“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?”

Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os episódios da temporada, e Jantje Friese, responsável pelo roteiro dos oito episódios, a produção se encerra de forma catártica: oferece respostas aos mistérios, abre caminhos para novas discussões e teorias e, principalmente, nos deixa com um gosto agridoce.

A série alemã possui todos os elementos que uma tradicional tragédia deveria ter: o conflito entre o desejo humano e o destino, paixões contraditórias, desenvolvimento de terror e piedade e se baseia na jornada de um herói. Curiosamente, tais atributos estão presos a um loop temporal e escondidos em um emaranhado de projeções, filosofias e conceitos científicos.

As motivações de Winden

Ouvimos desde o início que o fim é o começo e o começo é o fim, mas, finalmente, aceitamos o que nos é dito desde o primeiro episódio da produção: o que permeia “Dark” é o sofrimento dos seus personagens. Essa angústia está presente nas figuras mais importantes do nó temporal e nos mais ordinários que parecem não fazer sentido na trama central. Mas, como na semiótica, não é o fim que importa, e, sim o processo para chegar a ele.

LEIA TAMBÉM: “Dark” – Primeira Temporada: Vale a Maratona Mesmo Com Tantas Perguntas Sem Resposta

À primeira vista, “Dark” parece ser uma série complexa que fala, entre outras coisas, sobre física quântica e existencialismo. Porém, se olharmos em seu núcleo, é ‘apenas’ um drama familiar ou uma história de amor capaz de atravessar dimensões. E isto não se configura exclusivamente nas personas de Martha (Lisa Vicari) e Jonas (Louis Hoffman), o que motiva os cidadãos de Winden são suas perdas: as dores, os sacrifícios e a forma como cada um lida com esse sentimento.

Em dado momento da temporada, nos é revelado que a primeira ideia da máquina do tempo é fruto de um amante que quer trazer de volta a vida sua amada. E este não seria de fato o objetivo de todos os viajantes do tempo em “Dark”?

A Jornada do Herói

A humanidade latente abordada neste último ciclo nos faz perceber que uma das maiores forças de “Dark” está em seus personagens. Apesar do adensamento da narrativa, é possível acompanhar a jornada de cada membro do nó das famílias de Winden, causando uma quebra na ideia de protagonismo. Isso, no entanto, dialoga bem com a forma apresentada na primeira temporada da série.

Esse artifício nos permite compreender os desejos e caminhos escolhidos e é a chave para que muitas perguntas existentes sejam respondidas. Assim, é possível ver cada peça do emaranhado temporal cumprir seu papel e fechar lacunas, possibilitando também perceber como cada personagem foi assumindo a postura do seu eu mais velho. Nesse quesito, o maior destaque da temporada é Andreas Pietschmann (Jonas 2052).

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA – “Dark” – Segunda Temporada: Sci-Fi e Filosofia Ampliadas em Grande Ciclo

Se no ciclo anterior, o ator conseguiu incorporar o jeito de andar e os traços de Hoffman, aqui, ele se distancia do intérprete mais novo de seu personagem e vai gradualmente transparecendo a sensação de frieza, desesperança e niilismo que carrega Adam (Dietrich Hollinderbaumer). Diante do público, o personagem calejado de suas lutas vai se transformando em um homem amargurado e obcecado pelo tempo. Sua atuação é incômoda, porque consegue nos fazer sentir a sua dor, o peso da jornada e humanizar um dos personagens mais desprezíveis de “Dark”.

Entre Mundos

Um dos responsáveis pelo sucesso da série alemã e pelo brilhantismo da temporada é a forma como os aspectos técnicos conseguem localizar o público e demarcar cada dimensão. Uma das preocupações suscitadas no fim do segundo ciclo era como o multiverso seria desenvolvido. Somos apresentados a um mundo sem Jonas e que é dicotômico ao que já tínhamos visto. Não é difícil compreender como essa nova Winden funciona, já que ela é basicamente um espelhamento do que vimos no primeiro ciclo.

LEIA TAMBÉM: “Dark” – As Simbologias e Teorias

O que contribui, no entanto, para que as dimensões espaciais e temporais não confundam a mente do espectador é a direção de arte e a fotografia. A primeira nos faz compreender onde estamos, seja por meio do figurino, cabelo, cenografia ou as marcas no corpo dos personagens. Já a fotografia é responsável por nos colocar onde deveríamos estar. A coloração permite a percepção do tempo e do mundo em que estamos. A Winden pós apocalíptica de Jonas, por exemplo, é escura e chuvosa, quanto a Winden de Martha está sempre envolta de neblina e se transforma em um deserto após o apocalipse. Não é por acaso que Adam representa as trevas enquanto Eva é a luz.

O melhor final em 20 anos?

“Dark” é uma série densa, complexa, introspectiva e profunda. Isso leva a sua cadência ser mais lenta, um ponto positivo tendo em vista a necessidade de tempo para refletir durante suas temporadas. Por mais que os diálogos estejam mais diretos, expositivos e repetindo conceitos que já haviam sido apresentadas antes, acredito que, se a produção tivesse mais dois episódios, seria possível explorar melhor soluções que soam a Deus Ex Machina – justamente pela ausência de vermos isso se concretizar em tela.

O final, no entanto, é catártico, elegante, maduro e terno. Como em toda tragédia clássica, ele já se desenhava desde os primeiros capítulos, mas observar “Dark” não ter medo de cumprir isso é doloroso e satisfatório ao mesmo tempo. Esse é o tipo de desfecho que prende o público e o faz analisar tudo o que foi projetado e até mesmo a sua própria vida. É algo para rever e sentir a dor e conforto em encontrar abrigo. A verdadeira definição de um final agridoce.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...