Na minha crítica do oitavo episódio da temporada de Lovecraft Country, ressaltei como um evento real ditou o tom daquele segmento em particular. Pois neste nono episódio, intitulado “Voltando para 1921”, a série repete esse expediente, de forma até mais efetiva, ao situar sua história durante o terrível massacre de Tulsa, cidadezinha do estado norte-americano do Oklahoma, em 1921, e que recentemente voltou a ser lembrado e discutido devido à aclamada minissérie Watchmen, também da HBO. O resultado é um dos melhores episódios da temporada, se não for o melhor. (Leia mais sobre o massacre de Tulsa clicando aqui).

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

Pois bem, o fato é que, novamente, “Lovecraft Country” usa um evento real como pano de fundo e contexto dramático para a sua fantasia, fazendo uso do bom e velho expediente da viagem no tempo, tão comum nas pulp fictions, no cinema e seriados. Quando o episódio começa, nossos heróis estão tentando desesperadamente salvar a vida da pequena Diana, amaldiçoada pelos policiais racistas no episódio anterior. Com a dúbia Christina cada vez mais tecendo sua teia junto aos protagonistas, eis que retorna Hippolyta, após explorar os vários “multiversos”, segundo ela, para salvar a filha. Ela traça um plano arriscado que envolve mandar Tic, Letitia e Montrose pela máquina do portal de volta a 1921, justo na noite do massacre, para reaver o Livro dos Nomes e usá-lo para salvar Diana – e se possível, livrar a todos das enrascadas sobrenaturais de uma vez por todas.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

“Voltando para 1921” é um episódio nervoso e que passa rápido. O diretor Jeffrey Nachmanoff dirige as cenas com urgência, com muita câmera na mão. Afinal, os personagens estão correndo contra o tempo, e sentimos a história se mover como um trem-bala em direção ao final da temporada. À parte a viagem ao passado, duas cenas individuais se destacam: a primeira pelo tom bizarro e forte – o momento em que Christina se livra do maligno capitão de polícia de uma vez por todas. E a segunda, pelo tom emocional e pelas belas atuações de Jonathan Majors e Michael K. Williams – o momento em que Montrose confessa a Tic que George, na verdade, é que poderia ser o pai do rapaz.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

E de fato, é um episódio bastante emotivo, e o roteiro consegue aliar com grande competência o mergulho no contexto do evento real e o desenvolvimento dos personagens. Todos os momentos envolvendo Montrose, por exemplo, são de cortar o coração – como muitos filhos, Tic só percebe o drama que foi a vida de seu pai, e só compreende o porquê de algumas atitudes dele em relação ao filho, ao presenciar com os próprios olhos o contexto de onde Montrose veio, sofrendo ele próprio abuso físico do pai e enfrentando não só o racismo do mundo ao seu redor, mas também sua homossexualidade reprimida. Elogiar Michael K. Williams já virou chover no molhado, mas aqui ele é realmente magnífico de novo, a alma triste do episódio, e a encarnação das várias tragédias a que homens negros são submetidos nos Estados Unidos, ainda hoje.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

‘SEM CONSERTO’

Letitia também ganha uma porção forte do segmento ao ser confrontada com a missão de resgatar o Livro dos Nomes. Os roteiristas e produtores a usam aqui como símbolo da esperança: Mesmo em meio a um dos mais terríveis eventos de violência racial da história dos EUA, a imagem dela andando em meio aos bombardeios na rua principal da cidade é simplesmente arrepiante. Em meio à destruição e a tudo que os personagens e as pessoas reais em Tulsa sofreram, a série consegue encontrar beleza e um símbolo de esperança no clímax do episódio.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

“Voltando para 1921” é mais uma ótima hora de televisão, que entretém e mantém os telespectadores investidos com sua história fantasiosa de riscos claros e ritmo acelerado, na reta final da temporada. Tem grandes valores de produção e um elenco afiadíssimo com plena compreensão de seus personagens. Mas, para além do entretenimento, existe um núcleo trágico, muito triste, dentro deste episódio em particular. A viagem no tempo é popular como instrumento em histórias devido à nossa eterna fantasia de poder voltar e consertar o que deu errado, ou ir para frente para ver se tudo deu certo em nossas vidas. Em Lovecraft Country, esses aspectos estão presentes, mas Tic, Letitia e Montrose não podem consertar nada. Podem apenas resolver seu problema imediato e torcer pelo melhor. Apesar de eles viajarem no tempo, nada vai conseguir apagar o massacre de Tulsa. Pode-se apenas usar as histórias para relembrar e nos fazer refletir, e isso Lovecraft Country fez com muita qualidade em “Voltando para 1921”.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×06 / CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×07 / CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×08

E que venha o final da temporada…

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...