O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete a “A Ponta de Um Crime”, longa de estreia dele, e faz o melhor uso possível de seu elenco estelar. 
 
Enquanto “A Ponta de um Crime” mostrou Johnson transpondo o cinema noir e as histórias de detetive para um ambiente colegial, “Entre Facas e Segredos” vê o cineasta reescrevendo Agatha Christie nos Estados Unidos de Trump. O filme, exibido em sessões lotadas no festival de Toronto, onde estreou, e de Londres, traz o humor, sempre presente na obra de Johnson, como espinha dorsal definitiva. 

Nele, o célebre autor de suspenses Harlan Thrombey (Christopher Plummer) aparece com a garganta cortada na manhã seguinte ao seu aniversário de 85 anos. A tese primária da polícia é suicídio. Pelo menos até a chegada de Benoit Blanc (um hilário Daniel Craig), detetive contratado anonimamente para investigar o caso.  
 
Como era de se esperar, Blanc vai descobrindo que, durante a festa da noite anterior, a maioria dos membros da família teve algum tipo de briga séria com Harlan, e todos na casa se tornam suspeitos em potencial. Mesmo usando elementos conhecidos, “Entre Facas e Segredos” brinca com as expectativas dos espectadores a cada instante, fazendo com que a morte de Harlan passa a ser um detalhe em um contexto muito mais amplo. 

DIVERSÃO COM ACIDEZ CRÍTICA 

Ainda que todo o elenco – que inclui Jamie Lee Curtis, Michael Shannon e Toni Collette – esteja em ótima forma, Ana de Armas merece um reconhecimento especial por sua performance como Marta Cabrera, a enfermeira responsável pela saúde do patriarca. 
 
Como no Brasil, ela é a pessoa chamada de “quase da família”, mas que vê a real face da convivência nos detalhes. Todos dizem respeitá-la, mas não se lembram de que país sul-americano sua família vem. Apreciam o seu trabalho, mas acreditam veladamente que a mãe dela, imigrante ilegal, deveria ser deportada. 
 
O melhor desse subtexto é como Johnson o usa, juntamente com outros, para tratar de uma questão imperativa na produção: a legitimidade. Quando Marta é incluída no testamento de Harlan, a família questiona se ela tem direito a isso; quando Blanc começa a chegar perto de verdades incômodas, os presentes questionam se ele pode, na capacidade de investigador privado, estar no caso. 
 
“Entre Facas e Segredos” consegue trabalhar tudo isso em meio a uma história tradicional, homenageando um gênero estabelecido, mas trazendo-o com firmeza para os tempos atuais. O mistério em si é, nas palavras do detetive, algo como uma série de eventos com um buraco no meio – ou, como ele compara logo depois, “uma rosquinha”. Quem saboreia é o público. 

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

Festival de Londres 2020: Parte 2 – Almodóvar intenso e Spike Lee histórico

Caio Pimenta segue a conversa com o correspondente europeu do Cine Set, Lucas Pistilli, sobre o Festival de Londres 2020 destacando os novos filmes de Pedro Almodóvar e Spike Lee.  https://www.youtube.com/watch?v=z-NCqSVhUnA

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...