O Cine Set inicia a série de entrevistas com os candidatos à Prefeitura de Manaus nas eleições 2020 com Amazonino Mendes.

O candidato do Podemos tenta chegar pela quarta vez à Prefeitura de Manaus após governar a cidade entre 1983-1986, 1993-1994 e 2009-2013. Ao lado de Wilker Barreto, Amazonino forma a chapa ‘Juntos Podemos Mais’. Também já foi três vezes governador do Amazonas e senador da República.

Conforme estabelecido junto a todas as chapas, as perguntas são idênticas para todos os candidatos e feitas na mesma ordem.

Cine Set – Qual deve ser o papel do Estado no setor cultural e qual será o foco da sua gestão no setor?  

Amazonino Mendes – O Estado tem papel importante na elaboração e implementação de políticas culturais. Dentre elas, oferecer e garantir o acesso da população ao aparato cultural do Estado, além de estimular e fomentar a produção artística.  

Cultura é uma paixão em minha vida e sempre dediquei ao setor um olhar especial. Me orgulha, por exemplo, a criação do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, que já capacitou mais de 450 mil pessoas, em cursos gratuitos de música, dança, teatro, artes plásticas e cinema, além de formação técnica. Eu diria que foi um sonho realizado, para mim particularmente, e um sonho realizado para muitos jovens e crianças que ali se formam e que ganham mundo mostrando sua arte.  

Em mandato que cumpri como governador, foram criados os corpos artísticos do Amazonas, numa preocupação que tinha de gerar empregos e promover o desenvolvimento das artes no estado. Criamos a Orquestra Filarmônica do Estado do Amazonas; Coral do Amazonas; Corpo de Dança do Amazonas; Orquestra de Violões do Amazonas; Amazonas Band; Balé Folclórico do Amazonas; e Orquestra de Câmara do Amazonas. São ações que ficaram e, claro, precisam ser ampliadas e novos desafios enfrentados. 

Para essa gestão, caso seja eleito prefeito, já deixei registrado no Plano de Governo o compromisso de criar projetos e programas para estimular os talentos artísticos locais. Além disso, descentralizar as atividades artísticas e culturais para bairros e comunidades rurais e desburocratizar e ampliar o acesso à Lei Municipal de Incentivo à Cultura.  

Cine Set – Como tornar a Lei Municipal de Incentivo à Cultura mais eficiente?  

Amazonino Mendes – Desburocratizando e ampliando o acesso aos profissionais da área, que é o que estamos nos propondo a fazer no Plano de Governo. É preciso nos debruçar sobre o tema, para fazer com que efetivamente a lei beneficie a classe artística local. Verificar onde estão os entraves, as limitações e buscar os mecanismos para que aconteça.  

Cine Set – Como a Prefeitura pode estimular a iniciativa privada a apoiar e investir na cultura local?   

Amazonino Mendes –  A iniciativa privada precisa conhecer as ferramentas que existem, como participar e ser estimulada a se incorporar a um movimento em prol da cultura da cidade. Não é uma tarefa fácil, mas é possível e vamos buscar os mecanismos necessários que possam atrair as empresas a esse engajamento pelo desenvolvimento da cultura em Manaus.  

Cine Set – Como a Prefeitura pode ajudar a descentralizar as atividades culturais para que elas cheguem nas regiões periféricas, especialmente, nas zonas norte e leste da capital?  

Amazonino Mendes – Essa preocupação nos motivou a incluir no Plano de Governo o compromisso de promover espetáculos e eventos de artes cênicas, música e dança nos bairros e nas comunidades rurais, com a implantação do Projeto Arte Itinerante. E, também, revitalizar os parques e espaços públicos para que possam ser locais de apresentação desses espetáculos. Também está no nosso planejamento a promoção de um Festival de Música e Dança e ampliar a programação da Virada Cultural, evento que foi realizado pela primeira vez na minha última administração na Prefeitura, o Paço a Passo, as festas juninas e o Boi Manaus. 

Cine Set – Políticas de editais públicos para o setor cultural como, por exemplo, “Conexões Culturais” e arranjos regionais em parceria com a Ancine, serão mantidas? Se sim, como poderão ser aprimoradas?  

Amazonino Mendes – As políticas de editais públicos cumprem um importante papel no estímulo à produção cultural. Ao assumir, vamos analisar tudo o que está sendo feito, manter o que está funcionando a contento – não há porque descartar – conversar com a classe artística e buscar com ela novos caminhos para ampliar essa atuação.  

Cine Set – Artistas amazonenses quando precisam realizar atividades formativas ou cursos, mesmo de curta duração, muitas vezes, precisam sair de Manaus para fazer estas atividades, pois, elas não existem por aqui, sendo inviável para muita gente. Como a Prefeitura pode contribuir neste aspecto formativo do setor?  

Amazonino Mendes – É um ponto interessante e que, com certeza, merecerá a nossa atenção. A formação artística é algo fundamental e um caminho frutífero nesse aspecto podem ser as parcerias com universidades e o uso de espaços públicos para esse fim.  

Cine Set – O senhor pretende ter uma secretaria ou fundação destinada exclusivamente à cultura ou ela estará associada junto a algum outro setor? Por quê? 

Amazonino Mendes –  O importante, nesse processo, é a gente avaliar junto com o setor se a política está funcionando a contento.  

Cine Set – O senhor conhece alguma obra do cinema amazonense? Já assistiu? Tem algum que o senhor mais gosta? 

Amazonino Mendes – Eu vi o filme “A Selva”, que foi rodado no Amazonas, dirigido por amazonense, o escritor Márcio Souza, baseado na obra do português Ferreira de Castro. Temos aqui o esforço de pessoas como o romancista Márcio Souza e de outros que precisam, sim, de um apoio maior para suas produções. 

Michel Guerrero e as memórias da infância no Cine Carmen Miranda

Michel Guerrero possui uma longa carreira no teatro manauara, incluindo sua personagem mais famosa, Lady Park. Agora, ele revive sua paixão de infância pelo cinema para produzir seu primeiro curta-metragem como diretor, “Cine Carmen Miranda”. Partindo de uma narrativa...

Cláudio Bitencourt e Diego Lopes: “o talento do Marco Ricca elevou ainda mais ‘Lamento’”

Glamourosos e com uma diversidade de gente de todos os tipos entre hóspedes e clientes, hotéis sempre foram locais adorados por roteiristas e diretores para ambientarem suas produções. De Edmund Goulding em "O Grande Hotel" (1932) ao clássico "O Iluminado", de Stanley...

Daniel Nolasco: ‘A História brasileira ressignificou ‘Vento Seco’’

"Vento Seco" estreia no circuito comercial dos cinemas brasileiros em um mundo bem diferente de quando foi formulado inicialmente lá no longuíquo 2013. A chegada de um governo de extrema-direita ao poder e todo o preconceito contra minorias trazido por ele coloca...

Ignacio Rogers: ‘’O Diabo Branco’ mostra como as feridas da colonização seguem abertas’

 Com uma trajetória na carreira de ator iniciada em 2005, o argentino Ignacio Rogers resolveu se aventurar na direção de longas-metragens neste ano com “O Diabo Branco”. A produção em cartaz nos cinemas brasileiros toca em pontos sensíveis da colonização...

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...