O Cine Set inicia a série de entrevistas com os candidatos à Prefeitura de Manaus nas eleições 2020 com Amazonino Mendes.

O candidato do Podemos tenta chegar pela quarta vez à Prefeitura de Manaus após governar a cidade entre 1983-1986, 1993-1994 e 2009-2013. Ao lado de Wilker Barreto, Amazonino forma a chapa ‘Juntos Podemos Mais’. Também já foi três vezes governador do Amazonas e senador da República.

Conforme estabelecido junto a todas as chapas, as perguntas são idênticas para todos os candidatos e feitas na mesma ordem.

Cine Set – Qual deve ser o papel do Estado no setor cultural e qual será o foco da sua gestão no setor?  

Amazonino Mendes – O Estado tem papel importante na elaboração e implementação de políticas culturais. Dentre elas, oferecer e garantir o acesso da população ao aparato cultural do Estado, além de estimular e fomentar a produção artística.  

Cultura é uma paixão em minha vida e sempre dediquei ao setor um olhar especial. Me orgulha, por exemplo, a criação do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, que já capacitou mais de 450 mil pessoas, em cursos gratuitos de música, dança, teatro, artes plásticas e cinema, além de formação técnica. Eu diria que foi um sonho realizado, para mim particularmente, e um sonho realizado para muitos jovens e crianças que ali se formam e que ganham mundo mostrando sua arte.  

Em mandato que cumpri como governador, foram criados os corpos artísticos do Amazonas, numa preocupação que tinha de gerar empregos e promover o desenvolvimento das artes no estado. Criamos a Orquestra Filarmônica do Estado do Amazonas; Coral do Amazonas; Corpo de Dança do Amazonas; Orquestra de Violões do Amazonas; Amazonas Band; Balé Folclórico do Amazonas; e Orquestra de Câmara do Amazonas. São ações que ficaram e, claro, precisam ser ampliadas e novos desafios enfrentados. 

Para essa gestão, caso seja eleito prefeito, já deixei registrado no Plano de Governo o compromisso de criar projetos e programas para estimular os talentos artísticos locais. Além disso, descentralizar as atividades artísticas e culturais para bairros e comunidades rurais e desburocratizar e ampliar o acesso à Lei Municipal de Incentivo à Cultura.  

Cine Set – Como tornar a Lei Municipal de Incentivo à Cultura mais eficiente?  

Amazonino Mendes – Desburocratizando e ampliando o acesso aos profissionais da área, que é o que estamos nos propondo a fazer no Plano de Governo. É preciso nos debruçar sobre o tema, para fazer com que efetivamente a lei beneficie a classe artística local. Verificar onde estão os entraves, as limitações e buscar os mecanismos para que aconteça.  

Cine Set – Como a Prefeitura pode estimular a iniciativa privada a apoiar e investir na cultura local?   

Amazonino Mendes –  A iniciativa privada precisa conhecer as ferramentas que existem, como participar e ser estimulada a se incorporar a um movimento em prol da cultura da cidade. Não é uma tarefa fácil, mas é possível e vamos buscar os mecanismos necessários que possam atrair as empresas a esse engajamento pelo desenvolvimento da cultura em Manaus.  

Cine Set – Como a Prefeitura pode ajudar a descentralizar as atividades culturais para que elas cheguem nas regiões periféricas, especialmente, nas zonas norte e leste da capital?  

Amazonino Mendes – Essa preocupação nos motivou a incluir no Plano de Governo o compromisso de promover espetáculos e eventos de artes cênicas, música e dança nos bairros e nas comunidades rurais, com a implantação do Projeto Arte Itinerante. E, também, revitalizar os parques e espaços públicos para que possam ser locais de apresentação desses espetáculos. Também está no nosso planejamento a promoção de um Festival de Música e Dança e ampliar a programação da Virada Cultural, evento que foi realizado pela primeira vez na minha última administração na Prefeitura, o Paço a Passo, as festas juninas e o Boi Manaus. 

Cine Set – Políticas de editais públicos para o setor cultural como, por exemplo, “Conexões Culturais” e arranjos regionais em parceria com a Ancine, serão mantidas? Se sim, como poderão ser aprimoradas?  

Amazonino Mendes – As políticas de editais públicos cumprem um importante papel no estímulo à produção cultural. Ao assumir, vamos analisar tudo o que está sendo feito, manter o que está funcionando a contento – não há porque descartar – conversar com a classe artística e buscar com ela novos caminhos para ampliar essa atuação.  

Cine Set – Artistas amazonenses quando precisam realizar atividades formativas ou cursos, mesmo de curta duração, muitas vezes, precisam sair de Manaus para fazer estas atividades, pois, elas não existem por aqui, sendo inviável para muita gente. Como a Prefeitura pode contribuir neste aspecto formativo do setor?  

