Como a tradicional dança da Geórgia do centro da história, “E Então Nós Dançamos” é um trabalho forte que transborda com precisão e exala sensualidade. Dançarina do National Georgian Ensemble, Merab (Levan Gelbakhiani) é um rapaz pobre que sonha em fazer parte do principal grupo de dança da instituição e ter uma vida fora do apertado apartamento que divide com sua família em Tbilisi. A chegada do novato Irakli (Bachi Valishvili) o atinge como uma tonelada de tijolos: ele dança melhor, ele destoa dos demais… e, aos olhos de Merab, ele é muito atraente. 

Sua proximidade gradual começa como uma parceria de dança e, depois, se transforma em amizade até, finalmente, ficar física. A diretora de fotografia, Lisabi Fridell, capta a poesia de pequenos gestos que as pessoas fazem quando baixam a guarda. Com as principais cenas definidas para ‘Take a Chance on Me’ do ABBA, e ‘Honey’, de Robyn, as faíscas entre os dois protagonistas são muito palpáveis.

O caso deles, apesar de abrir espaço para cenas deslumbrantes, parece um pouco parecido nos termos da trama, com os rumos da história anunciando-se com bastante antecedência para o espectador atento. Em vez disso, o roteiro, escrito por Levan Akin, realmente se destaca quando descobre que a realidade de Merab simplesmente não combina com ele e que precisa encontrar suas próprias maneiras de ir além.

UNIVERSALIDADE A PARTIR DE UMA SOCIEDADE FECHADA

 

Mesmo antes da chegada de Irakli, Merab já se sentia um estranho, provavelmente ciente de que ele é diferente de todos ao seu redor. Enquanto seus colegas estão furiosos com a testosterona querendo se relacionar com garotas – e algumas delas até se casam – ele faz de tudo para adiar o sexo com Mary (Ana Javakishvili), sua parceira de dança e amante. 

Quando começa a se apaixonar pelo novo dançarino, ele não fica de olho no fato de que é uma atração gay, o que leva o público a acreditar que a verdadeira questão aqui não é a homossexualidade de Merab, mas seu lugar no mundo. Nisso, apesar de estar profundamente enraizado na vida da Geórgia, o recurso aponta para a universalidade desse tema.

Ficamos com a sensação de que, se isso fosse filmado em qualquer outro lugar, o protagonista poderia fazer parte de qualquer grupo e, ainda assim, se sentir da mesma maneira, desde que a tradição e a mente fechada tenham um papel importante na dinâmica social de seu ambiente.

Essa universalidade pode fazer com que ela cubra o mesmo terreno de outros filmes, mas o recurso carinhoso e sensorial de Akin faz valer a pena assistir. “E Então Nós Dançamos” está cheio da angústia e paixão das duras revelações da adolescência – verrugas e tudo – e da euforia de dar um passo mais perto do seu verdadeiro eu.

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...