“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?”

Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os episódios da temporada, e Jantje Friese, responsável pelo roteiro dos oito episódios, a produção se encerra de forma catártica: oferece respostas aos mistérios, abre caminhos para novas discussões e teorias e, principalmente, nos deixa com um gosto agridoce.

A série alemã possui todos os elementos que uma tradicional tragédia deveria ter: o conflito entre o desejo humano e o destino, paixões contraditórias, desenvolvimento de terror e piedade e se baseia na jornada de um herói. Curiosamente, tais atributos estão presos a um loop temporal e escondidos em um emaranhado de projeções, filosofias e conceitos científicos.

As motivações de Winden

Ouvimos desde o início que o fim é o começo e o começo é o fim, mas, finalmente, aceitamos o que nos é dito desde o primeiro episódio da produção: o que permeia “Dark” é o sofrimento dos seus personagens. Essa angústia está presente nas figuras mais importantes do nó temporal e nos mais ordinários que parecem não fazer sentido na trama central. Mas, como na semiótica, não é o fim que importa, e, sim o processo para chegar a ele.

LEIA TAMBÉM: “Dark” – Primeira Temporada: Vale a Maratona Mesmo Com Tantas Perguntas Sem Resposta

À primeira vista, “Dark” parece ser uma série complexa que fala, entre outras coisas, sobre física quântica e existencialismo. Porém, se olharmos em seu núcleo, é ‘apenas’ um drama familiar ou uma história de amor capaz de atravessar dimensões. E isto não se configura exclusivamente nas personas de Martha (Lisa Vicari) e Jonas (Louis Hoffman), o que motiva os cidadãos de Winden são suas perdas: as dores, os sacrifícios e a forma como cada um lida com esse sentimento.

Em dado momento da temporada, nos é revelado que a primeira ideia da máquina do tempo é fruto de um amante que quer trazer de volta a vida sua amada. E este não seria de fato o objetivo de todos os viajantes do tempo em “Dark”?

A Jornada do Herói

A humanidade latente abordada neste último ciclo nos faz perceber que uma das maiores forças de “Dark” está em seus personagens. Apesar do adensamento da narrativa, é possível acompanhar a jornada de cada membro do nó das famílias de Winden, causando uma quebra na ideia de protagonismo. Isso, no entanto, dialoga bem com a forma apresentada na primeira temporada da série.

Esse artifício nos permite compreender os desejos e caminhos escolhidos e é a chave para que muitas perguntas existentes sejam respondidas. Assim, é possível ver cada peça do emaranhado temporal cumprir seu papel e fechar lacunas, possibilitando também perceber como cada personagem foi assumindo a postura do seu eu mais velho. Nesse quesito, o maior destaque da temporada é Andreas Pietschmann (Jonas 2052).

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA – “Dark” – Segunda Temporada: Sci-Fi e Filosofia Ampliadas em Grande Ciclo

Se no ciclo anterior, o ator conseguiu incorporar o jeito de andar e os traços de Hoffman, aqui, ele se distancia do intérprete mais novo de seu personagem e vai gradualmente transparecendo a sensação de frieza, desesperança e niilismo que carrega Adam (Dietrich Hollinderbaumer). Diante do público, o personagem calejado de suas lutas vai se transformando em um homem amargurado e obcecado pelo tempo. Sua atuação é incômoda, porque consegue nos fazer sentir a sua dor, o peso da jornada e humanizar um dos personagens mais desprezíveis de “Dark”.

Entre Mundos

Um dos responsáveis pelo sucesso da série alemã e pelo brilhantismo da temporada é a forma como os aspectos técnicos conseguem localizar o público e demarcar cada dimensão. Uma das preocupações suscitadas no fim do segundo ciclo era como o multiverso seria desenvolvido. Somos apresentados a um mundo sem Jonas e que é dicotômico ao que já tínhamos visto. Não é difícil compreender como essa nova Winden funciona, já que ela é basicamente um espelhamento do que vimos no primeiro ciclo.

LEIA TAMBÉM: “Dark” – As Simbologias e Teorias

O que contribui, no entanto, para que as dimensões espaciais e temporais não confundam a mente do espectador é a direção de arte e a fotografia. A primeira nos faz compreender onde estamos, seja por meio do figurino, cabelo, cenografia ou as marcas no corpo dos personagens. Já a fotografia é responsável por nos colocar onde deveríamos estar. A coloração permite a percepção do tempo e do mundo em que estamos. A Winden pós apocalíptica de Jonas, por exemplo, é escura e chuvosa, quanto a Winden de Martha está sempre envolta de neblina e se transforma em um deserto após o apocalipse. Não é por acaso que Adam representa as trevas enquanto Eva é a luz.

O melhor final em 20 anos?

“Dark” é uma série densa, complexa, introspectiva e profunda. Isso leva a sua cadência ser mais lenta, um ponto positivo tendo em vista a necessidade de tempo para refletir durante suas temporadas. Por mais que os diálogos estejam mais diretos, expositivos e repetindo conceitos que já haviam sido apresentadas antes, acredito que, se a produção tivesse mais dois episódios, seria possível explorar melhor soluções que soam a Deus Ex Machina – justamente pela ausência de vermos isso se concretizar em tela.

O final, no entanto, é catártico, elegante, maduro e terno. Como em toda tragédia clássica, ele já se desenhava desde os primeiros capítulos, mas observar “Dark” não ter medo de cumprir isso é doloroso e satisfatório ao mesmo tempo. Esse é o tipo de desfecho que prende o público e o faz analisar tudo o que foi projetado e até mesmo a sua própria vida. É algo para rever e sentir a dor e conforto em encontrar abrigo. A verdadeira definição de um final agridoce.

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...