Vivemos numa época curiosa, mesmo… Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores Jacques Lob, Benjamin Legrande e Jean-Marc Rochette. Atualmente, presume-se, a maior parte das pessoas está isolada (ou deveria estar), as estruturas sociais e econômicas do mundo estão abaladas, e não sabemos muito bem o que o futuro nos reserva. É a época perfeita para uma história apocalíptica sobre a humanidade confinada num espaço limitado.

Felizmente, a julgar pelo visto nos dois primeiros episódios, a versão para TV de Expresso do Amanhã parece promissora. O cenário é o mesmo do filme: Mudanças climáticas transformaram a Terra num deserto gelado, e sete anos depois, o que sobrou da raça humana está confinado num trem chamado “Snowpiercer”, ou o “Perfura-neve”, com milhares de vagões, e que prossegue em eterno movimento ao redor do globo. Os que moram na rabeira do trem são os lascados, com poucos recursos e amontoados em vagões escuros. Já mais para frente, existe uma terceira, segunda e uma primeira classe, e quanto mais perto da locomotiva do trem, mais os moradores vivem em luxo e opulência.

O cenário é o mesmo, mas a história em si é diferente. O filme mostrava uma revolução, com o pessoal dos últimos vagões se rebelando e prosseguindo em direção à locomotiva, liderados pelo personagem de Chris Evans. O primeiro episódio até parece que vai seguir pelo mesmo caminho, quando somos jogados numa tangente: Enquanto a revolta esquenta no fundo do trem, um dos “fundistas”, Layton (interpretado por Daveed Diggs), que era um detetive antes do fim do mundo, é chamado para investigar o assassinato de um cidadão da terceira classe. Ele se reporta à misteriosa sra. Cavill (Jennifer Connelly), uma personagem que, como podemos ver ao final do primeiro episódio, possui uma importância muito grande a bordo do trem, e que parece ser  outra inovação em relação ao filme.

LUMINOSIDADE NO LUGAR DA CLAUSTROFOBIA 

O temor dessa abordagem é transformar a série num tipo de programa investigativo, o que na TV americana conhecemos por procedural, aquele tipo de seriado de investigação tão presente na TV. Mas os produtores – dentre eles o próprio Bong Joon-Ho e seu amigo Park Chan-Wook, diretor de Oldboy (2003) – conseguem evitar isso, ao menos nesses dois primeiros episódios. Embora vejamos neles o começo da investigação de Layton, ainda percebemos o subtexto de sátira social e de luta de classes que energizava o filme de 2013. A mídia pode ter mudado, mas o equilíbrio da vida dentro do Snowpiercer ainda parece tão precário quanto no filme.

O que falta a estes episódios, no entanto, é um pouco mais daquela pegada claustrofóbica e tresloucada do filme. A série se mostra bem mais iluminada, e os espaços, mais amplos. Do ponto de vista técnico, a direção de arte e os efeitos visuais da série enchem os olhos – nestes dois episódios vemos cenários impressionantes, como o aquário, e a série já começa a expandir o mundo dentro do Snowpiercer com ambientes como um cabaré e o restaurante fino onde os ricos se deleitam. 

Obviamente, a vitória de Bong Joon-Ho no Oscar este ano por Parasita (2019) – outro que também vai inspirar uma série de TV em breve – aumentou o perfil desta produção. Mas, sem dúvida, a série tem uma pegada diferente do filme. Talvez seja compreensível – afinal, uma coisa é aguentar quase horas claustrofóbicas e insanas num filme, outra é experimentar isso numa temporada inteira de TV. Mas resta ver se essa abordagem não acabará diluindo o impacto e a força da história no decorrer da temporada.

É sabido que a série teve uma produção tumultuada, com o episódio-piloto sendo regravado e troca de produtores – Scott Derrickson, diretor de Doutor Estranho (2016), dirigiu o episódio inicial e depois deixou a série ao se desentender com os produtores. James Hawes regravou o piloto, a versão que “valeu”, mas Derrickson continua listado como produtor-executivo. No entanto, ainda é cedo para dizer se esses fatores terão influência no resultado final. No geral, estes dois primeiros episódios de Expresso do Amanhã são bem produzidos, bem conduzidos e ambos terminam com ganchos que prometem trazer desenvolvimentos interessantes à história. Diggs está bem como o herói, a presença gelada de Connelly domina a tela sempre que aparece, e há boas participações de atores que prometem ser interessantes, especialmente Alison Wright, o mais próximo da reptiliana personagem de Tilda Swinton que a série oferece, ao menos neste início. Estes dois episódios merecem ser chamados de promissores… E, estranhamente, estão fazendo muito sentido em 2020.

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...