Na abertura de Sergio, vemos o diplomata da ONU Sérgio Vieira de Mello gravando um vídeo de recrutamento para a organização, e neste vídeo ele diz que é difícil resumir “34 anos de carreira em 3 minutos”. Sergio, o filme do diretor Greg Barker e lançado pela Netflix, tem quase duas horas para fazer esse mesmo relato e ainda assim sofre com essa dificuldade. Barker já realizou, há alguns anos, um documentário sobre o diplomata brasileiro, uma das figuras mais importantes da história recente da ONU – o qual, confesso, não assisti. Mas é seguro dizer que o documentário provavelmente deve ser mais interessante que esta biopic bem tradicional. Sergio não chega a ser um filme ruim, mas é um que segue a cartilha do filme biográfico à qual já nos acostumamos. E seguir cartilha é, muitas vezes, a morte da arte.

O roteiro do longa até faz uso de uma moldura dramática interessante: o filme se inicia pelo fim – aviso de SPOILER de um fato real bem conhecido e que teve ampla repercussão mundial – em 19 de agosto de 2003, quando a sede da ONU em Bagdá, na qual Sérgio trabalhava, foi alvo de um atentado à bomba. Preso debaixo dos escombros, o protagonista relembra sua vida enquanto aguarda o resgate: Não dizem que a vida de alguém passa diante de seus olhos nessas horas? Ele relembra sua atuação no Timor Leste; seu envolvimento no Iraque logo após a invasão norte-americana que tirou Saddam Hussein do poder; e quando conheceu Carolina, uma economista argentina que virou seu grande amor.

O grande trunfo do filme de Barker é ter nos papeis principais de Sérgio e Carolina simplesmente Wagner Moura (“Tropa de Elite“) e Ana de Armas (“Entre Facas e Segredos“). Eles carregam o filme nas costas e quase, quase conseguem suplantar as limitações do roteiro e da montagem. Afinal, a estruturação em flashbacks ao longo do filme mais atrapalha do que ajuda o drama: A sensação às vezes é de pularmos de uma vinheta para outra de maneira meio aleatória, sem uma justificativa clara dentro da narrativa.

SINCERIDADE X PREGUIÇA

“Sérgio” é pouco profundo também. Uma cena no meio dele, com Sérgio no Brasil tentando passar um tempo com seus filhos e comendo moqueca, parece meio jogada na narrativa, apenas para fornecer um pouco de conflito e não deixar o protagonista “perfeito” demais. Aliás, o retrato dele no filme parece idealizado: o Sérgio que vemos nele é heroico, estratégico, luta pelo que é certo, sacrifica a própria felicidade para ajudar a resolver conflitos pelo mundo, e ainda é um cara romântico; e tudo isso torna Sergio, o filme, algo quase como uma hagiografia. E nunca chegamos realmente a compreendê-lo ou o que o movia, além desse retrato de “um sujeito muito legal”.

São os dois astros, com suas composições, que elevam o filme em alguns momentos. Wagner Moura aproveita as oportunidades que o roteiro lhe dá e domina todas as cenas, e em várias delas conquista o espectador, mesmo debaixo de entulho. E Ana de Armas está bem cativante, prosseguindo na sua boa fase. Ela tem uma boa química com Moura e traz doses de sagacidade ao papel, levantando-o, já que em essência ele não foge muito do clichê do interesse romântico do filme biográfico. Em dado momento, um dos melhores do filme, a vemos pelo ponto de vista de Sérgio, e a atriz hipnotiza a câmera.

É graças a eles que Sergio é um filme… bom. É bem produzido, e se você quiser conhecer a história dessa figura tão importante para diplomacia mundial das ultimas décadas, ele se presta a este objetivo. Só se lamenta a falta de profundidade da empreitada como um todo, ou a sensação de preguiça que domina a narrativa. Desde que o filme começa, já sabemos tudo o que vai acontecer nele, e esse fato não necessariamente decorre da história ser baseada em fatos reais. O problema é realmente o clichê, a cartilha, o formato que busca emocionar o espectador acima de tudo, em detrimento de profundidade ou ao menos um pouquinho de inovação. É um filme sincero, assim como os desempenhos dos seus astros, mas só essa sinceridade não consegue vencer a preguiça…

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...