O plano-sequência do parto de 24 minutos e a atuação de Vanessa Kirby. Não há como fugir destes dois destaques ao falar de “Pieces of a Woman”. Disponível na Netflix, o primeiro longa do diretor húngaro Kornél Mundruczó (“Deus Branco”) até consegue ser um bom drama sobre o processo de luto, mas, não chega a alcançar o patamar de suas maiores qualidades. 

“Pieces of a Woman” acompanha a trajetória de um casal (Kirby e Shia Labeouf) prestes a ter o primeiro filho. Como desejo da mãe, o parto será natural na casa onde vivem. Porém, a situação se complica e, mesmo com o apoio de uma parteira, a criança acaba morrendo poucos instantes após nascer. Dali em diante, os dois lidam com o trauma à medida que vão se distanciando. 

A intensidade repleta de angústia do plano-sequência não apenas mergulha o espectador em “Pieces of a Woman” como dimensiona o tamanho do trauma do casal. Mundruczó conduz o momento com sobriedade ao permitir uma mise-en-scène fluída de 360 graus do cenário contribuindo para uma movimentação natural dos atores em cena e uma câmera sempre estável dando a exata noção do desespero do momento. O filme ainda descontrói o próprio momento do nascimento como algo lúdico e maravilhoso, tão comum no cinema e novelas, criando um processo doloroso e sofrido, ecoando produções recentes que ressignificam a maternidade como “Tully” e “Precisamos Falar Sobre Kevin”. 

Diante disso, Vanessa Kirby apresenta um desempenho arrasador. A ganhadora do prêmio de Melhor Atriz do Festival de Veneza 2020 personifica toda a angústia do drama vivido pela protagonista durante o parto. Ela urra, se contorce, grita, se desespera em um pesadelo que parece não ter fim. Já na fase do luto, a eterna Princesa Margaret de “The Crown” segue uma trajetória errante de olhar perdido, sem foco, tentando entender tudo o que aconteceu tanto com o bebê como em relação ao próprio corpo, simbolizado pelo belo momento das plantas murchas penduradas em casa. 

SOBRAS DESNECESSÁRIAS

Esta excelência, entretanto, não encontra ressonância no restante do filme. Por mais que esteja bem, Shia Labeouf fica aquém do desempenho de Kirby com o próprio personagem passando por caminhos mais óbvios. A situação relacionada ao consumo de álcool e drogas não chega a ser tão bem desenvolvida assim como o relacionamento extraconjugal soa desnecessário.  

Já Ellen Burstyn surge mal aproveitada durante quase toda projeção, mas, ganha seu momento ao implorar uma reação à filha em um ato desesperado. A cereja do bolo fica para a deslocada tentativa de “Pieces of a Woman” virar um o drama de tribunal na reta final.   

As alegorias criadas pelo roteiro de Kata Wéber tanto da ponte como ligação de um encontro consigo própria em busca da paz interior para seguir adiante e das estações do ano como símbolo daquele universo funcionam dentro da dinâmica da obra ainda que não soem tão profundas como se pretendem. Essa contradição acaba sintetizando bem “Pieces of a Woman”: uma obra com pontos fora da curva brilhantes, mas, que nunca chega a deslanchar como promete fazer.   

‘Todos Estão Falando Sobre Jamie’: musical artificial não sai da zona de conforto

“Todos Estão Falando Sobre Jamie”, é um drama musical estrelado por Max Harwood e retrata o início de carreira de Jamie New, um jovem gay prestes a se formar na escola e que decide se tornar uma drag queen. Estreante nos cinemas, Jonathan Butterell dirigiu a peça...

‘Minamata’: filme denúncia protocolar segue linha do branco salvador

Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias. Há grandes momentos da história recente em...

‘Hit the Road’: uma das maiores surpresas do cinema em 2021

Hilário e tocante, "Hit the Road" é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de...

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...