Mark Ruffalo é um ator bastante versátil e carismático, de longe um dos nossos preferidos. Encaixa-se em qualquer tipo de papel e gênero cinematográfico, passando pelo Incrível Hulk (franquia Vingadores), o repórter Michael Rezendes em Spotlight (2015) e Ned Weeks em dramas mais intensos como The Normal Heart (2014) sem parecer fazer muito esforço. O ator já havia ganhado nossa apreciação, olhar e respeito interpretando o amante de Ann (Sarah Polley) em Minha Vida Sem Mim (2003) e na comédia romântica De repente 30 (2004).

Em I Know This Much is True (2020), série limitada produzida pela HBO, intenso seria pouco para descrever o que vemos na tela da televisão. Ruffalo entrega o que consideramos a melhor atuação da carreira de uma maneira simplesmente extraordinária. Já no primeiro episódio, entendemos a razão pela qual ganhou o Emmy em 2020, o Screen Actors Guild Award e o Globo de Ouro (ambos em 2021) de melhor ator em Minissérie ou Filme Para Televisão.

JORNADA DE SACRÍFICIOS

Na série escrita e dirigida por Derek Cianfrance (Blue Valentine, 2010) – adaptada do livro homônimo de Wally Lamb -, Mark Ruffalo interpreta os gêmeos idênticos Dominick e Thomas Birdsey, que nasceram em uma família cheia de segredos. A mãe Connie (Melissa Leo), uma mulher frágil e submissa, nunca revelou quem era o pai deles de verdade. Os irmãos cresceram em um lar dominado por um padrasto violento e abusivo que tinha em Thomas um alvo fácil para punição pelo fato de ser mais sensível e não o típico “durão”. Décadas depois, Dominick é relativamente estável comparado a Thomas, que tem esquizofrenia e passou os últimos 20 anos entrando e saindo de hospitais psiquiátricos. O ápice da doença de Thomas é mostrado nos primeiros minutos de I Know This Much is True e choca ao mostrá-lo cortando a própria mão em uma biblioteca, pois acredita ser um sacrifício a Deus para impedir a Guerra no Golfo.

A partir desse momento, através de flashbacks, acompanhamos a história dos gêmeos desde a época da escola até os anos na faculdade e como a saúde mental de Thomas piora gradualmente. Percebemos a enorme dependência emocional que tem em relação ao irmão e como Dominick é a única pessoa que consegue acalmá-lo e lhe dar conforto. Desde muito jovem, Dominick abdicou de muitas coisas em prol do irmão. Passou anos reprimindo seus sentimentos e frustrações em um ambiente violento – a própria casa – e colocando as próprias vontades em segundo plano a favor de Thomas. Quando adulto, essas repressões o levaram a ser incapaz de se expressar, não importando quais fossem as circunstâncias. O divórcio, a perda da filha bebê e a morte da mãe agravaram a situação. Tem um relacionamento péssimo com a atual namorada, onde um grita com o outro constantemente; não há diálogo, muitos desentendimentos em virtude das necessidades não preenchidas.

Dominick tenta seguir com a vida apesar de tudo, mas o incidente com Thomas torna tudo mais difícil. Ele é enviado a uma prisão psiquiátrica de segurança máxima e Dominick começa um longo processo para retirá-lo de lá e tentar dar uma vida digna ao irmão, o mais próximo da normalidade possível. Os traumas do passado sempre o atormentam, incluindo o fato de não saber quem é seu pai verdadeiro e de onde veio e a relacão com a ex-esposa Dessa (Kathryn Hahn). Assim como Theodore em Ela, Dominick é uma pessoa incongruente por ter as emoções desorganizadas e não estar de acordo consigo mesmo. No caso de Dominick, essa incongruência resulta em um temperamento forte, explosivo e impaciente enquanto que em Theodore vemos o isolamento e a melancolia.

RETRATO FIEL À PSICOLOGIA

A busca de si, das raízes familiares bem como os relacionamentos são bem fortes na série, que é bastante difícil de ser vista ao longo de seus seis episódios. Pesada emocionalmente, chegamos até a ficar sem ar depois de algumas cenas. Alguns críticos questionaram se a hora foi certa para apresentar uma produção desse porte com uma carga emocional gigante, que foca em transtornos mentais, abuso, divórcio, luto e sacrifício pessoal; tudo isso em meio de uma pandemia. Em nossa opinião, não há hora certa ou errada para mostrar esse tipo de abordagem pois os tópicos tratados na série são recorrentes e igualmente difíceis de serem abordados.

I Know This Much is True mostra de uma forma bem intensa e real o que é lidar com um familiar que sofre de um transtorno mental e as consequências que isso pode nos trazer. Achamos bastante válida a maneira de como foi retratada a vida de uma pessoa que cuida e lida com outra que não tem consciência da situação que se encontra e que vive em uma realidade completamente diferente da nossa. O sacrifício que essa pessoa faz a vida inteira em prol do bem-estar da outra, deixando suas vontades e seu próprio bem-estar de lado, prejudicando relacionamentos e a si mesma chega ao ponto da exaustão. Muitas adoecem.

No caso de Thomas, o melhor para ele seria ficar sob cuidados médicos pois, infelizmente, não há outra alternativa. Só quando começa a fazer terapia, Dominick finalmente começa a entender que precisa cuidar de si mesmo e deixar que os especialistas cuidem de Thomas e que ele fez tudo ao seu alcance para cuidar do irmão. A partir daí, começa o processo  de organizar suas emoções, entrar em acordo consigo mesmo e a viver uma vida mais tranquila e pacífica. Pode tentar consertar os relacionamentos danificados ao longo dos anos, pode fazer muitas coisas que não tinha como fazer antes. O papel da psiquiatra e psicoterapeuta Dra. Patel (Archie Panjabi) é fundamental para a próxima etapa na vida de Dominick, que inclui aceitação, reconhecimento dos próprios erros e perdão.

