As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por isso que, especialmente dos anos 1980 em diante, é possível observar referências as suas produções nas mais diversificadas comédias românticas. Em “Mensagem Para Você”, de Nora Ephron, é possível, por exemplo, perceber uma atualização de “A Loja da Esquina”, comédia de 1940 estrelada por James Stewart e Margaret Sullavan.

Baseado na peça homônima de Miklós Laszló, a trama acompanha Alfred Kralik (Stewart), vendedor experiente da Matuschek, uma loja de presentes de Budapeste. Kralik se corresponde anonimamente com uma jovem, sem saber que esta é Klara Novak (Sullavan), a recém contratada vendedora da loja com quem ele não tem um relacionamento amistoso. A ambientação da película se passa, na maior parte, dentro da loja, o que possibilita conhecer a história de outros personagens como o dono (Frank Morgan) e Pirovitch (Felix Bressart). Mais do que isso, somos convidados a estar com eles.

Entre um cochicho e outro de Pirovitch e Kralik, uma discussão cínica entre o casal protagonista e as interrupções abruptas de Matuschek, a câmera de William H. Daniels (“Vale das Bonecas”) nos torna o terceiro integrante da cena, o que contribui para criar intimidade e perpetuar o carisma dos personagens. A direção de Lubitsch chama o espectador para testemunhar as histórias narradas na loja. Sem recorrer a exageros ou a artifícios piegas comuns a esse gênero cinematográfico, o diretor alemão realiza um trabalho despretensioso, que emprega no grupo de vendedores um reflexo do mundo entre guerras.

Reflexo de um triste mundo

Embora a narrativa seja construída dentro de uma atmosfera cômica e natalina, também acusa o estado psicossocial a qual está inserida. Nota-se, no semblante dos personagens e nos diálogos travados, a solidão, a melancolia e a desesperança coletiva fruto das tensões iniciais da Segunda Guerra Mundial somados à crise de 1929.

De forma metafórica, o roteiro assinado por Samson Raphaelson utiliza a proximidade com os festejos natalinos para nutrir um arco dramático em que todos os personagens estão isolados emocionalmente e reagem a isso, mesmo que imperceptivelmente. Por isso, questões referentes a medo, limitações e desilusões se mostram tão presentes. Nesse escopo, a narrativa linear e sem grandes reviravoltas representa a condição existencial desse período histórico.

Lubitsch construiu uma pequena obra-prima em “A Loja da Esquina”. Sua história redonda e encantadora revela um filme simples e suave que é bem mais do que uma comédia romântica clássica: é um retrato de seu tempo.

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...

50 Anos de “Clamor ao Sexo”, de Elia Kazan

Dirigido pelo cineasta greco-estadunidense Elia Kazan, "Clamor do Sexo" (Splendor in the Grass, no original) é um filme bastante provocador para a sua época. Lançado em 1961, o drama aborda uma temática que não era tão comum na sociedade norte-americana da década: o...

50 Anos de ‘Bonequinha de Luxo’: um filme de Audrey Hepburn

O que torna um filme clássico? Certamente esta é uma pergunta um tanto subjetiva. É o roteiro? Direção? Atores? Bom, cabe a você, caro leitor, responder essa pergunta nada fácil. Pois a grandiosidade de um filme que extrapola o seu tempo é vasto e edifica,...

‘Love Story’: precursor dos romances açucarados atuais

Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...