Como a tradicional dança da Geórgia do centro da história, “E Então Nós Dançamos” é um trabalho forte que transborda com precisão e exala sensualidade. Dançarina do National Georgian Ensemble, Merab (Levan Gelbakhiani) é um rapaz pobre que sonha em fazer parte do principal grupo de dança da instituição e ter uma vida fora do apertado apartamento que divide com sua família em Tbilisi. A chegada do novato Irakli (Bachi Valishvili) o atinge como uma tonelada de tijolos: ele dança melhor, ele destoa dos demais… e, aos olhos de Merab, ele é muito atraente. 

Sua proximidade gradual começa como uma parceria de dança e, depois, se transforma em amizade até, finalmente, ficar física. A diretora de fotografia, Lisabi Fridell, capta a poesia de pequenos gestos que as pessoas fazem quando baixam a guarda. Com as principais cenas definidas para ‘Take a Chance on Me’ do ABBA, e ‘Honey’, de Robyn, as faíscas entre os dois protagonistas são muito palpáveis.

O caso deles, apesar de abrir espaço para cenas deslumbrantes, parece um pouco parecido nos termos da trama, com os rumos da história anunciando-se com bastante antecedência para o espectador atento. Em vez disso, o roteiro, escrito por Levan Akin, realmente se destaca quando descobre que a realidade de Merab simplesmente não combina com ele e que precisa encontrar suas próprias maneiras de ir além.

UNIVERSALIDADE A PARTIR DE UMA SOCIEDADE FECHADA

 

Mesmo antes da chegada de Irakli, Merab já se sentia um estranho, provavelmente ciente de que ele é diferente de todos ao seu redor. Enquanto seus colegas estão furiosos com a testosterona querendo se relacionar com garotas – e algumas delas até se casam – ele faz de tudo para adiar o sexo com Mary (Ana Javakishvili), sua parceira de dança e amante. 

Quando começa a se apaixonar pelo novo dançarino, ele não fica de olho no fato de que é uma atração gay, o que leva o público a acreditar que a verdadeira questão aqui não é a homossexualidade de Merab, mas seu lugar no mundo. Nisso, apesar de estar profundamente enraizado na vida da Geórgia, o recurso aponta para a universalidade desse tema.

Ficamos com a sensação de que, se isso fosse filmado em qualquer outro lugar, o protagonista poderia fazer parte de qualquer grupo e, ainda assim, se sentir da mesma maneira, desde que a tradição e a mente fechada tenham um papel importante na dinâmica social de seu ambiente.

Essa universalidade pode fazer com que ela cubra o mesmo terreno de outros filmes, mas o recurso carinhoso e sensorial de Akin faz valer a pena assistir. “E Então Nós Dançamos” está cheio da angústia e paixão das duras revelações da adolescência – verrugas e tudo – e da euforia de dar um passo mais perto do seu verdadeiro eu.

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...

‘Me Sinto Bem Com Você’: crônica superficial dos relacionamentos pandêmicos

“Ei, você está ai?” Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de...

‘Loop’: excessos não impedem a diversão em boa sci-fi brasileira

No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem...