A busca pela realização de um sonho é um tema bastante recorrente no cinema, especialmente em Hollywood. Ao adotar um tom mais realista, fugindo dos clichês e invertendo as expectativas do público, o filme britânico “As Loucuras de Rose” (“Wild Rose”, no original em inglês) torna-se um ponto fora da curva. E é justamente por isso que o longa independente vem colecionando elogios da crítica desde sua estreia no Festival de Toronto de 2018.

Com uma direção sensível de Tom Harper, o enredo conta a história da jovem Rose-Lynn Harlan (Jessie Buckley), recém-saída da prisão após ter cumprido pena de um ano por porte de narcóticos. Aos 23 anos de idade e com dois filhos para criar, seu sonho é sair da cidade escocesa de Glasgow e se tornar uma famosa cantora de country em Nashville, Tenessee (EUA).

Porém, Rose-Lynn é forçada por sua mãe, Marion (a duas vezes indicada ao Oscar, Julie Walters) a encarar responsabilidades mais urgentes e arruma um emprego como diarista em uma mansão. O que a moça não esperava é que iria surgir em seu caminho alguém disposto a investir em seu sonho, o que faz com que ela tenha de escolher entre a família e o estrelato.

“SE VOCÊ TEM VOZ, TEM ALGO A DIZER”

O roteiro escrito por Nicole Taylor guarda algumas semelhanças com o sucesso hollywoodiano “Nasce Uma Estrela”, no qual a protagonista Ally (Lady Gaga) batalha pelos mesmos objetivos. A diferença é que, em “As Loucuras de Rose”, a aspirante a cantora não encontra um par romântico e nem o seu sucesso chega de forma tão grande e meteórica.

A roteirista acerta em dar todo o protagonismo para a figura feminina. Os homens não tem muita importância na história e nenhuma mulher depende deles para nada. Rose os enfrenta de igual para igual e não leva desaforo para casa; sua mãe é uma viúva que segura sozinha a barra de trabalhar fora e ainda cuidar dos netos enquanto a filha está presa; e sua patroa é retratada como uma mulher negra e bem-sucedida, algo não muito comum no cinema.

É válido mencionar a conturbada relação de Rose e Marion, que culmina em um emocionante momento de reconciliação entre mãe e filha no ato final. Ponto para o desempenho brilhante de Julie Walters, que consegue deixar sua marca nas poucas cenas em que aparece.

Por outro lado, a história peca em retratar a maternidade de Rose como um grande empecilho para sua realização profissional, algo discutível. Também chega a soar inverossímil a generosidade de Susannah (Sophie Okonedo), patroa da protagonista. A narrativa ganha contornos de contos de fadas às avessas quando a patroa acredita tão rapidamente no potencial de sua empregada que se empenha em ajudá-la a realizar o seu sonho.

UMA FORÇA CHAMADA JESSIE BUCKLEY

Revelada em um show de talentos britânico e destaque da série “Chernobyl” (HBO, 2019), a cantora e atriz irlandesa Jessie Buckley defende sua anti-heroína com uma força avassaladora. Repleta de nuances, Rose é determinada e, em outros momentos, totalmente perdida. Muitas vezes direta e grosseira, mas, igualmente, tímida e sensível. Sua devoção pelo country está estampada na pele: ela carrega tatuada no braço a frase “três acordes e a verdade”, definição do célebre compositor Harlan Howard para o gênero country.

Pelo papel, Jessie Buckley recebeu uma indicação ao BAFTA, venceu prêmios nos festivais de Dublin e Newport, e já é uma das possíveis candidatas ao Oscar 2020. Ao cantar ao vivo praticamente todas as faixas da trilha sonora, que mescla repertórios de artistas consagrados e canções originais como a belíssima “Glasgow (No Place Like Home)”, Jessie se aproxima do estilo de ícones como Dolly Parton, Patsy Cline e Loretta Lynn.

Inclusive, é impossível assistir “As Loucuras de Rose” sem notar referências à cinebiografia de Loretta, “O Destino Mudou a Sua Vida (Coal Miner’s Daughter)”, que rendeu o Oscar para a performance antológica de Sissy Spacek em 1981.

Merece destaque a fotografia de George Steel, que trabalha com cores vibrantes que envolvem o espectador, principalmente nas cenas em que a protagonista solta a voz nos palcos. Os planos fechados ajudam a aumentar a intimidade com os personagens e seus dramas.

No Brasil, o filme está em cartaz nos cinemas desde o dia 3 de outubro pela distribuidora Diamond Films. Como é comum por aqui, o título original “Wild Rose” (rosa selvagem, em tradução literal) foi pessimamente traduzido. Primeiro, porque “As Loucuras de Rose” remete à comédia, coisa que o filme está longe de ser. E também por não combinar com a personagem, já que de louca ela não tem nada, apenas insiste em se rebelar contra os padrões que tentam lhe impor.

A despeito disso, “As Loucuras de Rose” é um pequeno e poderoso drama musical sobre sonhos e renúncias, que deixa um recado àqueles que almejam chegar a um lugar que, em princípio, parece impossível: “quando você enfia algo na cabeça, pode fazer qualquer coisa.”

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...