Na abertura de Sergio, vemos o diplomata da ONU Sérgio Vieira de Mello gravando um vídeo de recrutamento para a organização, e neste vídeo ele diz que é difícil resumir “34 anos de carreira em 3 minutos”. Sergio, o filme do diretor Greg Barker e lançado pela Netflix, tem quase duas horas para fazer esse mesmo relato e ainda assim sofre com essa dificuldade. Barker já realizou, há alguns anos, um documentário sobre o diplomata brasileiro, uma das figuras mais importantes da história recente da ONU – o qual, confesso, não assisti. Mas é seguro dizer que o documentário provavelmente deve ser mais interessante que esta biopic bem tradicional. Sergio não chega a ser um filme ruim, mas é um que segue a cartilha do filme biográfico à qual já nos acostumamos. E seguir cartilha é, muitas vezes, a morte da arte.

O roteiro do longa até faz uso de uma moldura dramática interessante: o filme se inicia pelo fim – aviso de SPOILER de um fato real bem conhecido e que teve ampla repercussão mundial – em 19 de agosto de 2003, quando a sede da ONU em Bagdá, na qual Sérgio trabalhava, foi alvo de um atentado à bomba. Preso debaixo dos escombros, o protagonista relembra sua vida enquanto aguarda o resgate: Não dizem que a vida de alguém passa diante de seus olhos nessas horas? Ele relembra sua atuação no Timor Leste; seu envolvimento no Iraque logo após a invasão norte-americana que tirou Saddam Hussein do poder; e quando conheceu Carolina, uma economista argentina que virou seu grande amor.

O grande trunfo do filme de Barker é ter nos papeis principais de Sérgio e Carolina simplesmente Wagner Moura (“Tropa de Elite“) e Ana de Armas (“Entre Facas e Segredos“). Eles carregam o filme nas costas e quase, quase conseguem suplantar as limitações do roteiro e da montagem. Afinal, a estruturação em flashbacks ao longo do filme mais atrapalha do que ajuda o drama: A sensação às vezes é de pularmos de uma vinheta para outra de maneira meio aleatória, sem uma justificativa clara dentro da narrativa.

SINCERIDADE X PREGUIÇA

“Sérgio” é pouco profundo também. Uma cena no meio dele, com Sérgio no Brasil tentando passar um tempo com seus filhos e comendo moqueca, parece meio jogada na narrativa, apenas para fornecer um pouco de conflito e não deixar o protagonista “perfeito” demais. Aliás, o retrato dele no filme parece idealizado: o Sérgio que vemos nele é heroico, estratégico, luta pelo que é certo, sacrifica a própria felicidade para ajudar a resolver conflitos pelo mundo, e ainda é um cara romântico; e tudo isso torna Sergio, o filme, algo quase como uma hagiografia. E nunca chegamos realmente a compreendê-lo ou o que o movia, além desse retrato de “um sujeito muito legal”.

São os dois astros, com suas composições, que elevam o filme em alguns momentos. Wagner Moura aproveita as oportunidades que o roteiro lhe dá e domina todas as cenas, e em várias delas conquista o espectador, mesmo debaixo de entulho. E Ana de Armas está bem cativante, prosseguindo na sua boa fase. Ela tem uma boa química com Moura e traz doses de sagacidade ao papel, levantando-o, já que em essência ele não foge muito do clichê do interesse romântico do filme biográfico. Em dado momento, um dos melhores do filme, a vemos pelo ponto de vista de Sérgio, e a atriz hipnotiza a câmera.

É graças a eles que Sergio é um filme… bom. É bem produzido, e se você quiser conhecer a história dessa figura tão importante para diplomacia mundial das ultimas décadas, ele se presta a este objetivo. Só se lamenta a falta de profundidade da empreitada como um todo, ou a sensação de preguiça que domina a narrativa. Desde que o filme começa, já sabemos tudo o que vai acontecer nele, e esse fato não necessariamente decorre da história ser baseada em fatos reais. O problema é realmente o clichê, a cartilha, o formato que busca emocionar o espectador acima de tudo, em detrimento de profundidade ou ao menos um pouquinho de inovação. É um filme sincero, assim como os desempenhos dos seus astros, mas só essa sinceridade não consegue vencer a preguiça…

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...

‘Me Sinto Bem Com Você’: crônica superficial dos relacionamentos pandêmicos

“Ei, você está ai?” Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de...

‘Loop’: excessos não impedem a diversão em boa sci-fi brasileira

No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem...