“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão”

Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o andamento que Eugene Ashe daria ao seu filme protagonizado por Tessa Thompson (“Westworld”, “Thor: Ragnarok”). A produção disponível na Amazon Prime Video, porém, não foge aos clichês das histórias românticas.

Acompanhamos Sylvie (Tessa Thompson), uma jovem que trabalha na loja de discos de seu pai. Ela se apaixona por Robert (Nnamdi Asomugha), um aspirante a saxofonista que consegue um emprego na mesma loja em que ela trabalha. A partir disso os dois vivem uma história de amor entre encontros, desencontros e tensões sociais que atravessam uma década.

O brilho de Sylvie

Não é de se admirar que o filme leve o nome da personagem de Thompson, já que é sob seu prisma que a história toda acontece. Sylvie desde jovem mostra-se interessada por querer alcançar status maior do que o conservadorismo dos anos 60 e 70 reservaria a uma menina negra do Harlem. E, como em toda história tradicional, ela corre em busca de seus sonhos até que os alcança.

Em contrapartida a sua figura marcante, tem-se Robert. O saxofonista possui uma condição social abaixo da amada e, por conta disso, mesmo que involuntariamente, toma decisões que sempre o empurram a obscuridade. Enquanto Sylvie parece estar destinada a brilhar, suas decisões o levam a auto colocar-se em segundo plano. Como diria uma das minhas canções favoritas de “Hamilton”, há algo nele que não permite que esteja satisfeito com o que tem. E isso ocorre em todos os momentos de sua vida, seja quando é um jovem solteiro em busca do sucesso, quando está onde almejava chegar ou quando vai a Detroit.

Mergulhados da Nova York dos anos 60

Essa relação se vincula as cores presentes em tela. A fotografia de Declan Quinn (“Hamilton”, “A Cabana“) alinhada a cenografia recriam a Nova York dos anos 60 e a decadência do jazz na cidade. Mas cada ambiente dialoga com a personalidade dos protagonistas. Quando Robert, por exemplo, tem as respostas que almeja no mundo musical, os figurinos são preenchidos por cores quentes como o vermelho do vestido da personagem de Jemima Kirke. Porém, seu ambiente é constantemente dominado pelo azul. Curiosamente, Sylvie começa o filme utilizando variadas tonalidades da cor do amado, no entanto, conforme seu personagem evolui, o figurino e ambiente da protagonista assumem matizes mais quentes e se tornam mais iluminados, apontando mais uma vez seu status como o destaque da narrativa.

O maior mérito da produção de Ashe reside nessa ambientação. A combinação de cores, a fotografia e a trilha sonora nos leva a uma sensação nostálgica, não apenas do período a qual a trama se passa, mas da própria leveza do relacionamento e dos romances clássicos de Hollywood. É uma história de amor que relembra as vivenciadas por Audrey Hepburn, Vivien Leigh, Julie Andrews, Katherine Hepburn, entre outras.

Embora seja banhado de clichês e empecilhos já vistos em outros filmes, durante a projeção é possível esquecer um pouco das mazelas que o mundo pandêmico aflorou. Por um lado, isso é bom, no entanto, atesta o quanto a trama é genérica.

“O Amor de Sylvie” é um filme agradável e perfeito para quem quer curtir um romance previsível com uma boa trilha sonora. O brilho de Tessa Thompson e a persistência de Sylvie valem a pena.

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...