“Os irmãos não morrem, se multiplicam”.

A questão racial é uma das fortes pautas atuais e o cinema como manifestação artística tem muito a dizer sobre isso. Utilizando abordagens distintas, vários diretores discutem essa mazela social: Ava Duvernay (“Selma” e “A 13ª Emenda”), por exemplo, resgata recortes históricos para mostrar como o racismo estrutural possui raízes profundas, enquanto Barry Jenkins (“Moonlight” e “Se a Rua Beale Falasse”) constrói uma filmografia pautada no poético e simbólico. No entanto, certas coisas precisam ser ditas de forma mais incisiva e expositiva e cabe a Spike Lee assumir essa postura.

Responsável por obras ácidas como “Faça a Coisa Certa”, “A Hora do Show” e “Infiltrado na Klan”, Lee assina a direção de “Destacamento Blood” – longa disponível na Netflix – trazendo a discussão racial para a guerra do Vietnã. A produção mostra um lado pouco visto na historiografia norte-americana: a participação dos soldados afro-americanos no conflito. Estima-se que eles formavam 1/3 do contingente enviado ao país asiático, o que corresponde a uma quantidade proporcionalmente maior do que a população negra dos Estados Unidos. Em outras palavras, eles foram preferencialmente selecionados para servir a uma guerra sem sentido e fracassada.

As estratégias para contar a história

Para discutir esse tema, “Destacamento Blood” acompanha quatro veteranos de guerra que retornam ao Vietnã, depois de 50 anos, em busca dos restos mortais do líder de seu antigo esquadrão, Norman (Chadwick Boseman), e de um tesouro que se perdeu junto com ele. Os primeiros instantes nos situam no contexto a qual a obra se insere, apresentando o posicionamento de ícones da luta antirracista contra o conflito no Vietnã e a política racial norte-americana. Figuras essenciais como Muhammad Ali, Angela Davis, Malcolm X e Martin Luther King são homenageadas e referenciadas.

A partir disso, é possível perceber o viés documental a qual a obra bebe. “Destacamento Blood” é construído como uma mistura de ficção acoplada à brutal realidade da condição social norte-americana, e a estratégia que torna possível esse vislumbre é a montagem flexível e resoluta que consegue mesclar vários elementos de forma compreensível e interessante.  

Nesse processo, destaca-se as referências presentes e que atestam, por um lado, as mudanças decorridas desde o período da Guerra do Vietnã, e, por outro, a reverência aos heróis e irmãos negros. Enquanto vemos um diálogo com filmes que abordam o conflito como “Apocalypse Now” (1979) e “Rambo” (1982), há também menções a personagens apagados pela história, homenageados e imortalizados com a lembrança e inserção de imagens no decorrer da narrativa.

Saltos temporais

A montagem de Adam Gough (“Roma” (2018)), no entanto, também é responsável por nos situar entre os períodos que o roteiro aborda. Por meio de saltos temporais, acompanhamos os ex-soldados no momento atual, em busca do corpo de Norm e do ouro, e em meados dos anos 60, enquanto faziam parte do esquadrão Blood. O trabalho de Gough demarca margens e colorações diferenciadas para situar os variados tempos. A produção opta por não rejuvenescer os atores, seja com um elenco mais jovem ou uso de maquiagem, para distinguir os dois momentos.

Tal escolha dá força ao personagem de Boseman, que tem uma mística em torno de si, tanto por ter partido cedo demais quanto por sua presença marcante a ponto de ser considerado como King e Malcolm do grupo. O diretor de fotografia Newton Thomas Sigel (“Drive”, “Bohemian Rhapsody”) também se destaca ao conseguir tornar cada frame uma obra de arte com cores vivas e explosivas e carrega um simbolismo determinante em cada enquadramento. No entanto, a maior característica de seu trabalho é a diferenciação temporal quando varia da imagem digital para algo semelhante à película.

Sem Nuances

Essa variação é importante para aprofundar o esquadrão, confirmando os traumas deixados pela guerra. Lee apresenta personagens dúbios e complexos. Enquanto afirmam estar fazendo isso pela memória do companheiro de equipe, há sempre no ar um movimento em direção a ganância do tesouro que se perdera com ele. Os conflitos estão presentes em pequenos detalhes, mas as denúncias do cineasta parecem gritar em tela.

O diretor não se preocupa em criar nuances para discutir o racismo: ele o escancara apoiando-se em questões mais profundas como o militarismo e imperialismo. E traz isso, especialmente, no personagem de Paul (Delroy Lindo), eleitor assumido de Trump e usando o boné com o slogan “Make America Great Again” (Faça a América grande de novo). Curiosamente, seu comportamento é problemático e o personagem carrega elementos que denotam o quão prejudicial é a política imperialista dos EUA.

Apesar de todas essas discussões, no entanto, “Destacamento Blood” é um filme sobre traumas de guerra, luto e respeito à memória. Surpreendentemente, ele surge em um momento oportuno em que pode oferecer mais substância ao debate e a luta racial. Afinal, estrategicamente Spike Lee grita em alto e em bom som o quanto a política bélica norte-americana prejudica aos seus e cada frame mostra isso.

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...