O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma forma bastante peculiar e usando do humor ácido para contar a história de como é ser e estar em um país desconhecido sendo refugiado.

Limbo conta a história de Omar (Amir El-Masry), jovem sírio que se vê obrigado a fugir de sua pátria por conta dos conflitos sociais e políticos. Juntamente com outros refugiados, ele finca morada em uma remota gélida ilha ao sul da Escócia. Seus pais também se refugiam não muito longe da Síria e seu irmão resolve ficar e lutar.

Uma vez instalado em uma espécie de vila, ele divide a casa e tem somente as companhias de Fahard (Vikash Bhai), também vindo da Síria, e os irmãos Wasef (Ola Orebiyi) e Abedi (Kwabena Ansah), africanos. Há ainda dois simpáticos professores que lhes ensinam a compreender e se adaptar à cultura local, Helga e Boris (Sidse Babett-Knudsen e Kenneth Collard, respectivamente).

ABANDONADOS À PRÓPRIA SORTE

A história por si tem um peso muito grande, pois a situação dos refugiados é uma questão de urgência mundial, como estamos vendo no caos do Afeganistão. E há diversas produções que narram toda essa dor, sofrimento e humilhação em sair de sua terra natal, do seu lugar, de suas referências para o desconhecido e perder toda a essência que se tem de si e do seu lar.

Em vez de apostar em um drama, Sharrock faz o inverso: usa do humor ácido e de situação para contar esse lado obscuro de abandono. Há muitas subjetividades em sua narrativa que sofisticam mais ainda o roteiro e “Limbo” como um todo.

Primeiramente a questão de estarem afastados do seio social em uma ilha remota, muito, muito longe da cidade. Nenhum refugiado pode trabalhar, todos ganham um pequeno auxílio somente para alimentação e ainda tem que lidar com a brutalidade dos nativos da região. Para piorar, a resposta do asilo do governo é uma romaria. Demora. Há quem espere por mais de dois anos.

Neste sentido, estar no limbo é ser esquecido, sem importância alguma para aqueles que poderiam auxiliar na ressocialização destes indivíduos na busca de asilo, um novo lar e uma nova perspectiva de vida. Eles realmente se importam?

A MORTE EM VIDA

Os sonhos, entretanto, estes nunca morrem. É o que os mantém vivos. Aqui, não foge à regra. Cada um tem um desejo. Wasef quer ser jogador de futebol, enquanto seu irmão só quer uma vida pacata em um emprego normal para sobreviver. Fahard é um fã de Freddie Mercury e a sua busca é ser ele mesmo, coisa que não aconteceria de forma alguma na Síria. E Omar, bem, ele é uma incógnita que vai se despindo ao longo da película. Ele é um mistério.

Falando em Omar, para todo lugar que vai leva consigo um pesado Alaúde (violão turco). Na Síria, ele era um músico em ascensão como fica claro nas diversas vezes em que vê os vídeos no celular para matar a saudade da sua família. Esse instrumento tem uma grande importância, pois, é com ele que se conecta com seu lugar, sua família, sua cultura e consigo mesmo. Ainda que não consiga mais tocar, o Alaúde faz parte desse homem tão amedrontado, esperançoso, inquieto e solitário. O Alaúde é ele, ambos se completam e só tem um ao outro naqueles dias frios.

Em uma das ligações para seus familiares, o seu pai lhe pergunta se ele está tocando, Omar responde que não. Então ele lhe diz: “um músico que não toca está morto por dentro”. Será que ele realmente estava vivo? Pois não há alegria e entusiasmo em Omar e compreendemos a sua condição.

SURPRESA BEM-VINDA

A riqueza da fotografia fria e a ambientação contemplativa são fundamentais na construção dessa narrativa e da compreensão de quem assiste. Toda aquela dimensão, imensidão representam os sentimentos de solidão, de perda, da espera, do desconhecido. Os enquadramentos enchem os olhos e cada frame é uma obra de arte. A sequência final é de uma beleza ímpar e poética.

Limbo certamente é um dos melhores filmes lançados ano passado, certamente um dos melhores filmes que assisti até agora em 2021. Uma grata surpresa. E a surpresa é sempre bem-vinda quando há um trabalho de qualidade e acima da média como de Ben Sharrock.

Em meio ao caos, a turbulência, a impotência e o desespero de deixar tudo para trás, de perder tudo, não há sensação pior de que uma outra nação não o receba e o deixe quase que entregue à própria sorte. Limbo, sobretudo, é uma metáfora muito bem elaborada sobre a negligência e exclusão que essas pessoas sofrem e a solidão e desespero em busca de sua dignidade perdida.

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...