AVISO: texto contém SPOILERS

Popularmente conhecido como “Thor” desde 2011, Chris Hemsworth mostra uma iniciativa consistente em se desprender da imagem passada pelos filmes do Universo Marvel com seu desempenho em ‘Resgate’. Para começar, o mais novo longa protagonizado pelo ator não é uma total perda de tempo como o recente ‘M.I.B: Internacional’. Além disso, a atuação de Hemsworth consegue grande destaque em um filme que também é capaz de entreter seu público, isto, é claro, caso ele esteja desatento aos furos apresentados pela história. 

Com roteiro de Joe Russo (“Vingadores: Ultimato”) e direção de Sam Hargrave (“Atômica”), o longa não apenas reúne antigos conhecidos da Marvel, como também evidencia a presença de cenas de ação, considerando que Hargrave possui um trabalho sólido como coordenador de dublês. Assim, a história acompanha o mercenário Tyler Rake (Chris Hemsworth) na missão de ir para a Índia e resgatar o jovem Ovi (Rudraksha Jaiswal), sequestrado por um criminoso inimigo de seu pai.   

Como base do projeto, o roteiro adaptado dos quadrinhos Ande Parks, “Cuidad”, é o principal impeditivo para que o longa decole em diversos momentos. Para começar, o argumento cai no antigo clichê norte-americano do ex-soldado branco de olhos azuis como grande salvador da história. Isso mesmo com o esforço do design de produção para destacar a cultura indiana. 

Mantendo um bom ritmo inicial, o grande impasse no roteiro logo surge quando Rake se dá conta que sua agência foi enganada e provavelmente nunca irá receber o dinheiro pelo resgate. Porém, o personagem se apega ao seu passado e a Ovi para cumprir a missão, algo totalmente contraditório para um mercenário, situação enfatizada pelo próprio roteiro com a fala de Gaspar (David Harbour). 

Desta incoerência surgem diversos momentos indefensáveis como a união com Saju (Randeep Hooda) – o qual supostamente deveria pagar Rake – e o desfecho positivo para Ovi, que não era o esperado em nenhuma alternativa possível, mas acontece. Finalizando esse apanhado de equívocos, temos um vilão inexpressivo, com desenvolvimento mínimo o qual segue a mesma proposta de mestre e aprendiz já vista entre Ovi e Rake. 

AÇÃO PARA COMPENSAR FUROS 

Se o roteiro entrega o básico repleto de furos, a parte técnica de “Resgate” se destaca como pede um bom filme de ação. O design de produção cria uma ótima ambientação para as cenas grandiosas de luta, apesar do filtro mais quente, normalmente utilizado para retratar locais subdesenvolvidos, quase estragar a experiência. 

A direção de fotografia também tem seus bons momentos e busca um grande aproveitamento de cenas previsíveis como a comum perseguição de carro. O momento é retratado com um longo plano-sequência muito interessante principalmente por se tratar do início do filme, conseguindo incentivar a trama a progredir. Porém, no final do plano, vemos diversas ações repetitivas como duas perseguições de carro e personagens sendo atingidos da mesma forma. 

Após se mostrar eficaz com as cenas de ação, “Resgate” se prepara para os momentos finais com objetos cênicos mais pesados que, infelizmente, não surpreendem como deveriam. Aqui nem mesmo uma explosão de helicóptero consegue deixar a sequência de resgate mais interessante. Talvez essa esfriada também ocorra pela separação de Tyler e Ovi, afinal, é justamente com o reencontro de ambos que Hemsworth mostra maior carga dramática e o longa se encaminha para um desfecho satisfatório – isto se não fosse a insistência em agradar ao público a qualquer custo. 

Dito isto, posso afirmar que ‘Resgate’ é um filme bacana de assistir até mesmo se você não gostar tanto do gênero de ação, pois existe uma história interessante em seu plano de fundo. Porém, não espere muito mais do que isso, principalmente se desejar uma trama coerente e nada covarde. 

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...