Sobre as consultas que Dominick faz com a Dra.Patel gostaríamos de destacar brevemente que é raríssimo vermos tal profissão retratada com seriedade, ética e próxima da realidade do que de fato é uma consulta psicológica. Apesar de acharmos a profissional em questão diretiva, indicando à Dominick o que deve fazer, posição essa contrária a de uma psicoterapeuta, ela consegue ajudá-lo muito efetivamente, com as duras verdades que expõe à Dominick.

Este, por sua vez, mesmo com uma escuta precária e contaminada (talvez por não ter tido a experiência de ser escutado), acaba fechando um importante ciclo que havia ficado aberto com o seu padastro Ray. E é através dessa reconciliação, que Dominick acaba descobrindo o que vinha procurando há muito tempo: quem era seu pai verdadeiro.

AMOR INCONDICIONAL

Como mencionamos no começo, o nível da atuação de Mark Ruffalo é uma coisa da ordem do extraordinário, as diversas emoções que ele transmite como Dominick e como Thomas é algo que não se vê com muita frequência na televisão e no cinema. A atuação de Ruffalo é hipnótica, absurdamente bem feita. É como se víssemos o que realmente a entrega por total de corpo e alma do que um ator é capaz de fazer. Dito isso, deixamos claro que ele não carrega a série nas costas.

O elenco de apoio é igualmente fantástico, com destaques para Rosie O’Donnell como a agente social que cuida do caso de Thomas, John Procaccino como o padrasto abusivo, Archie Panjabi e Kathryn Hahn. I know this much is true não é fácil e empolgante de se ver, às vezes precisamos de uns dois dias de pausa até o próximo episódio mas é uma obra que deve ser vista e (muito) apreciada.

“Herói é aquele que não teve tempo de correr”, já dizia um psicoterapeuta conhecido no Brasil e no mundo, Antônio Ângelo Favaro Coppe. Uma vida dedicada ao outro torna impossível olhar para si mesmo e se cuidar. Mas muitas pessoas o fazem, em nome do amor incondicional.

‘Untold’: Um mergulho nas profundezas da psicologia da perfeição e de seus efeitos colaterais

Vivemos em um mundo onde atletas de alto nível (principalmente) são, na maioria das vezes, vistos como deuses - a personificação da perfeição. Desde que competições como os Jogos Olímpicos, as Copas do Mundo de Futebol e os demais Campeonatos Mundais foram...

A culpa voluntária em ‘O Operário’

Em O Operário (2004), Trevor Reznik (Christian Bale) é um trabalhador que sofre de uma insônia aguda e está sem dormir há um ano. Já vimos os efeitos desse sintoma muito bem representados por Edward Norton em Clube da Luta (1999). No filme aqui em questão, o...

A Essência do Conceito de Empatia em “O Agente Duplo”

Dentre os muitos lançamentos da temporada de premiações, sempre temos uma ‘queda’ e um interesse maior pelos filmes de língua não inglesa. Esse interesse já existe há muito tempo e se intensifica cada vez mais com o passar dos anos, devido principalmente ao realismo e...

Oh, Captain, my Captain: 7 anos sem Robin Williams

Como muitos acontecimentos na vida, parece que foi ontem. Mas, o dia 11 de agosto de 2021 completou sete anos sem Robin Williams. Uma grande perda para o cinema e menos uma pessoa que poderia estar trazendo mais sorrisos e alegria em tempos tão conturbados. Ao...

Remakes e sequências: até quando, Hollywood?

Sempre atentos aos lançamentos, mesmo com o atual destaque nas plataformas de streaming (devido às restrições impostas pela COVID-19 que nos impede de ir aos cinemas), andamos ponderando sobre a insistência - mais especificamente de Hollywood - nos remakes e...

‘Biutiful’ e o desesperador instinto de sobrevivência do homem

Quando pensamos em cinema mexicano nos últimos 10 anos, principalmente, quando se trata de direção, três nomes nos vem à mente: Alfonso Cuarón, Guillermo del Toro e Alejandro González Iñárritu. Esse último, um dos nossos preferidos, se distingue dos outros dois pela...

O silêncio como defesa contra a violação da alma em ‘A vida Secreta das Palavras’

A Guerra nos Balcãs (1991-2001) foi o resultado sangrento de uma política nacionalista extrema por parte do governo sérvio que queria “limpar” a antiga Iugoslávia de minorias étnicas através de assassinatos em massa, torturas e estupros e, assim, reinar soberano na...

O Trauma e a Escuridão de Bruce Wayne

A figura do Homem-Morcego sempre me causou um certo fascínio desde criança, quando lia histórias em quadrinhos e assistia aos desenhos animados na televisão. Misterioso e reservado, o comportamento e a caracterização do Batman são bem diferentes comparados aos dos...

‘Normal People’ – uma história de amor envolvente e honesta

Séries e filmes voltados para o público adolescente tem nos mostrado há anos que a combinação entre ter (muito) dinheiro e ser popular é infalível. Filmes como As Patricinhas de Beverly Hills (1995)  e Garotas Malvadas (2004) e séries como Barrados no Baile...

As caricaturas e o “show dos horrores” em ‘Pinóquio’

Caricatural. Essa é a palavra característica que podemos associar a algumas interpretações que, de tão semelhantes, não conseguiríamos distinguir os personagens de um filme para outro se não fosse pelas roupas e/ou roteiro. Antes de entrar na crítica propriamente dita...