O plano-sequência do parto de 24 minutos e a atuação de Vanessa Kirby. Não há como fugir destes dois destaques ao falar de “Pieces of a Woman”. Disponível na Netflix, o primeiro longa do diretor húngaro Kornél Mundruczó (“Deus Branco”) até consegue ser um bom drama sobre o processo de luto, mas, não chega a alcançar o patamar de suas maiores qualidades. 

“Pieces of a Woman” acompanha a trajetória de um casal (Kirby e Shia Labeouf) prestes a ter o primeiro filho. Como desejo da mãe, o parto será natural na casa onde vivem. Porém, a situação se complica e, mesmo com o apoio de uma parteira, a criança acaba morrendo poucos instantes após nascer. Dali em diante, os dois lidam com o trauma à medida que vão se distanciando. 

A intensidade repleta de angústia do plano-sequência não apenas mergulha o espectador em “Pieces of a Woman” como dimensiona o tamanho do trauma do casal. Mundruczó conduz o momento com sobriedade ao permitir uma mise-en-scène fluída de 360 graus do cenário contribuindo para uma movimentação natural dos atores em cena e uma câmera sempre estável dando a exata noção do desespero do momento. O filme ainda descontrói o próprio momento do nascimento como algo lúdico e maravilhoso, tão comum no cinema e novelas, criando um processo doloroso e sofrido, ecoando produções recentes que ressignificam a maternidade como “Tully” e “Precisamos Falar Sobre Kevin”. 

Diante disso, Vanessa Kirby apresenta um desempenho arrasador. A ganhadora do prêmio de Melhor Atriz do Festival de Veneza 2020 personifica toda a angústia do drama vivido pela protagonista durante o parto. Ela urra, se contorce, grita, se desespera em um pesadelo que parece não ter fim. Já na fase do luto, a eterna Princesa Margaret de “The Crown” segue uma trajetória errante de olhar perdido, sem foco, tentando entender tudo o que aconteceu tanto com o bebê como em relação ao próprio corpo, simbolizado pelo belo momento das plantas murchas penduradas em casa. 

SOBRAS DESNECESSÁRIAS

Esta excelência, entretanto, não encontra ressonância no restante do filme. Por mais que esteja bem, Shia Labeouf fica aquém do desempenho de Kirby com o próprio personagem passando por caminhos mais óbvios. A situação relacionada ao consumo de álcool e drogas não chega a ser tão bem desenvolvida assim como o relacionamento extraconjugal soa desnecessário.  

Já Ellen Burstyn surge mal aproveitada durante quase toda projeção, mas, ganha seu momento ao implorar uma reação à filha em um ato desesperado. A cereja do bolo fica para a deslocada tentativa de “Pieces of a Woman” virar um o drama de tribunal na reta final.   

As alegorias criadas pelo roteiro de Kata Wéber tanto da ponte como ligação de um encontro consigo própria em busca da paz interior para seguir adiante e das estações do ano como símbolo daquele universo funcionam dentro da dinâmica da obra ainda que não soem tão profundas como se pretendem. Essa contradição acaba sintetizando bem “Pieces of a Woman”: uma obra com pontos fora da curva brilhantes, mas, que nunca chega a deslanchar como promete fazer.   

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...