“Não fazes favor nenhum em gostar de alguém, nem eu”

Isabel Coixet escolhe a canção interpretada por Nana Caymmi para finalizar seu mais recente trabalho: “Elisa e Marcela”. Disponível no catálogo da Netflix, a produção se baseia na história real de duas mulheres que vivem um romance na Espanha de 1901.

A trama acompanha Elisa Loriga (Natalia Molina) e Marcela Ibeas (Greta Fernández). As duas se conhecem enquanto estão na formação para professoras e desenvolvem um sentimento tão forte, a ponto de anos depois, Elisa usar a identidade de um primo falecido para poder se casar com Marcela.

A narrativa de “Elisa e Marcela” consegue ser eficaz em colocar as duas personagens centrais com personalidades distintas. De um lado, há Marcela que não abraça porque nunca foi abraçada na infância. Abandonada pelos pais, morou em um orfanato até os 10 anos de idade, quando eles ressurgem e a buscam. Mesmo assim, é perceptível a falta de afeto em seu lar. Em contraponto, apresenta-se Elisa: criada pela tia, ela é corajosa, impetuosa e está disposta a correr todos os riscos para viver ao lado da pessoa que ama. Elas carregam uma tensão sexual e uma proximidade emocional expressa por pequenos gestos e olhares.

VAZIO ECOA DENTRO DE BELA PROPOSTA

O problema é que, apesar dessa distinção, ambas carecem de tridimensionalidade. E isso reverbera na profundidade do filme como um todo. O desenvolvimento da trama é lento. A relação entre as personagens na primeira hora de projeção busca levar o público a se aproximar e criar empatia pelo romance. Coixet conduz o espectador por uma poesia que, às vezes, é erótica, mas, na maior parte do tempo, se torna apenas maçante. Um exemplo disso está na fotografia de Jennifer Cox.

Enquanto nas cenas de sexo, os ângulos escolhidos são dignos de quadros artísticos renascentistas, remontando a composições poéticas e cheias de afeto; ao sair desse momento íntimo, a atmosfera dramática e pesada perde o primor imagético acurado que fora presenciado outrora. É como se a beleza estivesse apenas no romance e a poesia só pertencesse a Elisa e Marcela.

Isso torna opaco o pequeno vilarejo espanhol de onde a história flui. A escolha de rodá-lo em preto e branco procura reverberar um tempo distante e sombrio, mas, a ausência de profundidade em captar as outras personas deixa esse clima apenas na proposta. Parte disso se deve, também, a trilha sonora, responsável por criar uma espécie de suspensão da realidade para aquele momento específico.

A impressão que “Elisa e Marcela” transmite é que Isabel Coixet trouxe uma narrativa de um tempo distante para exemplificar como o preconceito busca eliminar sentimentos sinceros quando não se encaixam no padrão estipulado pela sociedade. É uma pena que nesse caminho ela tenha derrapado na proposta.

Três Razões para Assistir ‘Jeannette: A Infância de Joana D´Arc’, de Bruno Dumont

A mítica figura de Joana D'Arc sempre mexeu com o imaginário coletivo, seja pelas inúmeras retratações na arte da sua breve mas intensa vida, como pela fascinação instantânea com ela. Nessa nova representação feita cineasta Bruno Dumont, de "Camille...

Três razões para assistir ‘Frost’, de Sharunas Bartas

Último filme do cineasta lituano Sharunas Bartas, o drama político "Frost" acompanha dois jovens em uma viagem que expõe os horrores da guerra no país próximo. Como favor a um amigo, Rokas se compromete em transportar uma van com ajuda humanitária até a...

‘Ela Quer Tudo’: estreia de Spike Lee na direção permanece atual

No cinema, não existe nada mais incrível do que assistir uma obra realizada no passado e que dialoga – muito bem, diga-se de passagem - com os dias atuais. Você para, analisa e pensa: como é que um filme feito há anos, reproduz tão bem na sua essência,...

‘Procura-se Amy’: uma bela e sensível comédia dramática feita com o coração

“Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração...e quem irá dizer que não existe razão”. Os versos da letra de Eduardo e Mônica, do grande Renato Russo não apenas dialogam muito bem com Procura-se Amy, terceiro filme de Kevin Smith,...

‘Ação Entre Amigos’: Filme completa 20 anos e tema continua atual

Lançado em 1998, o filme ‘Ação entre amigos’ é o segundo filme dirigido por Beto Brant e sua segunda colaboração com o roteirista Marçal Aquino. Desde os primeiros minutos, através de interessantes créditos iniciais, podemos notar que o filme que vai falar de passado,...

‘A Lei dos Marginais’: a selva urbana diabólica dos filmes policiais

Para o cineasta norte-americano Samuel Fuller, as cores no cinema sempre deram vida a sétima arte. Para ele, contudo, é o preto e branco que é o responsável pelo realismo das coisas. A Lei dos Marginais (1961), reproduz não apenas esta visão fidedignamente como é a...

‘Iracema, uma Transa Amazônica’: o relato de um Brasil selvagem

Como é pensar a Amazônia no século XXI? Para nós que estamos inseridos nesse contexto de capitalismo selvagem em produção contínua da capital, a realidade fora do polo urbano parece uma mera visão arcaica de um Brasil-memória. Ver a Amazônia ainda é criar um...

‘Profissão Ladrão’: grande exercício policial perdido na década de 80

Na década de 80, diretores americanos como William Friedkin, Walter Hill e John MacTiern transformaram o cinema policial em principal herdeiro da estrutura dos faroestes clássicos. A partir dai, este subgênero cinematográfico se tornou frenquentemente apreciado nas...

‘Cão Branco’: um filme maldito, mas uma poderosa obra anti-racista

Samuel Fuller entra facilmente no Hall de diretores desprezados no mundo cinematográfico. Em suas mãos, temas rotineiros ganham ótimos contornos dramáticos enquanto ideias triviais se transformam em virtudes. Martin Scorsese falou que o cinema de Fuller é aquele que...

‘The Cakemaker’: belo drama sobre dilemas morais do luto e sexualidade

Um executivo entra em um pitoresco café em Berlim e pede um doce que sempre leva dali para a mulher. Solícito, o confeiteiro o serve e acaba envolvido em uma conversa. O executivo, então, lhe pede ajuda para escolher um presente para o filho quando o atendente...