Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, “A Casa Sombria”, chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de “Hellraiser”), o longa é um bom exemplo de que é possível desenvolver um envolvente thriller psicológico ainda que regado a alguns clichês de filmes do gênero.

Apesar da direção e roteiro concisos, a escolha narrativa para o desfecho de “A Casa Sombria” acaba estragando toda uma experiência construída no espectador durante todo o filme.

Em “A Casa Sombria”, acompanhamos a história de Beth (Rebecca Hall), uma mulher que está passando pelo processo de luto após o misterioso suicídio do marido Owen (Evan Jonigkeit). Beth sai em busca de respostas na tentativa de entender os motivos que levaram seu marido a cometer tal ato. Após um evento supostamente paranormal em sua casa, a protagonista acredita que o espírito do falecido marido esteja tentando dizer algo sobre a sua morte repentina.

Ambientação sombria e grande atuação de Hall

Ainda que o título provoque no espectador a sensação de estar assistindo mais um filme genérico de casas mal-assombradas, Bruckner vai bem além disso. O diretor consegue ampliar o mistério e suspense da trama com a ambientação da casa onde a protagonista vive isolada, sendo, sem dúvida, o ponto alto de “A Casa Sombria”.

Bruckner consegue transformar o aparente porto-seguro de Beth em um lugar melancólico e hostil. Ainda que a direção de arte e a construção do design de som sejam ótimos, o destaque fica mesmo na direção de fotografia de Elisha Christian que trabalha enquadramentos e movimentos de câmara capazes de causar desconforto até em espectadores acostumados com obras do gênero.

Mas, além da casa como ponto importante na trama, Rebecca Hall está excelente como a protagonista. “A Casa Sombria” é quase que totalmente carregado pela atriz. Hall vai fundo na interpretação da protagonista ao demonstrar a dor da perda somada a raiva e frustração pelo ocorrido. Logo nos primeiros minutos, já somos agraciados pelo sentimento de esperança e medo que a atriz causa na cena em que atende à ligação de um desconhecido. 

Desfecho anticlimático e quebra de narrativa

Grande parte da imersão em “A Casa Sombria” acontece por conta do roteiro bem escrito, a direção inspirada e a atuação da protagonista. Porém, esse tripé não é suficiente para ignorar uma série de desvios nos minutos finais do filme.

É comum que jumpscares excessivos em filmes do gênero possam perder força ao longo da narrativa, mas talvez o principal elemento tenha sido a decisão criativa para o desfecho do longa. Em vários momentos, o diretor desenvolve a produção como um thriller psicológico provocando vários questionamentos, ao mesmo tempo em que vai entregando pistas sobre o que realmente pode estar acontecendo.

Entretanto, a sequência final de “A Casa Sombria” acaba estragando todo o desenvolvimento da história. As escolhas de Bruckner nas cenas finais geram um suspense desnecessário e fazem com que o longa se torne arrastado e monótono. Ainda que a direção consiga envolver o espectador em dois terços do filme, o público pode não reagir bem à conclusão escolhida, o que reduz toda a experiência imersiva construída ao longo do enredo.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...