Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o estrelato. Ela entregou atuações boas, outras nem tanto, durante a carreira. David Fincher, que a dirigiu no suspense Garota Exemplar (2014), disse que a escalou para o cobiçado papel de Amy Dunne porque “a tinha visto em 4 ou 5 filmes ao longo dos anos, mas nunca consegui captar nada sobre ela. Havia uma característica opaca nela, que era muito interessante”. Fincher é um cara inteligente.

Garota Exemplar deu um impulso estratosférico para Pike e lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Parecia que ela iria virar estrela, afinal. Porém, desde então a coitada meio que despareceu no redemoinho, participando de filmes que não fizeram muito por sua carreira. Era estranho ver aquela atriz, tão interessante naquele filme, interpretando figuras da vida real em cinebiografias pouco inspiradas, ou tentando injetar humanidade em papéis para os quais ela não parecia a melhor opção. Fincher tinha apontado o caminho: O ideal para Pike é a personagem inumana, gelada, distante do mundo, de preferência sociopata. É por isso que, de novo, ela funciona tão bem em Eu Me Importo, produção da Netflix dirigida por J Blakeson que mistura comédia de humor negro, drama, suspense e filme de gângster. É um filme curioso, cínico e por quase toda a sua duração, bem divertido e envolvente. E acima de tudo, é o retorno da atriz que impressionou o mundo quando fez a Amy Exemplar.

Em Eu Me Importo, Rosamund Pike interpreta Marla Grayson, uma advogada com um esquema interessante e completamente antiético, para não dizer tenebroso. Ela escolhe pessoas idosas, arranja um médico para preparar um laudo, e emite uma liminar dizendo que tal pessoa é incapaz de cuidar de si ou que está sofrendo de alguma enfermidade grave. Então ela se torna guardiã dessa pessoa e a interna em alguma instituição, passando assim a receber uma boa grana para cuidar dela. Blakeson, também autor do roteiro, disse que se inspirou em alguns casos reais para criar a personagem, e visto como os Estados Unidos é o país do legalismo, tal figura parece assustadoramente verossímil. Mas os EUA é também o país do crime organizado, e a vida de Marla se complica quando ela interna a senhora Jennifer Peterson (Dianne Wiest). Essa idosa tem ligações com criminosos, incluindo o misterioso Roman, vivido por Peter Dinklage, e logo a advogada fria como gelo começa a enfrentar problemas e a ter a vida ameaçada.

CINISMO SEDUTOR

Contar mais do que isso pode estragar algumas viradas interessantes para o espectador, mas é suficiente dizer que o roteiro de Eu Me Importo é hábil em construir situações interessantes e ao manejar a mistura de gêneros que a trama propõe. Numa hora estamos rindo nervosos; na outra, escandalizados pelos atos da protagonista; e depois testemunhamos elementos de filmes de gangsteres aparecendo e dominando a narrativa. O filme tem um bom ritmo e tem sempre alguma coisa interessante acontecendo. Visualmente, o diretor de fotografia Doug Emmett filma tudo como um comercial de margarina, bem iluminado e com cores fortes, ressaltando a trama sórdida acontecendo no mundo aparentemente perfeito da sociedade norte-americana. A trilha sonora eletrônica de Marc Canham adiciona à tensão, ao absurdo e à diversão da história.

Blakeson também trabalha bem com seus atores, extraindo atuações interessantes de nomes como a veterana Wiest, Dinklage, Eiza González como a namorada/cúmplice de Marla e Chris Messina como um advogado seboso. Os personagens são bem delineados e trazidos à vida de maneira cativante. Mas Pike é a dona do show. A atriz de novo se esbalda com uma personagem manipuladora e cínica, e que fica ainda pior ao percebermos como ela se esconde atrás da própria feminilidade – mais de uma vez no filme, ela saca do baralho a carta do sexo, a conversa de que está sendo perseguida por ser mulher e triunfar num mundo machista. Ela é um belo monstro, que nos atrai e repele: Muitas vezes no filme queremos que ela se dê mal, em outros momentos até torcemos por ela. Da aparência dela até as expressões faciais e ao comportamento, tudo em Marla é preciso e poderoso: Pike realmente merece elogios pela personagem e pela forma como a trouxe à tela.

A visão cínica e precisa do início do filme é tão sedutora que é uma pena que o filme comece a dar umas derrapadas perto do final. O roteiro de Blakeson é bom, mas tem um grande porém: os vilões são bobos, quase cartunescos, e quando o filme entra no terceiro ato, a trama segue umas direções questionáveis por causa da burrice dos mafiosos. Esse trecho final não chega a estragar o filme, mas o diminui: a história sofre pelo fato de Marla não ter oponentes mais à altura. Mas o longa meio que se redime perto do fim, com uma decisão inesperada que retoma a sua veia cínica, para logo depois emendar uma conclusão que parece uma concessão moralista.

Divertido e assustador, mas com uns inegáveis altos e baixos, Eu Me Importo vale a pena ser visto, principalmente pela sua atriz principal retornando ao seu estado de graça. Essa é a atriz que vale a pena ver: Não estou dizendo que ela deveria só fazer vilãs ou personagens venenosas, mas Rosamund Pike não é tão interessante fazendo biografias ou desaparecendo no cenário. A Rosamund Pike boa é a Rosamund Pike má. E no caso dela, quanto pior, melhor.

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...