Ruim, negligente e problemático. 

Com a missão de falar sobre a nova atração da Netflix, ‘365 Dias’, não encontro melhores palavras que estas para apresentar o longa – apesar de “pior filme de 2020” também ser uma boa opção. Baseado no romance homônimo da polonesa Blanka Lipinska, a produção é recheada com tudo que há de pior: um roteiro bagunçado, personagens superficiais, cenas românticas excessivas para esconder os furos da história e, o pior de tudo, atitudes abusivas sendo vendidas como um romance. Ou seja, além de ser sofrível de assistir, a popularidade do longa ainda é um enorme desserviço para seus espectadores. 

Descrito como um romance erótico polonês, o longa apresenta Laura Biel (Anna Maria Sieklucka), uma diretora de vendas que tem sua vida virada do avesso quando, em uma viagem a Sicília, o mafioso Massimo Torricelli (Michele Morrone) a sequestra lhe dando 365 dias para se apaixonar por ele. 

Já pela sinopse podemos perceber que, de romance, “365 Dias” não tem nada, afinal, como apostar em uma relação iniciada em um sequestro? Mas é exatamente isso que o longa faz. Além de raptada, Laura passa por diversas agressões físicas e psicológicas, sem contar, é claro, com a imposição de uma nova rotina em razão do abandono de sua vida anterior. Assim, apesar da protagonista em diversas situações, reafirmar não ser apenas um objeto, o filme mostra exatamente o contrário já que tanto ela quanto Massimo estão ali apenas cumprindo falas e sendo objetificados. 

A superficialidade nos protagonistas é tangível e mostra o quanto “365 Dias” não se preocupa em atingir uma profundidade narrativa em momento nenhum. Então, se todo resto é descartável, supostamente as cenas de sexo deveriam ser o grande atrativo e destaque positivo, tudo o que não acontece. Esses momentos, além de serem protagonizados por atuações quase cômicas, ainda têm direito a uma música brega no fundo, seguindo sempre o mesmo padrão. 

SERVE COMO COMÉDIA?

Porém, se como romance erótico o filme dá errado, como comédia ele poderia ter tido maior sucesso. Afinal, já temos um roteiro totalmente improvisado, personagens unidimensionais e cenas que rendem boas risadas. A união de todos esses fatores cria uma enorme bagunça visual e, quando o público acha que pior não pode ficar, um plot twist de novela mexicana (com todo respeito às produções da Televisa) surge para nos brindar. 

No final das contas, ‘365 Dias’ não passa de uma história que, em nenhum momento, se preocupa em explicar seus desdobramentos, somente criando situações aleatórias para continuar a saga sexual do casal protagonista. Antes fosse uma comédia, para que seus acontecimentos pudessem ser ironizados, entretanto, o grande problema de se vender como um romance é ser mais uma narrativa a qual trata mulheres de forma tão negligente, com toques de machismo, relacionamento abusivo e tudo aquilo que nós mulheres não precisamos ver sendo reproduzido em pleno 2020. 

Ah! E sabe qual a pior parte de tudo isso? A chance de ter uma continuação. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...