As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por isso que, especialmente dos anos 1980 em diante, é possível observar referências as suas produções nas mais diversificadas comédias românticas. Em “Mensagem Para Você”, de Nora Ephron, é possível, por exemplo, perceber uma atualização de “A Loja da Esquina”, comédia de 1940 estrelada por James Stewart e Margaret Sullavan.

Baseado na peça homônima de Miklós Laszló, a trama acompanha Alfred Kralik (Stewart), vendedor experiente da Matuschek, uma loja de presentes de Budapeste. Kralik se corresponde anonimamente com uma jovem, sem saber que esta é Klara Novak (Sullavan), a recém contratada vendedora da loja com quem ele não tem um relacionamento amistoso. A ambientação da película se passa, na maior parte, dentro da loja, o que possibilita conhecer a história de outros personagens como o dono (Frank Morgan) e Pirovitch (Felix Bressart). Mais do que isso, somos convidados a estar com eles.

Entre um cochicho e outro de Pirovitch e Kralik, uma discussão cínica entre o casal protagonista e as interrupções abruptas de Matuschek, a câmera de William H. Daniels (“Vale das Bonecas”) nos torna o terceiro integrante da cena, o que contribui para criar intimidade e perpetuar o carisma dos personagens. A direção de Lubitsch chama o espectador para testemunhar as histórias narradas na loja. Sem recorrer a exageros ou a artifícios piegas comuns a esse gênero cinematográfico, o diretor alemão realiza um trabalho despretensioso, que emprega no grupo de vendedores um reflexo do mundo entre guerras.

Reflexo de um triste mundo

Embora a narrativa seja construída dentro de uma atmosfera cômica e natalina, também acusa o estado psicossocial a qual está inserida. Nota-se, no semblante dos personagens e nos diálogos travados, a solidão, a melancolia e a desesperança coletiva fruto das tensões iniciais da Segunda Guerra Mundial somados à crise de 1929.

De forma metafórica, o roteiro assinado por Samson Raphaelson utiliza a proximidade com os festejos natalinos para nutrir um arco dramático em que todos os personagens estão isolados emocionalmente e reagem a isso, mesmo que imperceptivelmente. Por isso, questões referentes a medo, limitações e desilusões se mostram tão presentes. Nesse escopo, a narrativa linear e sem grandes reviravoltas representa a condição existencial desse período histórico.

Lubitsch construiu uma pequena obra-prima em “A Loja da Esquina”. Sua história redonda e encantadora revela um filme simples e suave que é bem mais do que uma comédia romântica clássica: é um retrato de seu tempo.

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...