Como a tradicional dança da Geórgia do centro da história, “E Então Nós Dançamos” é um trabalho forte que transborda com precisão e exala sensualidade. Dançarina do National Georgian Ensemble, Merab (Levan Gelbakhiani) é um rapaz pobre que sonha em fazer parte do principal grupo de dança da instituição e ter uma vida fora do apertado apartamento que divide com sua família em Tbilisi. A chegada do novato Irakli (Bachi Valishvili) o atinge como uma tonelada de tijolos: ele dança melhor, ele destoa dos demais… e, aos olhos de Merab, ele é muito atraente. 

Sua proximidade gradual começa como uma parceria de dança e, depois, se transforma em amizade até, finalmente, ficar física. A diretora de fotografia, Lisabi Fridell, capta a poesia de pequenos gestos que as pessoas fazem quando baixam a guarda. Com as principais cenas definidas para ‘Take a Chance on Me’ do ABBA, e ‘Honey’, de Robyn, as faíscas entre os dois protagonistas são muito palpáveis.

O caso deles, apesar de abrir espaço para cenas deslumbrantes, parece um pouco parecido nos termos da trama, com os rumos da história anunciando-se com bastante antecedência para o espectador atento. Em vez disso, o roteiro, escrito por Levan Akin, realmente se destaca quando descobre que a realidade de Merab simplesmente não combina com ele e que precisa encontrar suas próprias maneiras de ir além.

UNIVERSALIDADE A PARTIR DE UMA SOCIEDADE FECHADA

 

Mesmo antes da chegada de Irakli, Merab já se sentia um estranho, provavelmente ciente de que ele é diferente de todos ao seu redor. Enquanto seus colegas estão furiosos com a testosterona querendo se relacionar com garotas – e algumas delas até se casam – ele faz de tudo para adiar o sexo com Mary (Ana Javakishvili), sua parceira de dança e amante. 

Quando começa a se apaixonar pelo novo dançarino, ele não fica de olho no fato de que é uma atração gay, o que leva o público a acreditar que a verdadeira questão aqui não é a homossexualidade de Merab, mas seu lugar no mundo. Nisso, apesar de estar profundamente enraizado na vida da Geórgia, o recurso aponta para a universalidade desse tema.

Ficamos com a sensação de que, se isso fosse filmado em qualquer outro lugar, o protagonista poderia fazer parte de qualquer grupo e, ainda assim, se sentir da mesma maneira, desde que a tradição e a mente fechada tenham um papel importante na dinâmica social de seu ambiente.

Essa universalidade pode fazer com que ela cubra o mesmo terreno de outros filmes, mas o recurso carinhoso e sensorial de Akin faz valer a pena assistir. “E Então Nós Dançamos” está cheio da angústia e paixão das duras revelações da adolescência – verrugas e tudo – e da euforia de dar um passo mais perto do seu verdadeiro eu.

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...