Amazonino Mendes – É um ponto interessante e que, com certeza, merecerá a nossa atenção. A formação artística é algo fundamental e um caminho frutífero nesse aspecto podem ser as parcerias com universidades e o uso de espaços públicos para esse fim.  

Cine Set – O senhor pretende ter uma secretaria ou fundação destinada exclusivamente à cultura ou ela estará associada junto a algum outro setor? Por quê? 

Amazonino Mendes –  O importante, nesse processo, é a gente avaliar junto com o setor se a política está funcionando a contento.  

Cine Set – O senhor conhece alguma obra do cinema amazonense? Já assistiu? Tem algum que o senhor mais gosta? 

Amazonino Mendes – Eu vi o filme “A Selva”, que foi rodado no Amazonas, dirigido por amazonense, o escritor Márcio Souza, baseado na obra do português Ferreira de Castro. Temos aqui o esforço de pessoas como o romancista Márcio Souza e de outros que precisam, sim, de um apoio maior para suas produções. 

Martin Scorsese e o sentimento de culpa em ‘Assassinos da Lua das Flores’

“Assassinos da Lua das Flores” é um projeto especial para Martin Scorsese. A exemplo de outros títulos em sua filmografia, este também chegou às telas depois de um longo período de gestação. Mas valeu a espera, e não pelas dez indicações ao Oscar que recebeu...

Wagner de Assis e o desafio de ‘Nosso Lar 2’ dialogar sobre fé em um Brasil rachado

Parece que foi em outra vida, mas, há 14 anos "Nosso Lar" chegava aos cinemas brasileiros e atingiu impressionantes 4 milhões de espectadores. O país atravessava um período de normalidade democrática, otimismo por conta do crescimento econômico e a extrema direita...

Felipe Lopes: “colocar as obras da Vitrine no circuito comercial é um trabalho de guerrilha” 

O Matapi – Mercado Audiovisual do Norte teve o melhor painel da edição 2023 na sexta-feira (24) na conversa que reuniu quatro das principais distribuidoras independentes do Brasil. Argel Medeiros (Olhar Filmes), Felipe Lopes (Vitrine Filmes), Yasmin Chiden...

José Kaeté e os legados da campanha de impacto do documentário ‘O Território’

Disponível no Disney+, “O Território” foi um dos documentários mais celebrados de 2022. Coprodução EUA e Brasil, o longa dirigido por Alex Pritz acompanha a luta do povo indígena Uru-eu-wau-wau para não ter a terra invadida por pessoas interessadas na extração ilegal...

‘The Crown’: Jonathan Pryce e Khalid Abdalla falam das descobertas e emoções da última temporada

O mundo começou a dar adeus a uma das produções de maior sucesso de público e crítica da Netflix. Lançada com muita pompa e o título de série mais cara produzida pelo serviço de streaming, “The Crown” conseguiu manter o interesse dos espectadores por seis temporadas,...

Elizabeth Debicki e o desejo de realçar a inteligência da Princesa Diana em ‘The Crown’

O mundo começou a dar adeus a uma das produções de maior sucesso de público e crítica da Netflix. Lançada com muita pompa e o título de série mais cara produzida pelo serviço de streaming, “The Crown” conseguiu manter o interesse dos espectadores por seis temporadas,...

Antonia Pellegrino e os desafios do processo de reconstrução da EBC

As notícias vindas da Argentina após a eleição do anarcocapitalista Javier Milei relembraram períodos difíceis para quem trabalha no setor audiovisual brasileiro. A informação de que futuro presidentes do hermanos pretende privatizar a Telám, a TV pública do país, e a...

Daniel Bandeira no Matapi 2023: “o cinema de gênero é capaz de traduzir as inquietações do Brasil”

O diretor pernambucano Daniel Bandeira teve a honra de abrir o primeiro dia de atividades da sexta edição do Matapi – Mercado Audiovisual do Norte. Ele ministrou a masterclass “Construindo Narrativas” em que abordou aspectos de como contar boas histórias,...

Uma Conversa com Sofia Coppola e Cailee Spaeny sobre ‘Priscilla’

Em 1985, Priscilla Presley resolveu contar seu lado da história no livro “Elvis e Eu”, escrito em parceria com Sandra Harmon. A obra chegou a ser adaptada para a TV e, quase quatro décadas depois, o livro ganha o tratamento cinematográfico, pelas mãos de Sofia...

Uma Conversa com Shawn Levy sobre “Toda Luz que Não Podemos Ver’

Lançado em 2014, o livro “Toda Luz Que Não Podemos Ver”, de Anthony Doerr, virou best seller, ganhou o Pulitzer e apareceu em incontáveis listas de leituras imperdíveis no booktube. Era inevitável que logo chegasse uma versão para o audiovisual dessa história...