O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos refugiados sírios na Europa e também mostrar uma história de amor. E o faz de maneira simples e acessível: não à toa conquistou a Academia de Hollywood e acabou entre os finalistas indicados na categoria Melhor Filme Internacional.

A história concebida por Ben Hania – ela é também a roteirista – parece exagerada, e é, mas é levemente inspirada no caso real do artista Tim Steiner, que tatuou uma obra de arte nas costas e depois a “vendeu” – leia mais aqui. No filme, Sam é um rapaz sírio que enquanto viaja com sua amada no ônibus num belo dia, professa seu amor por ela em voz alta e diz que “quer liberdade”. É o que basta para ele ser preso e depois fugir do país, para o Líbano, até chegar à Europa. É 2011, e a guerra na Síria, que faria com que ondas de refugiados tentassem sair do país nos anos seguintes, eclode. Algum tempo depois, ele é notado por artista renomado e deixa esse sujeito tatuar uma pintura nas suas costas, a pintura de um visto, do tipo que é necessário para refugiados conseguirem ingressar na Europa. Sam então se torna ele mesmo uma obra de arte, passa a se exibir num museu e a atrair as mais diversas controvérsias.

O elenco ajuda bastante na experiência do filme. Yahya Mahayni é simpático e faz do Sam uma figura que instantaneamente ganha a simpatia do espectador. Acompanhamos o personagem – e o ator – mesmo quando a trama começa a dar umas viradas meio questionáveis perto do desfecho do filme. Dea Liane como Abeer, o amor do protagonista, também tem uma presença muito humana em tela e torcemos para que o casal resolva seus problemas e fique junto. E a estrela Monica Belucci faz o papel de uma calculista negociante de arte que explora sua “obra” valiosa. Sua loiríssima participação é importante para a história e a atriz evita que sua personagem se torne muito unidimensional.

Esses elementos ajudam o filme, porque na direção o toque de Ben Hania é meio frouxo, leve demais. O retrato que a diretora-roteirista pinta do mundo da arte moderna não é lisonjeiro, claro, mas também parece meio raso. Até sua metade, o filme propõe questões interessantes: como nos relacionamos mesmo com uma obra de arte? E como essa relação mudaria se essa obra de arte fosse uma pessoa viva, em condição de óbvia exploração? Em nome do fazer artístico, tal coisa seria válida? Sam vive uma vida confortável, longe da guerra, mas a que preço?

SAÍDAS FÁCEIS

No entanto, a partir de dado momento o filme para com essas proposições interessantes e começa a se desenrolar com desdobramentos que parecem, no fim das contas, inverossímeis, e com saltos no tempo que sugerem uma narrativa apressada. Claro que os últimos anos no planeta Terra atualizaram as definições de absurdo, mas ainda assim O Homem que Vendeu Sua Pele pesa um pouco na mão quanto mais se encaminha para seu trecho final. O elenco, especialmente Mahayni, segura a barra e evita que o espectador saia totalmente da história. Ainda assim, é dureza ter que aguentar uma tentativa de plot twist perto do final, uma que não engana o espectador em momento algum e ainda parece amarrar as pontas soltas de uma maneira certinha demais.

No fim das contas, há alguns belos momentos em O Homem que Vendeu Sua Pele – nenhum mais belo que a cena do ônibus logo no início – e algumas ideias interessantes espalhadas durante a projeção. Devido à maneira como o diretor a conta, acaba não sendo uma história com muita profundidade ou mesmo sutilezas – o roteiro faz o personagem do artista, interpretado por Koen De Bouw, se apresentar como Mefistófeles para Sam (!).

O real problema do longa é o fato dele ser meio leve demais, sua sátira poderia ser mais incisiva. Mas, paradoxalmente, sua leveza faz dele um filme a que se assiste com facilidade, o tipo de obra que parece querer contar três histórias ao mesmo tempo e até consegue. É um filme leve sobre assuntos complexos: alguns espectadores gostam disso, é verdade. Para muitos, essa leveza pode não ser um problema. Porém, mesmo eles devem concordar que é uma obra que fica mesmo na superfície, na “pele”.

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...