Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma obra que se irmana, se complementa ao longa de 15 anos atrás, como se o diretor voltasse ao seu sertão para retomar alguns temas e questionamentos, e também trazer alguns novos à discussão. E acima de tudo, para mostrar como o Brasil evoluiu nesse tempo e como não evoluiu. Uma demonstração de como alguns locais do país, certas pessoas e conflitos parecem que não mudarão nunca.

Acqua Movie começa com a morte de Jonas (o protagonista de Árido Movie, vivido novamente por Guilherme Weber numa breve participação). A morte da figura paterna da família acaba levando a uma reaproximação entre o filho Cícero (Antonio Haddad), um garoto, e a mãe, Duda (Alessandra Negrini). Duda é uma documentarista engajada que passou muito tempo trabalhando na Amazônia filmando tribos indígenas, por isso, não teve uma grande convivência com o filho e seu casamento com Jonas já estava nos últimos suspiros. Mesmo assim, Duda e Cícero acabam embarcando numa viagem para levar as cinzas de Jonas de volta à sua cidade natal. Ou melhor, à nova cidade, pois a antiga foi para debaixo d’água depois da transposição do rio São Francisco. E, em meio a uma nova paisagem, a um Nordeste que parece diferente, os dois acabam entrando em conflito com as velhas estruturas de poder da região, leia-se, a família de Jonas, que comanda a cidade.

É um filme de premissa simples, com seus protagonistas já tendo arcos dramáticos bem delineados desde o início – é um road movie, filme de estrada, para reaproximar mãe e filho, afinal. Mas dentro dessa estrutura, o roteiro encontra espaço para abordar o embate dos dois Brasis: o moderno e desenvolvido (pelo menos, nas aparências); o arcaico e brutal. Ao longo da jornada de Duda e Cícero, eles topam com protestos por demarcação de terras indígenas, políticos bandidos, o velho coronelismo e frases criativas nas traseiras de caminhões.

UM FILME NECESSÁRIO

Nesse sentido, apesar de ter sido filmado em 2019, é até apropriado que Acqua Movie seja lançado nesta época do governo Bolsonaro, com a polarização política no Brasil ainda mais exacerbada e na qual o sofrimento dos povos indígenas só aumentou – é mais um filme brasileiro recente que teve seu lançamento adiado por causa da pandemia. Só por abordar as contradições do Brasil de frente, Acqua Movie já se configura como obra política que fala bastante ao momento em que estamos. Não deixa de ser um filme, afinal, que explora contradições até de modo visual: numa cena, os personagens estão no deserto seco, poucos minutos depois se veem rodeados pela água.

A esse respeito, “Acqua Movie” é um filme muito bonito visualmente também: a fotografia de Gustavo Hadba explora com grande força imagética a paisagem do Nordeste brasileiro. Um cânion que aparece num momento tira o fôlego do espectador; em outro vemos trechos da cidade submersa pelo ponto de vista de um dos personagens. As cores são vivas, especialmente o azul da água; e o calor do sertão praticamente perpassa da tela.

E o comentário político fica quase sempre abaixo da história de reconciliação entre mãe e filho. Negrini e Haddad estão muito bem: ela apostando na força de sua personagem e ele na inocência – e o abrir de olhos do menino é o cerne da narrativa, embora ocasionalmente o roteiro desperte no espectador um pouquinho de raiva do Cícero por se opor demais à mãe e até colocá-los em perigo em nome de um clímax dramático. Completando o elenco, Augusto Madeira e Marcélia Cartaxo vivem com gosto a família de “coronéis”, e até vemos o cineasta Claudio Assis, amigo do diretor e outra força do cinema pernambucano, numa ponta.

Embora a estrutura dramática convencional torne o longa um pouco previsível e alguns dos tópicos abordados na narrativa não sejam de fato tão aprofundados, Acqua Movie, sem dúvida, acaba sendo um filme importante no cenário brasileiro atual. Uma obra que conta uma história pessoal em meio ao cenário de contradições do Brasil, contradições estas que só se acirraram e ficaram mais brutais desde que o filme começou a ser pensado e realizado. Quinze anos, no fim das contas, não parecem ser um período de tempo tão grande assim no Brasil.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...