Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o estrelato. Ela entregou atuações boas, outras nem tanto, durante a carreira. David Fincher, que a dirigiu no suspense Garota Exemplar (2014), disse que a escalou para o cobiçado papel de Amy Dunne porque “a tinha visto em 4 ou 5 filmes ao longo dos anos, mas nunca consegui captar nada sobre ela. Havia uma característica opaca nela, que era muito interessante”. Fincher é um cara inteligente.

Garota Exemplar deu um impulso estratosférico para Pike e lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Parecia que ela iria virar estrela, afinal. Porém, desde então a coitada meio que despareceu no redemoinho, participando de filmes que não fizeram muito por sua carreira. Era estranho ver aquela atriz, tão interessante naquele filme, interpretando figuras da vida real em cinebiografias pouco inspiradas, ou tentando injetar humanidade em papéis para os quais ela não parecia a melhor opção. Fincher tinha apontado o caminho: O ideal para Pike é a personagem inumana, gelada, distante do mundo, de preferência sociopata. É por isso que, de novo, ela funciona tão bem em Eu Me Importo, produção da Netflix dirigida por J Blakeson que mistura comédia de humor negro, drama, suspense e filme de gângster. É um filme curioso, cínico e por quase toda a sua duração, bem divertido e envolvente. E acima de tudo, é o retorno da atriz que impressionou o mundo quando fez a Amy Exemplar.

Em Eu Me Importo, Rosamund Pike interpreta Marla Grayson, uma advogada com um esquema interessante e completamente antiético, para não dizer tenebroso. Ela escolhe pessoas idosas, arranja um médico para preparar um laudo, e emite uma liminar dizendo que tal pessoa é incapaz de cuidar de si ou que está sofrendo de alguma enfermidade grave. Então ela se torna guardiã dessa pessoa e a interna em alguma instituição, passando assim a receber uma boa grana para cuidar dela. Blakeson, também autor do roteiro, disse que se inspirou em alguns casos reais para criar a personagem, e visto como os Estados Unidos é o país do legalismo, tal figura parece assustadoramente verossímil. Mas os EUA é também o país do crime organizado, e a vida de Marla se complica quando ela interna a senhora Jennifer Peterson (Dianne Wiest). Essa idosa tem ligações com criminosos, incluindo o misterioso Roman, vivido por Peter Dinklage, e logo a advogada fria como gelo começa a enfrentar problemas e a ter a vida ameaçada.

CINISMO SEDUTOR

Contar mais do que isso pode estragar algumas viradas interessantes para o espectador, mas é suficiente dizer que o roteiro de Eu Me Importo é hábil em construir situações interessantes e ao manejar a mistura de gêneros que a trama propõe. Numa hora estamos rindo nervosos; na outra, escandalizados pelos atos da protagonista; e depois testemunhamos elementos de filmes de gangsteres aparecendo e dominando a narrativa. O filme tem um bom ritmo e tem sempre alguma coisa interessante acontecendo. Visualmente, o diretor de fotografia Doug Emmett filma tudo como um comercial de margarina, bem iluminado e com cores fortes, ressaltando a trama sórdida acontecendo no mundo aparentemente perfeito da sociedade norte-americana. A trilha sonora eletrônica de Marc Canham adiciona à tensão, ao absurdo e à diversão da história.

Blakeson também trabalha bem com seus atores, extraindo atuações interessantes de nomes como a veterana Wiest, Dinklage, Eiza González como a namorada/cúmplice de Marla e Chris Messina como um advogado seboso. Os personagens são bem delineados e trazidos à vida de maneira cativante. Mas Pike é a dona do show. A atriz de novo se esbalda com uma personagem manipuladora e cínica, e que fica ainda pior ao percebermos como ela se esconde atrás da própria feminilidade – mais de uma vez no filme, ela saca do baralho a carta do sexo, a conversa de que está sendo perseguida por ser mulher e triunfar num mundo machista. Ela é um belo monstro, que nos atrai e repele: Muitas vezes no filme queremos que ela se dê mal, em outros momentos até torcemos por ela. Da aparência dela até as expressões faciais e ao comportamento, tudo em Marla é preciso e poderoso: Pike realmente merece elogios pela personagem e pela forma como a trouxe à tela.

A visão cínica e precisa do início do filme é tão sedutora que é uma pena que o filme comece a dar umas derrapadas perto do final. O roteiro de Blakeson é bom, mas tem um grande porém: os vilões são bobos, quase cartunescos, e quando o filme entra no terceiro ato, a trama segue umas direções questionáveis por causa da burrice dos mafiosos. Esse trecho final não chega a estragar o filme, mas o diminui: a história sofre pelo fato de Marla não ter oponentes mais à altura. Mas o longa meio que se redime perto do fim, com uma decisão inesperada que retoma a sua veia cínica, para logo depois emendar uma conclusão que parece uma concessão moralista.

Divertido e assustador, mas com uns inegáveis altos e baixos, Eu Me Importo vale a pena ser visto, principalmente pela sua atriz principal retornando ao seu estado de graça. Essa é a atriz que vale a pena ver: Não estou dizendo que ela deveria só fazer vilãs ou personagens venenosas, mas Rosamund Pike não é tão interessante fazendo biografias ou desaparecendo no cenário. A Rosamund Pike boa é a Rosamund Pike má. E no caso dela, quanto pior, melhor.

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...