quando o público acha que pior não pode ficar, um plot twist de novela mexicana (com todo respeito às produções da Televisa) surge para nos brindar. 

No final das contas, ‘365 Dias’ não passa de uma história que, em nenhum momento, se preocupa em explicar seus desdobramentos, somente criando situações aleatórias para continuar a saga sexual do casal protagonista. Antes fosse uma comédia, para que seus acontecimentos pudessem ser ironizados, entretanto, o grande problema de se vender como um romance é ser mais uma narrativa a qual trata mulheres de forma tão negligente, com toques de machismo, relacionamento abusivo e tudo aquilo que nós mulheres não precisamos ver sendo reproduzido em pleno 2020. 

Ah! E sabe qual a pior parte de tudo isso? A chance de ter uma continuação. 

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...