“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão”

Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o andamento que Eugene Ashe daria ao seu filme protagonizado por Tessa Thompson (“Westworld”, “Thor: Ragnarok”). A produção disponível na Amazon Prime Video, porém, não foge aos clichês das histórias românticas.

Acompanhamos Sylvie (Tessa Thompson), uma jovem que trabalha na loja de discos de seu pai. Ela se apaixona por Robert (Nnamdi Asomugha), um aspirante a saxofonista que consegue um emprego na mesma loja em que ela trabalha. A partir disso os dois vivem uma história de amor entre encontros, desencontros e tensões sociais que atravessam uma década.

O brilho de Sylvie

Não é de se admirar que o filme leve o nome da personagem de Thompson, já que é sob seu prisma que a história toda acontece. Sylvie desde jovem mostra-se interessada por querer alcançar status maior do que o conservadorismo dos anos 60 e 70 reservaria a uma menina negra do Harlem. E, como em toda história tradicional, ela corre em busca de seus sonhos até que os alcança.

Em contrapartida a sua figura marcante, tem-se Robert. O saxofonista possui uma condição social abaixo da amada e, por conta disso, mesmo que involuntariamente, toma decisões que sempre o empurram a obscuridade. Enquanto Sylvie parece estar destinada a brilhar, suas decisões o levam a auto colocar-se em segundo plano. Como diria uma das minhas canções favoritas de “Hamilton”, há algo nele que não permite que esteja satisfeito com o que tem. E isso ocorre em todos os momentos de sua vida, seja quando é um jovem solteiro em busca do sucesso, quando está onde almejava chegar ou quando vai a Detroit.

Mergulhados da Nova York dos anos 60

Essa relação se vincula as cores presentes em tela. A fotografia de Declan Quinn (“Hamilton”, “A Cabana“) alinhada a cenografia recriam a Nova York dos anos 60 e a decadência do jazz na cidade. Mas cada ambiente dialoga com a personalidade dos protagonistas. Quando Robert, por exemplo, tem as respostas que almeja no mundo musical, os figurinos são preenchidos por cores quentes como o vermelho do vestido da personagem de Jemima Kirke. Porém, seu ambiente é constantemente dominado pelo azul. Curiosamente, Sylvie começa o filme utilizando variadas tonalidades da cor do amado, no entanto, conforme seu personagem evolui, o figurino e ambiente da protagonista assumem matizes mais quentes e se tornam mais iluminados, apontando mais uma vez seu status como o destaque da narrativa.

O maior mérito da produção de Ashe reside nessa ambientação. A combinação de cores, a fotografia e a trilha sonora nos leva a uma sensação nostálgica, não apenas do período a qual a trama se passa, mas da própria leveza do relacionamento e dos romances clássicos de Hollywood. É uma história de amor que relembra as vivenciadas por Audrey Hepburn, Vivien Leigh, Julie Andrews, Katherine Hepburn, entre outras.

Embora seja banhado de clichês e empecilhos já vistos em outros filmes, durante a projeção é possível esquecer um pouco das mazelas que o mundo pandêmico aflorou. Por um lado, isso é bom, no entanto, atesta o quanto a trama é genérica.

“O Amor de Sylvie” é um filme agradável e perfeito para quem quer curtir um romance previsível com uma boa trilha sonora. O brilho de Tessa Thompson e a persistência de Sylvie valem a pena.

‘Depois a Louca Sou Eu’: divertido estudo sobre a saúde mental

Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende ("Coisa Mais Linda", "Ponte Aérea"), inspirada no livro homônimo de...

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...