O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos refugiados sírios na Europa e também mostrar uma história de amor. E o faz de maneira simples e acessível: não à toa conquistou a Academia de Hollywood e acabou entre os finalistas indicados na categoria Melhor Filme Internacional.

A história concebida por Ben Hania – ela é também a roteirista – parece exagerada, e é, mas é levemente inspirada no caso real do artista Tim Steiner, que tatuou uma obra de arte nas costas e depois a “vendeu” – leia mais aqui. No filme, Sam é um rapaz sírio que enquanto viaja com sua amada no ônibus num belo dia, professa seu amor por ela em voz alta e diz que “quer liberdade”. É o que basta para ele ser preso e depois fugir do país, para o Líbano, até chegar à Europa. É 2011, e a guerra na Síria, que faria com que ondas de refugiados tentassem sair do país nos anos seguintes, eclode. Algum tempo depois, ele é notado por artista renomado e deixa esse sujeito tatuar uma pintura nas suas costas, a pintura de um visto, do tipo que é necessário para refugiados conseguirem ingressar na Europa. Sam então se torna ele mesmo uma obra de arte, passa a se exibir num museu e a atrair as mais diversas controvérsias.

O elenco ajuda bastante na experiência do filme. Yahya Mahayni é simpático e faz do Sam uma figura que instantaneamente ganha a simpatia do espectador. Acompanhamos o personagem – e o ator – mesmo quando a trama começa a dar umas viradas meio questionáveis perto do desfecho do filme. Dea Liane como Abeer, o amor do protagonista, também tem uma presença muito humana em tela e torcemos para que o casal resolva seus problemas e fique junto. E a estrela Monica Belucci faz o papel de uma calculista negociante de arte que explora sua “obra” valiosa. Sua loiríssima participação é importante para a história e a atriz evita que sua personagem se torne muito unidimensional.

Esses elementos ajudam o filme, porque na direção o toque de Ben Hania é meio frouxo, leve demais. O retrato que a diretora-roteirista pinta do mundo da arte moderna não é lisonjeiro, claro, mas também parece meio raso. Até sua metade, o filme propõe questões interessantes: como nos relacionamos mesmo com uma obra de arte? E como essa relação mudaria se essa obra de arte fosse uma pessoa viva, em condição de óbvia exploração? Em nome do fazer artístico, tal coisa seria válida? Sam vive uma vida confortável, longe da guerra, mas a que preço?

SAÍDAS FÁCEIS

No entanto, a partir de dado momento o filme para com essas proposições interessantes e começa a se desenrolar com desdobramentos que parecem, no fim das contas, inverossímeis, e com saltos no tempo que sugerem uma narrativa apressada. Claro que os últimos anos no planeta Terra atualizaram as definições de absurdo, mas ainda assim O Homem que Vendeu Sua Pele pesa um pouco na mão quanto mais se encaminha para seu trecho final. O elenco, especialmente Mahayni, segura a barra e evita que o espectador saia totalmente da história. Ainda assim, é dureza ter que aguentar uma tentativa de plot twist perto do final, uma que não engana o espectador em momento algum e ainda parece amarrar as pontas soltas de uma maneira certinha demais.

No fim das contas, há alguns belos momentos em O Homem que Vendeu Sua Pele – nenhum mais belo que a cena do ônibus logo no início – e algumas ideias interessantes espalhadas durante a projeção. Devido à maneira como o diretor a conta, acaba não sendo uma história com muita profundidade ou mesmo sutilezas – o roteiro faz o personagem do artista, interpretado por Koen De Bouw, se apresentar como Mefistófeles para Sam (!).

O real problema do longa é o fato dele ser meio leve demais, sua sátira poderia ser mais incisiva. Mas, paradoxalmente, sua leveza faz dele um filme a que se assiste com facilidade, o tipo de obra que parece querer contar três histórias ao mesmo tempo e até consegue. É um filme leve sobre assuntos complexos: alguns espectadores gostam disso, é verdade. Para muitos, essa leveza pode não ser um problema. Porém, mesmo eles devem concordar que é uma obra que fica mesmo na superfície, na “pele”.

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...