Diretor de títulos como ‘O Profissional’ e ‘O Quinto Elemento’, Luc Besson chamou atenção para sua carreira como cineasta na década de 1990, se tornando um dos nomes mais promissores da época. Apresentando alguns trabalhos medianos até 2010, suas produções mais recentes ‘Lucy’ e Valerian e a Cidade dos Mil Planetas obtiveram uma recepção negativa de público e crítica. Para completar este hall ‘Anna’ confirma que o diretor francês precisa de uma reinvenção urgentemente.

Demonstrando muitas semelhanças com ‘Nikita’ (outro clássico de Besson), ‘Anna’ apresenta sua personagem-título como alguém que repetitivamente busca sua liberdade, a qual é constantemente negada por diferentes pessoas. Nesta trajetória, Anna (Sasha Luss) se torna modelo ao mesmo tempo em que trabalha para o serviço secreto russo KGB, após ter sido treinada pela organização para realizar execuções.

Para entender a vida da protagonista, “Anna – O Perigo tem Nome” aproveita diferentes linhas temporais de sua trajetória. Esta escolha se torna o grande erro da produção, pois, o público não apenas tem conhecimento de que períodos distintos estão sendo apresentados, como o diretor faz questão de marcar as datas diversas vezes no longa. Esta característica fica ainda pior quando o filme precisa voltar em algum momento já visto para revelar um plot twist plantado desde o princípio.

Além de ser desnecessário explicar a cronologia do longa de forma tão detalhada, também é extremamente cansativo. Esta parece uma escolha preguiçosa de Besson em sair datando cada acontecimento, o que poderia ter sido feito de forma mais sutil por meio da montagem, por exemplo.

Elenco mal aproveitado

Outra péssima escolha de Besson é insistir em colocar um elenco americano para interpretar russos. Luke Evans e Helen Mirren são totalmente desperdiçados na narrativa e ainda precisam forçar o sotaque que, vez ou outra, acaba esquecido por Evans. A veterana Mirren, inclusive, até consegue ser a melhor personagem deste elenco secundário, principalmente, por sua relação com Anna, mas também não consegue escapar de diálogos bregas.

Apesar da falta de carisma, a russa Sasha Luss consegue convencer em seu papel como protagonista, entretanto, a construção da personagem fracassa no aprofundamento. Mesmo sendo claro para o público quem é Anna e qual seu objetivo de vida, ela não consegue se relacionar com o espectador ou fazê-lo criar empatia por sua história. Isto se deve principalmente aos diferentes desempenhos com cada núcleo que interage: além de modelo, a personagem é espiã para a KGB e, posteriormente, passa a trabalhar para o governo americano.

Assim, ao invés de aprofundar nos dramas particulares de Anna, o filme a coloca como uma espiã matadora e sedutora. Sim, além de se envolver profissionalmente com duas corporações inimigas, Anna também tem tempo para se relacionar com o russo Alex Tchenkov (Luke Evans), o americano Lenny Miller (Cillian Murphy) e a modelo francesa Maud (Lera Abova). Todas relações são bem descartáveis para a trama na verdade, servindo apenas para justificar alguns momentos e revelações.

Mas, entre toda trama superficial e cansativa algo chama atenção do público: as cenas de luta. Besson traz toda a pegada de ação para a produção com cenas bem construídas, coreografadas e sem grandes erros de continuidade. São estes momentos que conseguem criar uma tensão maior para o filme e motivar o espectador a não desistir da trama, entretanto, com a diminuição destas cenas no desfecho, o longa volta a soar desinteressante e repetitivo.

Em linhas gerais, ‘Anna – O Perigo tem Nome’ tenta se aproximar de ‘Nikita’, mas herda todos os defeitos de ‘Lucy’: uma história desinteressante recheada de problemas no roteiro. É verdadeiramente uma pena ver que um diretor com tanto potencial como Luc Besson não está conseguindo “se encontrar” à frente de seus últimos projetos. Entretanto, a essência de seu trabalho, mesmo que escondida em poucas cenas de ação, ainda resiste apesar dos anos.

‘Ninguém Sabe que Estou Aqui’: surpresa chilena revela-se um tesouro na Netflix

Em “Ninguém Sabe que Estou Aqui”, seu longa de estreia na direção, o chileno Gaspar Antillo nos surpreende com uma bela e melancólica história sobre abusos na indústria fonográfica, sonhos não realizados e aceitação própria. Além de possuir uma narrativa bem...

‘A Febre’: a luta contra a dizimação de todos os tipos

“A Febre” é um filme de luta. Não aquela luta física de um John McClane ou John Wick com socos, pontapés e tiros a todo instante, mas, sim uma resistência à tentativa de dizimação identitária, cultural e de valores.   Esta resistência atende pelo nome de Justino...

‘Três Verões’: efeitos da Lava Jato encontram Regina Casé brilhante

A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários...

‘7500’: metade final frustra suspense razoável

Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados...

‘Piedade’: resistência através da dor em delicado filme

Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme...

‘A Vastidão da Noite’: ode a ‘Além da Imaginação’ e ao ato de contar histórias

Que filme curioso é este A Vastidão da Noite, do diretor Andrew Patterson, disponível no Amazon Prime Video. Parece um episódio da clássica série Além da Imaginação (The Twilight Zone) em longa-metragem, colorido, e cheio de falatório, quase como uma obra de Richard...

‘Shirley’: os efeitos do machismo na vida de mulheres fantásticas

O que motiva um escritor? Como funciona seu processo criativo? Essas e outras perguntas encontram respostas em “Shirley”, drama psicológico dirigido por Josephine Decker e estrelado por Elisabeth Moss. O filme aborda o processo de escrita e questões de gênero. A...

‘365 Dias’: castigo cinematográfico da quarentena

Ruim, negligente e problemático.  Com a missão de falar sobre a nova atração da Netflix, ‘365 Dias’, não encontro melhores palavras que estas para apresentar o longa - apesar de “pior filme de 2020” também ser uma boa opção. Baseado no romance homônimo da...

‘Destacamento Blood’: Spike Lee expõe feridas da guerra e do racismo

“Os irmãos não morrem, se multiplicam”. A questão racial é uma das fortes pautas atuais e o cinema como manifestação artística tem muito a dizer sobre isso. Utilizando abordagens distintas, vários diretores discutem essa mazela social: Ava Duvernay (“Selma” e “A 13ª...

‘Come to Daddy’: comédia e horror se cruzam em divertido reencontro familiar

O veterano produtor Ant Timpson estreia na direção com “Come to Daddy”, uma enérgica comédia com toques de terror que transita livremente por diferentes gêneros de gênero, criando um híbrido potente e fresco. Com trinta e poucos anos, Norval (Elijah Wood, o Frodo de...