Na minha crítica do oitavo episódio da temporada de Lovecraft Country, ressaltei como um evento real ditou o tom daquele segmento em particular. Pois neste nono episódio, intitulado “Voltando para 1921”, a série repete esse expediente, de forma até mais efetiva, ao situar sua história durante o terrível massacre de Tulsa, cidadezinha do estado norte-americano do Oklahoma, em 1921, e que recentemente voltou a ser lembrado e discutido devido à aclamada minissérie Watchmen, também da HBO. O resultado é um dos melhores episódios da temporada, se não for o melhor. (Leia mais sobre o massacre de Tulsa clicando aqui).

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

Pois bem, o fato é que, novamente, “Lovecraft Country” usa um evento real como pano de fundo e contexto dramático para a sua fantasia, fazendo uso do bom e velho expediente da viagem no tempo, tão comum nas pulp fictions, no cinema e seriados. Quando o episódio começa, nossos heróis estão tentando desesperadamente salvar a vida da pequena Diana, amaldiçoada pelos policiais racistas no episódio anterior. Com a dúbia Christina cada vez mais tecendo sua teia junto aos protagonistas, eis que retorna Hippolyta, após explorar os vários “multiversos”, segundo ela, para salvar a filha. Ela traça um plano arriscado que envolve mandar Tic, Letitia e Montrose pela máquina do portal de volta a 1921, justo na noite do massacre, para reaver o Livro dos Nomes e usá-lo para salvar Diana – e se possível, livrar a todos das enrascadas sobrenaturais de uma vez por todas.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

“Voltando para 1921” é um episódio nervoso e que passa rápido. O diretor Jeffrey Nachmanoff dirige as cenas com urgência, com muita câmera na mão. Afinal, os personagens estão correndo contra o tempo, e sentimos a história se mover como um trem-bala em direção ao final da temporada. À parte a viagem ao passado, duas cenas individuais se destacam: a primeira pelo tom bizarro e forte – o momento em que Christina se livra do maligno capitão de polícia de uma vez por todas. E a segunda, pelo tom emocional e pelas belas atuações de Jonathan Majors e Michael K. Williams – o momento em que Montrose confessa a Tic que George, na verdade, é que poderia ser o pai do rapaz.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

E de fato, é um episódio bastante emotivo, e o roteiro consegue aliar com grande competência o mergulho no contexto do evento real e o desenvolvimento dos personagens. Todos os momentos envolvendo Montrose, por exemplo, são de cortar o coração – como muitos filhos, Tic só percebe o drama que foi a vida de seu pai, e só compreende o porquê de algumas atitudes dele em relação ao filho, ao presenciar com os próprios olhos o contexto de onde Montrose veio, sofrendo ele próprio abuso físico do pai e enfrentando não só o racismo do mundo ao seu redor, mas também sua homossexualidade reprimida. Elogiar Michael K. Williams já virou chover no molhado, mas aqui ele é realmente magnífico de novo, a alma triste do episódio, e a encarnação das várias tragédias a que homens negros são submetidos nos Estados Unidos, ainda hoje.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

‘SEM CONSERTO’

Letitia também ganha uma porção forte do segmento ao ser confrontada com a missão de resgatar o Livro dos Nomes. Os roteiristas e produtores a usam aqui como símbolo da esperança: Mesmo em meio a um dos mais terríveis eventos de violência racial da história dos EUA, a imagem dela andando em meio aos bombardeios na rua principal da cidade é simplesmente arrepiante. Em meio à destruição e a tudo que os personagens e as pessoas reais em Tulsa sofreram, a série consegue encontrar beleza e um símbolo de esperança no clímax do episódio.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

“Voltando para 1921” é mais uma ótima hora de televisão, que entretém e mantém os telespectadores investidos com sua história fantasiosa de riscos claros e ritmo acelerado, na reta final da temporada. Tem grandes valores de produção e um elenco afiadíssimo com plena compreensão de seus personagens. Mas, para além do entretenimento, existe um núcleo trágico, muito triste, dentro deste episódio em particular. A viagem no tempo é popular como instrumento em histórias devido à nossa eterna fantasia de poder voltar e consertar o que deu errado, ou ir para frente para ver se tudo deu certo em nossas vidas. Em Lovecraft Country, esses aspectos estão presentes, mas Tic, Letitia e Montrose não podem consertar nada. Podem apenas resolver seu problema imediato e torcer pelo melhor. Apesar de eles viajarem no tempo, nada vai conseguir apagar o massacre de Tulsa. Pode-se apenas usar as histórias para relembrar e nos fazer refletir, e isso Lovecraft Country fez com muita qualidade em “Voltando para 1921”.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×06 / CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×07 / CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×08

E que venha o final da temporada…

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...