“A essência da política, dos mecanismos do mercado e da vida social é a luta”*.

 Bom, em um pensamento social nem tão complexo e profundo, entendemos que a vida é feita de luta, de garra, força para suprir as necessidades, a ausência das oportunidades e aos acessos negados.

Em uma linguagem mais contemporânea, nos dias atuais, vemos essas diversas lutas diárias de vida, pela sobrevivência nada mais que uma visão romântica e idealizada para impulsionar aqueles que estão abaixo de um elo dominante a serem máquinas e trazer mais lucro aos seus patrões.

Mais o que essa linha Weberiana tem a ver com o filme Raça e Redenção (2019)? Eu te respondo: tudo! Essa pegada social é uma introdução na questão da dominação social entre o elo dominante e o dominado. Sabemos que há classes sociais, divisões sociais e imposições sociais. E o filme, ainda que negligencie uma coisa ou outra, acerta superficialmente em algumas questões.

AS TENSÕES DE 1971

Baseado em fatos e no livro The Best Of Enemies: Race and Redemption in the New South (2007), de Osha Gray Davidson, a produção volta ao ano de 1971, quando ainda era explicitamente latente a segregação racial nos EUA, especialmente na cidade de Durham na Carolina do Norte, onde se passa a trama. Enquanto o movimento negro ganha força e voz, o Ku Klux Klan se edifica cada vez mais na busca da superioridade branca.

Neste meio tempo, entre brigas, mortes e ameaças, a escola primária para crianças negras pega fogo e membros do movimento negro, liderado por Ann Atwater (Taraji. P. Henson) buscam a única solução possível: a integração social entre as crianças negras e brancas.

Obviamente, a “raça pura”, liderada por seu presidente, C.P. Ellis (Sam Rockwell), vai contra e há um colapso na cidade que, durante duas semanas, entra em uma espécie de plebiscito, com discussões calorosas, arbitrariedade, reuniões, para buscar uma melhor solução para todos.

VOZES SEMPRE SILENCIADAS

Voltando à questão da dominação, Max Weber nos diz que “os meios utilizados para alcançar o poder podem ser muito diversos, desde o emprego da simples violência até a propaganda e o sufrágio por procedimentos rudes ou delicados: dinheiro influencia social, poder da palavra, sugestão e engano grosseiro”*.

Podemos perceber, portanto, a premissa básica em viver em uma sociedade desigual e racista. Pois o racismo não é de hoje e cada vez mais se enraíza no pensamento social sumariamente branco e elitista. Cadê os direitos básicos? Ao longo de Raça e Redenção, vemos todos os exemplos que Weber nos fala de dominação: o dinheiro e a influência social representadas por políticos brancos, de meia idade e racistas que não querem essa integração social, o poder das palavras e das ações aos corpos negros que só querem viver dignamente.

E dominar é isso: não precisa um sujeito ser rico e com influência para dominar os corpos negros; basta reproduzi-los. Ao fazê-lo, você reafirma uma proposta social em negar aos negros todos e quaisquer acessos, principalmente o educacional. Quando um aluno negro do 3° ano do Ensino Médio afirma que conseguiu se graduar com livros da 9° série em uma passagem da produção, deixa uma sensação de vazio.

É inevitável não pensar que mesmo hoje, os negros seguem dominados pela supremacia branca. Ainda que haja voz, haja luta, suas vozes estão sempre sendo silenciadas e ceifadas ao final do dia, pois é legitimado e aplaudido.

O PERIGOSO WHITE SAVIOUR

Dirigido por Robin Bissell (“Jogos Vorazes”, 2012), Raça e Redenção peca por ser longo e um tanto enfadonho, principalmente por cair nos estereótipos: Taraji P. Henson é uma excelente atriz, mas sua personificação de líder mais parece o estigma da matriarca negra, mandona e sem papas na língua, ainda que tenha uma ideia em mente e esteja certa.

Sam Rockwell, outro ótimo ator, mas que ultimamente está preso nessa persona fascista/racista como em “Três Anúncios Para Um Crime” (2017) e “Jojo Rabbit” (2019), deixa um ar mais pesado na tela. Suas performances não são comprometedoras, mas poderiam ir para outro caminho.

E quando falamos de dominação, falamos também do perigoso White saviour, sempre tão presente quando abordamos questões raciais. Não há mais um interesse nesse protagonismo branco, não condiz mais com a realidade e narrar uma história importante como esta, dando voz aos dois lados, mas beneficiando o lado dominante, não soluciona e nem denuncia o problema, apenas reproduz esse pensamento supremacista.

E essa condição não pode mais ser tolerada. Quem dera fosse que todos os males sofridos pelo povo negro se solucionassem com um discurso bonito e um aperto de mão.

*BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira, Quintaneiro, Tânia. Max Weber. QUINTANEIRO, TÂNIA, et al. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. 2° ed. rev. amp. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...