O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma forma bastante peculiar e usando do humor ácido para contar a história de como é ser e estar em um país desconhecido sendo refugiado.

Limbo conta a história de Omar (Amir El-Masry), jovem sírio que se vê obrigado a fugir de sua pátria por conta dos conflitos sociais e políticos. Juntamente com outros refugiados, ele finca morada em uma remota gélida ilha ao sul da Escócia. Seus pais também se refugiam não muito longe da Síria e seu irmão resolve ficar e lutar.

Uma vez instalado em uma espécie de vila, ele divide a casa e tem somente as companhias de Fahard (Vikash Bhai), também vindo da Síria, e os irmãos Wasef (Ola Orebiyi) e Abedi (Kwabena Ansah), africanos. Há ainda dois simpáticos professores que lhes ensinam a compreender e se adaptar à cultura local, Helga e Boris (Sidse Babett-Knudsen e Kenneth Collard, respectivamente).

ABANDONADOS À PRÓPRIA SORTE

A história por si tem um peso muito grande, pois a situação dos refugiados é uma questão de urgência mundial, como estamos vendo no caos do Afeganistão. E há diversas produções que narram toda essa dor, sofrimento e humilhação em sair de sua terra natal, do seu lugar, de suas referências para o desconhecido e perder toda a essência que se tem de si e do seu lar.

Em vez de apostar em um drama, Sharrock faz o inverso: usa do humor ácido e de situação para contar esse lado obscuro de abandono. Há muitas subjetividades em sua narrativa que sofisticam mais ainda o roteiro e “Limbo” como um todo.

Primeiramente a questão de estarem afastados do seio social em uma ilha remota, muito, muito longe da cidade. Nenhum refugiado pode trabalhar, todos ganham um pequeno auxílio somente para alimentação e ainda tem que lidar com a brutalidade dos nativos da região. Para piorar, a resposta do asilo do governo é uma romaria. Demora. Há quem espere por mais de dois anos.

Neste sentido, estar no limbo é ser esquecido, sem importância alguma para aqueles que poderiam auxiliar na ressocialização destes indivíduos na busca de asilo, um novo lar e uma nova perspectiva de vida. Eles realmente se importam?

A MORTE EM VIDA

Os sonhos, entretanto, estes nunca morrem. É o que os mantém vivos. Aqui, não foge à regra. Cada um tem um desejo. Wasef quer ser jogador de futebol, enquanto seu irmão só quer uma vida pacata em um emprego normal para sobreviver. Fahard é um fã de Freddie Mercury e a sua busca é ser ele mesmo, coisa que não aconteceria de forma alguma na Síria. E Omar, bem, ele é uma incógnita que vai se despindo ao longo da película. Ele é um mistério.

Falando em Omar, para todo lugar que vai leva consigo um pesado Alaúde (violão turco). Na Síria, ele era um músico em ascensão como fica claro nas diversas vezes em que vê os vídeos no celular para matar a saudade da sua família. Esse instrumento tem uma grande importância, pois, é com ele que se conecta com seu lugar, sua família, sua cultura e consigo mesmo. Ainda que não consiga mais tocar, o Alaúde faz parte desse homem tão amedrontado, esperançoso, inquieto e solitário. O Alaúde é ele, ambos se completam e só tem um ao outro naqueles dias frios.

Em uma das ligações para seus familiares, o seu pai lhe pergunta se ele está tocando, Omar responde que não. Então ele lhe diz: “um músico que não toca está morto por dentro”. Será que ele realmente estava vivo? Pois não há alegria e entusiasmo em Omar e compreendemos a sua condição.

SURPRESA BEM-VINDA

A riqueza da fotografia fria e a ambientação contemplativa são fundamentais na construção dessa narrativa e da compreensão de quem assiste. Toda aquela dimensão, imensidão representam os sentimentos de solidão, de perda, da espera, do desconhecido. Os enquadramentos enchem os olhos e cada frame é uma obra de arte. A sequência final é de uma beleza ímpar e poética.

Limbo certamente é um dos melhores filmes lançados ano passado, certamente um dos melhores filmes que assisti até agora em 2021. Uma grata surpresa. E a surpresa é sempre bem-vinda quando há um trabalho de qualidade e acima da média como de Ben Sharrock.

Em meio ao caos, a turbulência, a impotência e o desespero de deixar tudo para trás, de perder tudo, não há sensação pior de que uma outra nação não o receba e o deixe quase que entregue à própria sorte. Limbo, sobretudo, é uma metáfora muito bem elaborada sobre a negligência e exclusão que essas pessoas sofrem e a solidão e desespero em busca de sua dignidade perdida.

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...