Na abertura de Sergio, vemos o diplomata da ONU Sérgio Vieira de Mello gravando um vídeo de recrutamento para a organização, e neste vídeo ele diz que é difícil resumir “34 anos de carreira em 3 minutos”. Sergio, o filme do diretor Greg Barker e lançado pela Netflix, tem quase duas horas para fazer esse mesmo relato e ainda assim sofre com essa dificuldade. Barker já realizou, há alguns anos, um documentário sobre o diplomata brasileiro, uma das figuras mais importantes da história recente da ONU – o qual, confesso, não assisti. Mas é seguro dizer que o documentário provavelmente deve ser mais interessante que esta biopic bem tradicional. Sergio não chega a ser um filme ruim, mas é um que segue a cartilha do filme biográfico à qual já nos acostumamos. E seguir cartilha é, muitas vezes, a morte da arte.

O roteiro do longa até faz uso de uma moldura dramática interessante: o filme se inicia pelo fim – aviso de SPOILER de um fato real bem conhecido e que teve ampla repercussão mundial – em 19 de agosto de 2003, quando a sede da ONU em Bagdá, na qual Sérgio trabalhava, foi alvo de um atentado à bomba. Preso debaixo dos escombros, o protagonista relembra sua vida enquanto aguarda o resgate: Não dizem que a vida de alguém passa diante de seus olhos nessas horas? Ele relembra sua atuação no Timor Leste; seu envolvimento no Iraque logo após a invasão norte-americana que tirou Saddam Hussein do poder; e quando conheceu Carolina, uma economista argentina que virou seu grande amor.

O grande trunfo do filme de Barker é ter nos papeis principais de Sérgio e Carolina simplesmente Wagner Moura (“Tropa de Elite“) e Ana de Armas (“Entre Facas e Segredos“). Eles carregam o filme nas costas e quase, quase conseguem suplantar as limitações do roteiro e da montagem. Afinal, a estruturação em flashbacks ao longo do filme mais atrapalha do que ajuda o drama: A sensação às vezes é de pularmos de uma vinheta para outra de maneira meio aleatória, sem uma justificativa clara dentro da narrativa.

SINCERIDADE X PREGUIÇA

“Sérgio” é pouco profundo também. Uma cena no meio dele, com Sérgio no Brasil tentando passar um tempo com seus filhos e comendo moqueca, parece meio jogada na narrativa, apenas para fornecer um pouco de conflito e não deixar o protagonista “perfeito” demais. Aliás, o retrato dele no filme parece idealizado: o Sérgio que vemos nele é heroico, estratégico, luta pelo que é certo, sacrifica a própria felicidade para ajudar a resolver conflitos pelo mundo, e ainda é um cara romântico; e tudo isso torna Sergio, o filme, algo quase como uma hagiografia. E nunca chegamos realmente a compreendê-lo ou o que o movia, além desse retrato de “um sujeito muito legal”.

São os dois astros, com suas composições, que elevam o filme em alguns momentos. Wagner Moura aproveita as oportunidades que o roteiro lhe dá e domina todas as cenas, e em várias delas conquista o espectador, mesmo debaixo de entulho. E Ana de Armas está bem cativante, prosseguindo na sua boa fase. Ela tem uma boa química com Moura e traz doses de sagacidade ao papel, levantando-o, já que em essência ele não foge muito do clichê do interesse romântico do filme biográfico. Em dado momento, um dos melhores do filme, a vemos pelo ponto de vista de Sérgio, e a atriz hipnotiza a câmera.

É graças a eles que Sergio é um filme… bom. É bem produzido, e se você quiser conhecer a história dessa figura tão importante para diplomacia mundial das ultimas décadas, ele se presta a este objetivo. Só se lamenta a falta de profundidade da empreitada como um todo, ou a sensação de preguiça que domina a narrativa. Desde que o filme começa, já sabemos tudo o que vai acontecer nele, e esse fato não necessariamente decorre da história ser baseada em fatos reais. O problema é realmente o clichê, a cartilha, o formato que busca emocionar o espectador acima de tudo, em detrimento de profundidade ou ao menos um pouquinho de inovação. É um filme sincero, assim como os desempenhos dos seus astros, mas só essa sinceridade não consegue vencer a preguiça…

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...