“Boiling Point” é um retrato seco de um dia infernal em um restaurante do norte de Londres. O filme de Philip Barantini, que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, captura de forma eletrizante – e em uma única tomada – a pressão de um dia de trabalho que vai aos poucos dando muito, muito errado.

Andy (Stephen Graham, de “O Irlandês” e “Rocketman”) é um chefe de cozinha que chega atrasado para o seu turno em uma movimentada noite de dezembro. Ele descobre que uma inspeção de rotina rebaixou a classificação de higiene de seu restaurante. Para pior, o lugar teve overbooking e um chef celebridade aparecerá por lá. A partir daí, ele junto com sua equipe de cozinheiros e garçons se tornam uma bomba-relógio – com o público acompanhando de perto, sem cortes, esperando a explosão.

INTERAÇÃO COMO FORÇA-MOTRIZ

Barantini, que adapta e expande aqui seu curta de mesmo título de 2019, mostra talento ao criar uma situação crível mesmo com um conceito – a tomada única – que poderia parecer gratuito em outras mãos. O roteiro, assinado por ele e James Cunnings, aposta confiantemente na construção de arquétipos, privilegiando a interação do coletivo ao invés de desenvolvimentos narrativos individuais.


A galeria desses personagens incluem a abnegada sous-chef (Vinette Robinson), o cozinheiro pistola (Ray Panthaki), o ajudante preguiçoso (Malachi Kirby), a novata estrangeira (Izuka Hoyle), o aprendiz sensível (Stephen McMillan), o ajudante preguiçoso (Daniel Larkai) e a gerente que todos detestam (Alice Feetham). Por limitações de tempo, eles são apenas apresentados minimamente, mas suas demonstrações de empatia – e fúria – uns com os outros são a força-motriz do longa.

GOSTO FORTE E MEMORÁVEL

À frente do elenco, Graham está ótimo como o protagonista de “Boiling Point”. É certo que o papel continua a esteira de homens instáveis à beira de um colapso nervoso que o ator viveu nas telonas nos últimos anos, mas ele é astuto em trazer o público completamente para o seu lado. Com um divórcio complicado e recente, um filho ao qual não consegue dar atenção, uma dívida a um rival e as pressões do trabalho, a pergunta sobre Andy não é se ele vai surtar, mas quando.

Para lidar com tudo, ele se joga de cabeça em drogas e álcool e ataca verbalmente seus colegas de maneira implacável. Nesse sentido, o filme apela para os clichês de filmes sobre chefes de cozinha de comportamento duvidoso na corda bamba (à la “Pegando Fogo“, de 2015, por exemplo). No entanto, a produção se sai melhor quando pequenos dramas do staff ganham destaque, como a delicada situação de Andrea (Lauryn Ajufo), que sofre racismo na mão de clientes. Nesses momentos, o filme serve como um retrato da dura realidade dessa classe de trabalhadores.

A graça de “Boiling Point” é sempre manter a ação em um nível que faz a plateia pensar que isso poderia acontecer em uma jornada de trabalho qualquer. O caminho fácil para contar essa história seria criar uma noite dos horrores, com tudo dando errado, para enfatizar o drama – mas Barantini não faz isso. De fato, algumas coisas saem gravemente do eixo no filme, mas a tensão que ecoa na tela vem de acontecimentos anteriores. O prato que o diretor serve é cozido lentamente – e justamente por isso, tem um gosto forte e memorável.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...