Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o estrelato. Ela entregou atuações boas, outras nem tanto, durante a carreira. David Fincher, que a dirigiu no suspense Garota Exemplar (2014), disse que a escalou para o cobiçado papel de Amy Dunne porque “a tinha visto em 4 ou 5 filmes ao longo dos anos, mas nunca consegui captar nada sobre ela. Havia uma característica opaca nela, que era muito interessante”. Fincher é um cara inteligente.

Garota Exemplar deu um impulso estratosférico para Pike e lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Parecia que ela iria virar estrela, afinal. Porém, desde então a coitada meio que despareceu no redemoinho, participando de filmes que não fizeram muito por sua carreira. Era estranho ver aquela atriz, tão interessante naquele filme, interpretando figuras da vida real em cinebiografias pouco inspiradas, ou tentando injetar humanidade em papéis para os quais ela não parecia a melhor opção. Fincher tinha apontado o caminho: O ideal para Pike é a personagem inumana, gelada, distante do mundo, de preferência sociopata. É por isso que, de novo, ela funciona tão bem em Eu Me Importo, produção da Netflix dirigida por J Blakeson que mistura comédia de sarcasmo, drama, suspense e filme de gângster. É um filme curioso, cínico e por quase toda a sua duração, bem divertido e envolvente. E acima de tudo, é o retorno da atriz que impressionou o mundo quando fez a Amy Exemplar.

Em Eu Me Importo, Rosamund Pike interpreta Marla Grayson, uma advogada com um esquema interessante e completamente antiético, para não dizer tenebroso. Ela escolhe pessoas idosas, arranja um médico para preparar um laudo, e emite uma liminar dizendo que tal pessoa é incapaz de cuidar de si ou que está sofrendo de alguma enfermidade grave. Então ela se torna guardiã dessa pessoa e a interna em alguma instituição, passando assim a receber uma boa grana para cuidar dela. Blakeson, também autor do roteiro, disse que se inspirou em alguns casos reais para criar a personagem, e visto como os Estados Unidos é o país do legalismo, tal figura parece assustadoramente verossímil. Mas os EUA é também o país do crime organizado, e a vida de Marla se complica quando ela interna a senhora Jennifer Peterson (Dianne Wiest). Essa idosa tem ligações com criminosos, incluindo o misterioso Roman, vivido por Peter Dinklage, e logo a advogada fria como gelo começa a enfrentar problemas e a ter a vida ameaçada.

CINISMO SEDUTOR

Contar mais do que isso pode estragar algumas viradas interessantes para o espectador, mas é suficiente dizer que o roteiro de Eu Me Importo é hábil em construir situações interessantes e ao manejar a mistura de gêneros que a trama propõe. Numa hora estamos rindo nervosos; na outra, escandalizados pelos atos da protagonista; e depois testemunhamos elementos de filmes de gangsteres aparecendo e dominando a narrativa. O filme tem um bom ritmo e tem sempre alguma coisa interessante acontecendo. Visualmente, o diretor de fotografia Doug Emmett filma tudo como um comercial de margarina, bem iluminado e com cores fortes, ressaltando a trama sórdida acontecendo no mundo aparentemente perfeito da sociedade norte-americana. A trilha sonora eletrônica de Marc Canham adiciona à tensão, ao absurdo e à diversão da história.

Blakeson também trabalha bem com seus atores, extraindo atuações interessantes de nomes como a veterana Wiest, Dinklage, Eiza González como a namorada/cúmplice de Marla e Chris Messina como um advogado seboso. Os personagens são bem delineados e trazidos à vida de maneira cativante. Mas Pike é a dona do show. A atriz de novo se esbalda com uma personagem manipuladora e cínica, e que fica ainda pior ao percebermos como ela se esconde atrás da própria feminilidade – mais de uma vez no filme, ela saca do baralho a carta do sexo, a conversa de que está sendo perseguida por ser mulher e triunfar num mundo machista. Ela é um belo monstro, que nos atrai e repele: Muitas vezes no filme queremos que ela se dê mal, em outros momentos até torcemos por ela. Da aparência dela até as expressões faciais e ao comportamento, tudo em Marla é preciso e poderoso: Pike realmente merece elogios pela personagem e pela forma como a trouxe à tela.

A visão cínica e precisa do início do filme é tão sedutora que é uma pena que o filme comece a dar umas derrapadas perto do final. O roteiro de Blakeson é bom, mas tem um grande porém: os vilões são bobos, quase cartunescos, e quando o filme entra no terceiro ato, a trama segue umas direções questionáveis por causa da burrice dos mafiosos. Esse trecho final não chega a estragar o filme, mas o diminui: a história sofre pelo fato de Marla não ter oponentes mais à altura. Mas o longa meio que se redime perto do fim, com uma decisão inesperada que retoma a sua veia cínica, para logo depois emendar uma conclusão que parece uma concessão moralista.

Divertido e assustador, mas com uns inegáveis altos e baixos, Eu Me Importo vale a pena ser visto, principalmente pela sua atriz principal retornando ao seu estado de graça. Essa é a atriz que vale a pena ver: Não estou dizendo que ela deveria só fazer vilãs ou personagens venenosas, mas Rosamund Pike não é tão interessante fazendo biografias ou desaparecendo no cenário. A Rosamund Pike boa é a Rosamund Pike má. E no caso dela, quanto pior, melhor.

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...