“Dark” chega para o seu segundo ano confirmando porque é uma das melhores atrações do catálogo da Netflix. Intrigante e cativante, a produção alemã apresenta um roteiro que em momento algum subestima seu público pelo contrário, o instiga a desvendar os mistérios que cercam a pequena Winden.

Mais sombrio do que a primeira temporada, o segundo ano se destaca por aprofundar a relação dos personagens e o universo proposto por Baran bo Odar e Jantje Friese. Apesar de sustentar a aura de suspense, as perguntas levantadas anteriormente encontram respostas intrincadas e necessárias para a continuação da trama. Tudo isso deixa a sensação de que realmente estamos nos preparando para o capítulo final.

Expansão da filosofia de “Dark”

Com um salto temporal de seis meses em todas as linhas temporais apresentadas no primeiro ciclo, “Dark” inclui mais dois anos (1921 e 2053) a fim de mergulhar na ficção científica e expandir a mitologia na qual está amparada. Chama a atenção o cuidado em torno da discussão entre ciência e religião que parece ser um dos pilares de sua construção conceitual. Digo isso, porque se juntam a Nietzsche e Eisntein – muito presentes na primeira temporada – Peter Paul Rubens com “A Queda dos Condenados” e Andreas Cellarius e seus mapas de harmonia macrocósmicas.  Ambos, personalidades alemãs adicionando mais camadas ao embate entre a sombra e a luz. Com isso, finalmente, conhecemos o rosto dos oponentes: Claudia Tiedemann (Julika Jenkins e Lisa Kreuzer) e Adam (Dietrich Hollinderbaumer).

Dentro do arcabouço mitológico, os princípios herméticos também se expandem. O curioso é ver o Caibalion, livro escrito por Hermes Trimegisto, nas mãos de Elizabeth Doppler, que assume uma função interessante dentro da série, a qual seria ainda mais confusa se não fossem as duas leis herméticas essenciais para a compreensão da viagem no tempo em “Dark”: ritmo e causa e efeito. A primeira dita começos e fins como relembra os títulos do episódio inicial e final da temporada, enquanto a segunda possibilita assimilar como os atos das cinco linhas temporais influenciam uma na outra.

É importante a compreensão dos conceitos filosóficos e científicos que envolvem a série, já que nesta temporada fica claro o quanto esse é o solo em que a produção está fincada. Adam afirma no diálogo com Jonas (Louis Hoffman), em 1921, que o verdadeiro papel do “Sic mundus creatus est” é tornar o tempo deus, não como uma espécie de religião, mas justamente desvincular a ideia de uma deidade como forma motora que não seja lógica ou científica. Entretanto, a impressão deixada é que, em 2053, o Sic Mundus tornou-se uma espécie de religião a qual precisa ser seguida sem questionamentos ou atos contrários.

Um novo ciclo sobre os personagens

No primeiro episódio da temporada, “Começos e Fins”, Noah (Mark Waschke) comenta que o verdadeiro caráter se manifesta no propósito de nossos atos. Esta é uma afirmação que permeia todo o ciclo. Há um aprofundamento dos personagens, principalmente, no que diz respeito as suas motivações. As correlações, conexões e funcionalidades ficaram mais claras e parte disso se deve a explicações dadas a personagens mais misteriosos como Claudia Tiedemann e Noah, o qual finalmente conhecemos a origem e um lado mais humano.

O maior destaque da temporada, no entanto, é Jonas Kahnwald, que finalmente assume seu posto como protagonista da série. O drama do personagem é aprofundado, ele ganha mais tempo em tela e realmente conduz a narrativa. O que leva a quase compreensão do seu papel na complexa engrenagem que rege “Dark” e os méritos também devem ser estendidos a interpretação de Louis Hoffman (Jonas 2020) e Andreas Pietschmann (Jonas 2052).

Hoffman perde a inocência e ingenuidade que carregava na primeira temporada e transforma-se gradualmente, evidenciando o quanto as viagens do tempo afetam o jovem Kahnwald. É perceptível as mudanças em sua feição e trejeitos entre a pessoa que ouve as fitas de Claudia e a que está em Winden no dia do Apocalipse. Parece que não apenas o personagem, mas o ator também se caleja por conta das adversidades enfrentadas neste ciclo. Pietschmann não fica atrás. O ator incorpora o jeito de andar e os traços de Hoffman, acrescentando o desespero e o sofrimento de quem viu tudo aquilo acontecer e não quer que se repita. O intrigante é que a atuação de ambos permite a sensação de realmente estar prestigiando a maturação do ser humano. Como eu de hoje me torno a pessoa do amanhã.

Por isso, ao menos para mim, ainda restam muitas dúvidas sobre a real identidade de Adam.

Preocupações para o fim

Por mais fascinante e empolgante que esta temporada tenha sido, o gancho usado no final me preocupa. Com cada vez menos episódios, pode ser que não haja tempo o suficiente para desenvolver o multiverso. Embora este seja uma característica recorrente na ficção científica, o seu uso soa como um artifício de fácil saída. Junto à predestinação e, consequentemente, a imutabilidade da linha temporal, são duas características que geram dúvida quanto ao fechamento eficiente dos três ciclos. É como se criassem um desvio as regras pré-estabelecidas sobre os perigos da viagem no tempo.

“Dark” retorna para este novo ciclo confirmando e expandindo tudo aquilo que cativou na primeira temporada e que a torna a melhor produção da Netflix. Seja por sua direção magistral e segura, seja pelo elenco intrincado, seja a fotografia claustrofóbica e tenebrosa, seja pela montagem e trilha sonora soturnas: todos os elementos presentes na obra conduzem a reflexão e ao entendimento de sua grandiosidade. As discussões em torno de seu conceito e simbologia apenas alimentam o que há de melhor nas mãos de Odar e Friesi.

Mal posso esperar pelo fechamento do último ciclo!

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 3: limitações começam a aparecer

Bem... Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma...