“A essência da política, dos mecanismos do mercado e da vida social é a luta”*.

 Bom, em um pensamento social nem tão complexo e profundo, entendemos que a vida é feita de luta, de garra, força para suprir as necessidades, a ausência das oportunidades e aos acessos negados.

Em uma linguagem mais contemporânea, nos dias atuais, vemos essas diversas lutas diárias de vida, pela sobrevivência nada mais que uma visão romântica e idealizada para impulsionar aqueles que estão abaixo de um elo dominante a serem máquinas e trazer mais lucro aos seus patrões.

Mais o que essa linha Weberiana tem a ver com o filme Raça e Redenção (2019)? Eu te respondo: tudo! Essa pegada social é uma introdução na questão da dominação social entre o elo dominante e o dominado. Sabemos que há classes sociais, divisões sociais e imposições sociais. E o filme, ainda que negligencie uma coisa ou outra, acerta superficialmente em algumas questões.

AS TENSÕES DE 1971

Baseado em fatos e no livro The Best Of Enemies: Race and Redemption in the New South (2007), de Osha Gray Davidson, a produção volta ao ano de 1971, quando ainda era explicitamente latente a segregação racial nos EUA, especialmente na cidade de Durham na Carolina do Norte, onde se passa a trama. Enquanto o movimento negro ganha força e voz, o Ku Klux Klan se edifica cada vez mais na busca da superioridade branca.

Neste meio tempo, entre brigas, mortes e ameaças, a escola primária para crianças negras pega fogo e membros do movimento negro, liderado por Ann Atwater (Taraji. P. Henson) buscam a única solução possível: a integração social entre as crianças negras e brancas.

Obviamente, a “raça pura”, liderada por seu presidente, C.P. Ellis (Sam Rockwell), vai contra e há um colapso na cidade que, durante duas semanas, entra em uma espécie de plebiscito, com discussões calorosas, arbitrariedade, reuniões, para buscar uma melhor solução para todos.

VOZES SEMPRE SILENCIADAS

Voltando à questão da dominação, Max Weber nos diz que “os meios utilizados para alcançar o poder podem ser muito diversos, desde o emprego da simples violência até a propaganda e o sufrágio por procedimentos rudes ou delicados: dinheiro influencia social, poder da palavra, sugestão e engano grosseiro”*.

Podemos perceber, portanto, a premissa básica em viver em uma sociedade desigual e racista. Pois o racismo não é de hoje e cada vez mais se enraíza no pensamento social sumariamente branco e elitista. Cadê os direitos básicos? Ao longo de Raça e Redenção, vemos todos os exemplos que Weber nos fala de dominação: o dinheiro e a influência social representadas por políticos brancos, de meia idade e racistas que não querem essa integração social, o poder das palavras e das ações aos corpos negros que só querem viver dignamente.

E dominar é isso: não precisa um sujeito ser rico e com influência para dominar os corpos negros; basta reproduzi-los. Ao fazê-lo, você reafirma uma proposta social em negar aos negros todos e quaisquer acessos, principalmente o educacional. Quando um aluno negro do 3° ano do Ensino Médio afirma que conseguiu se graduar com livros da 9° série em uma passagem da produção, deixa uma sensação de vazio.

É inevitável não pensar que mesmo hoje, os negros seguem dominados pela supremacia branca. Ainda que haja voz, haja luta, suas vozes estão sempre sendo silenciadas e ceifadas ao final do dia, pois é legitimado e aplaudido.

O PERIGOSO WHITE SAVIOUR

Dirigido por Robin Bissell (“Jogos Vorazes”, 2012), Raça e Redenção peca por ser longo e um tanto enfadonho, principalmente por cair nos estereótipos: Taraji P. Henson é uma excelente atriz, mas sua personificação de líder mais parece o estigma da matriarca negra, mandona e sem papas na língua, ainda que tenha uma ideia em mente e esteja certa.

Sam Rockwell, outro ótimo ator, mas que ultimamente está preso nessa persona fascista/racista como em “Três Anúncios Para Um Crime” (2017) e “Jojo Rabbit” (2019), deixa um ar mais pesado na tela. Suas performances não são comprometedoras, mas poderiam ir para outro caminho.

E quando falamos de dominação, falamos também do perigoso White saviour, sempre tão presente quando abordamos questões raciais. Não há mais um interesse nesse protagonismo branco, não condiz mais com a realidade e narrar uma história importante como esta, dando voz aos dois lados, mas beneficiando o lado dominante, não soluciona e nem denuncia o problema, apenas reproduz esse pensamento supremacista.

E essa condição não pode mais ser tolerada. Quem dera fosse que todos os males sofridos pelo povo negro se solucionassem com um discurso bonito e um aperto de mão.

*BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira, Quintaneiro, Tânia. Max Weber. QUINTANEIRO, TÂNIA, et al. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. 2° ed. rev. amp. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...