Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de imagens e da linguagem que é própria ao cinema. A diretora se apropria da arte para transformar questões pessoais em situações inerentes a todos os seres humanos como a brevidade da existência, a imensidão de nossos sentimentos e a própria vida. 

Por isso, é difícil definir “A Metamorfose dos Pássaros”: o que temos é uma verdadeira obra de arte, utilizando composições sensoriais e etéreas para dialogar conosco. Não é a toa que a obra conquistou o prêmio da Federação Internacional de Críticos (Fipresci), na edição de 2020 do Festival de Berlim. 

Vasconcelos conta a história de sua família em três momentos distintos. Na primeira fase, acompanhamos o casal Henrique e Beatriz, carinhosamente chamada de Triz. Vemos sua história de amor alicerçada em concessões e apoio incondicional que termina resultando no distanciamento corpóreo e emocional do casal. Tal aspecto é importante para compreendermos a relação de Jacinto, filho do casal, com o mundo e com a mãe. Para finalmente, chegarmos ao último momento do longa-metragem: a ligação de Vasconcelos com sua família. 

Em todos esses instantes, a diretora destaca as angústias, preocupações e realizações dos habitantes de seu clã. A narrativa em off utilizada durante toda a produção auxilia para que sintamos o que o narrador-personagem perpassa. E como se fossemos co-participantes de suas memórias, especialmente, se notarmos que as imagens estão dispostas como um álbum de família: imagens estáticas com filtros que remetem à fotografia analógica e atenta a detalhes que facilmente seriam editados ou ignorados na era das fotos digitalizadas captadas da câmera de um smartphone. 

Além disso, as imagens são potencializadas por amparar, proteger e perpetuar a memória contra a força implacável do tempo. Vasconcelos conta a sua história e nos leva a pensar em nossa própria ancestralidade, naquilo que levamos e guardamos de nossos parentes mais próximos e isso se manifesta na narração. As palavras discorridas possuem a ânsia de encontrar um interlocutor que as compreenda, as absorva. 

RETRATO ÍNTIMO E UNIVERSAL

Deve ser por isso que ao casá-las com as imagens, a sensação que fica é vívida, pulsante, libertadora e dolorosa. Porque entendemos que, na vida real, amar pode doer e deixar feridas que nos acompanham por toda a existência. De um lado, por exemplo, temos o amor de um casal que é sôfrego pela individualidade imposta. Por outro lado, temos dois filhos que precisam lidar com o luto, e, em todas essas facetas, o roteiro é perspicaz em conduzir a reflexões e o peso de amar.

A narrativa não linear e a cadência com que os fatos são apresentados contribuem para que percebamos até mesmo o que não é dito. O avançar, desacelerar e estado de suspensão de alguns momentos são equiparados com maestria a nossa memória, por isso simbologias que poderiam ser óbvias – como a tentativa de levantar uma árvore caída – ganham novos significados e criam uma aura mágica laureada com cuidado e a técnica precisa para construir uma trajetória cinematográfica.

Toda essa complexidade narrativa reveste-se de questões simples do cotidiano e da própria existência humana. Vasconcelos traz um relato íntimo, mas com alto poder de identificação e de empatia que tornam a obra universal, enfim, uma verdadeira poesia imagética. Uma carta de amor e libertação de seus ancestrais.

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...