Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, “A Casa Sombria”, chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de “Hellraiser”), o longa é um bom exemplo de que é possível desenvolver um envolvente thriller psicológico ainda que regado a alguns clichês de filmes do gênero.

Apesar da direção e roteiro concisos, a escolha narrativa para o desfecho de “A Casa Sombria” acaba estragando toda uma experiência construída no espectador durante todo o filme.

Em “A Casa Sombria”, acompanhamos a história de Beth (Rebecca Hall), uma mulher que está passando pelo processo de luto após o misterioso suicídio do marido Owen (Evan Jonigkeit). Beth sai em busca de respostas na tentativa de entender os motivos que levaram seu marido a cometer tal ato. Após um evento supostamente paranormal em sua casa, a protagonista acredita que o espírito do falecido marido esteja tentando dizer algo sobre a sua morte repentina.

Ambientação sombria e grande atuação de Hall

Ainda que o título provoque no espectador a sensação de estar assistindo mais um filme genérico de casas mal-assombradas, Bruckner vai bem além disso. O diretor consegue ampliar o mistério e suspense da trama com a ambientação da casa onde a protagonista vive isolada, sendo, sem dúvida, o ponto alto de “A Casa Sombria”.

Bruckner consegue transformar o aparente porto-seguro de Beth em um lugar melancólico e hostil. Ainda que a direção de arte e a construção do design de som sejam ótimos, o destaque fica mesmo na direção de fotografia de Elisha Christian que trabalha enquadramentos e movimentos de câmara capazes de causar desconforto até em espectadores acostumados com obras do gênero.

Mas, além da casa como ponto importante na trama, Rebecca Hall está excelente como a protagonista. “A Casa Sombria” é quase que totalmente carregado pela atriz. Hall vai fundo na interpretação da protagonista ao demonstrar a dor da perda somada a raiva e frustração pelo ocorrido. Logo nos primeiros minutos, já somos agraciados pelo sentimento de esperança e medo que a atriz causa na cena em que atende à ligação de um desconhecido. 

Desfecho anticlimático e quebra de narrativa

Grande parte da imersão em “A Casa Sombria” acontece por conta do roteiro bem escrito, a direção inspirada e a atuação da protagonista. Porém, esse tripé não é suficiente para ignorar uma série de desvios nos minutos finais do filme.

É comum que jumpscares excessivos em filmes do gênero possam perder força ao longo da narrativa, mas talvez o principal elemento tenha sido a decisão criativa para o desfecho do longa. Em vários momentos, o diretor desenvolve a produção como um thriller psicológico provocando vários questionamentos, ao mesmo tempo em que vai entregando pistas sobre o que realmente pode estar acontecendo.

Entretanto, a sequência final de “A Casa Sombria” acaba estragando todo o desenvolvimento da história. As escolhas de Bruckner nas cenas finais geram um suspense desnecessário e fazem com que o longa se torne arrastado e monótono. Ainda que a direção consiga envolver o espectador em dois terços do filme, o público pode não reagir bem à conclusão escolhida, o que reduz toda a experiência imersiva construída ao longo do enredo.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...