“The Father”, novo filme dos diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foi o vencedor do Globo de Cristal, prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. A produção búlgara acompanha a história de Vasil, um homem de idade avançada que acaba de perder sua esposa, Ivanka. Quando uma mulher chega ao funeral afirmando que a falecida está ligando para seu celular, Vasil decide alistar uma medium para contatar Ivanka.

Kristina e Petar conversaram com o Cine Set sobre a inspiração para o longa e como é ser artista na Bulgária atualmente. 

Cine Set – Em entrevistas anteriores, vocês mencionaram que os primeiros dois filmes da carreira, “A Lição” (2014) e “Glory” (2016), foram planejados como parte de um trilogia baseada em histórias encontradas em jornais. Porém, na divulgação de “Glory”, vocês deixaram em aberto a possibilidade do seu próximo longa ser fora desta proposta. Afinal, “The Father” se encaixa em qual das duas alternativas? 

Kristina Grozeva – “The Father” é um projeto paralelo. Foi uma pequena quebra na trilogia. Agora, continuaremos a trabalhar na terceira parte dela, intitulada “Triumph”.

Petar Valchanov – Esperamos iniciar as gravações no ano que vem, agora que ganhamos do Centro Nacional de Cinema [da Bulgária].

Cine Set – “The Father” possui muitos elementos de comédia em comparação às suas produções anteriores. O que os levou a explorar esta vertente?

Petar Valchanov – Uma razão foi o fato de que a base da história era muito triste – algo que poderia acontecer com qualquer um. Por isso, decidimos contá-la a partir de um ponto de vista engraçado. Também queríamos explorar essa mistura de gêneros e esperamos repetir isso no futuro.

Cine Set – Em pequenas cenas, “The Father” parece fazer comentários sobre aspectos do pós-comunismo no governo e na vida búlgara. Eles são periféricos ao enredo, mas o espectador pode percebê-los. Essas reflexões sobre a herança da era comunista foram intencionais?

Kristina Grozeva – Sim. Construir personagens complexos e incluir muitos aspectos das suas vidas na história era importante para nós. O processo criativo buscou fazer algum tipo de registro da nossa realidade. Foi crucial colocar essas reflexões no filme. No entanto, fomos muito cuidadosos para não priorizar este tópico, afinal, a relação entre pai e filho, no nível pessoal, era mais importante.

Petar Valchanov – O contexto social faz parte dos personagens. Tentamos não colocar isso no centro do filme, mas, sim de forma orgânica dentro da história.

Cine Set – A maioria dos personagens do filme são artistas. Como foi o processo para criar esta visão particular dos artistas de hoje em dia na Bulgária?

Kristina Grozeva – Decidimos que os personagem seriam artistas pelo fato de estarmos inseridos neste meio e essa ser a nossa profissão, o que torna tudo mais honesto…

Petar Valchanov – … e fala sobre pessoas que conhecemos. É parte do nosso background e essa é uma história pessoal. Para nós, era muito importante conhecer essas pessoas.

Cine Set – Algo impressionante em “The Father” é que os artistas em seu roteiro não são nem burgueses nem hippies. Eles parecem ser, por falta de uma palavra melhor, da classe trabalhadora. Como você mencionou que esta é uma história pessoal, a idéia de um artista da classe trabalhadora está presente em sua vida ou na Bulgária em geral?

Petar Valchanov – Na Bulgária, é muito estranho e, para nós artistas, tudo é muito difícil. Talvez seja em todo lugar do mundo, mas…

Kristina Grozeva – …na Búlgaria, é ser artista é um tipo de punição.

Petar Valchanov – Sim, muitos familiares dizem: “Esqueça essa história de ser músico, ator…”

Cine Set – Voltando à história do filme, como ela surgiu?

Kristina Grozeva – “The Father” é baseado em um fato que realmente aconteceu na nossa família. Depois do funeral da mãe de um parente, um vizinho apareceu apavorado e disse: “Sua mãe está me ligando!”. Olhamos o telefone e vimos o nome, a data e o horário da ligação. Ele disse que a ligação ocorrera há dois minutos, sendo que ela tinha sido enterrada três horas antes. Ficamos impressionados e começamos a acreditar que era uma situação sobrenatural. Talvez ela quisesse entrar em contato conosco e dizer algo, mas, depois de alguns minutos, descobrimos uma razão lógica para aquilo ter acontecido. Este foi o gatilho para a trama.

Petar Valchanov – É muito dramático viver estes momentos, mas, com o tempo e a distância, eles acabam se tornando totalmente absurdos e engraçados. Daí, começamos a pensar: “E se formos mais longe com esta história?”

Kristina Grozeva – A relação entre pai e filho foi construída baseada no que vimos ao nosso redor. Acho que é um assunto importante a ser falado. É fundamental tentarmos nos conectar mais e resolver os nossos problemas da melhor forma possível. Acreditamos que essas coisas [disse apontando para um celular] nos conectam, mas, muitas vezes, elas acabam sendo obstáculos na comunicação. É por isso que a falta de comunicação se tornou um dos principais assuntos de “The Father”.

Cine Set – Houve um desejo de usar o aspecto cômico da história como uma maneira de falar sobre o luto e as maneiras como o processamos?

Kristina Grozeva – Fizemos este filme como uma espécie de psicoterapia. Por isso, “The Father” mostra momentos tristes com humor. Esperamos que o público sinta este mesmo efeito porque todos possuem experiências semelhantes. Se algum sortudo ou sortuda nunca passou por isso, infelizmente, ele ou ela passarão. É algo que não podemos evitar e, por isso, tão necessário de se conversar e debater.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

Michel Guerrero e as memórias da infância no Cine Carmen Miranda

Michel Guerrero possui uma longa carreira no teatro manauara, incluindo sua personagem mais famosa, Lady Park. Agora, ele revive sua paixão de infância pelo cinema para produzir seu primeiro curta-metragem como diretor, “Cine Carmen Miranda”. Partindo de uma narrativa...

Cláudio Bitencourt e Diego Lopes: “o talento do Marco Ricca elevou ainda mais ‘Lamento’”

Glamourosos e com uma diversidade de gente de todos os tipos entre hóspedes e clientes, hotéis sempre foram locais adorados por roteiristas e diretores para ambientarem suas produções. De Edmund Goulding em "O Grande Hotel" (1932) ao clássico "O Iluminado", de Stanley...

Daniel Nolasco: ‘A História brasileira ressignificou ‘Vento Seco’’

"Vento Seco" estreia no circuito comercial dos cinemas brasileiros em um mundo bem diferente de quando foi formulado inicialmente lá no longuíquo 2013. A chegada de um governo de extrema-direita ao poder e todo o preconceito contra minorias trazido por ele coloca...

Ignacio Rogers: ‘’O Diabo Branco’ mostra como as feridas da colonização seguem abertas’

 Com uma trajetória na carreira de ator iniciada em 2005, o argentino Ignacio Rogers resolveu se aventurar na direção de longas-metragens neste ano com “O Diabo Branco”. A produção em cartaz nos cinemas brasileiros toca em pontos sensíveis da colonização...

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...