Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma obra que se irmana, se complementa ao longa de 15 anos atrás, como se o diretor voltasse ao seu sertão para retomar alguns temas e questionamentos, e também trazer alguns novos à discussão. E acima de tudo, para mostrar como o Brasil evoluiu nesse tempo e como não evoluiu. Uma demonstração de como alguns locais do país, certas pessoas e conflitos parecem que não mudarão nunca.

Acqua Movie começa com a morte de Jonas (o protagonista de Árido Movie, vivido novamente por Guilherme Weber numa breve participação). A morte da figura paterna da família acaba levando a uma reaproximação entre o filho Cícero (Antonio Haddad), um garoto, e a mãe, Duda (Alessandra Negrini). Duda é uma documentarista engajada que passou muito tempo trabalhando na Amazônia filmando tribos indígenas, por isso, não teve uma grande convivência com o filho e seu casamento com Jonas já estava nos últimos suspiros. Mesmo assim, Duda e Cícero acabam embarcando numa viagem para levar as cinzas de Jonas de volta à sua cidade natal. Ou melhor, à nova cidade, pois a antiga foi para debaixo d’água depois da transposição do rio São Francisco. E, em meio a uma nova paisagem, a um Nordeste que parece diferente, os dois acabam entrando em conflito com as velhas estruturas de poder da região, leia-se, a família de Jonas, que comanda a cidade.

É um filme de premissa simples, com seus protagonistas já tendo arcos dramáticos bem delineados desde o início – é um road movie, filme de estrada, para reaproximar mãe e filho, afinal. Mas dentro dessa estrutura, o roteiro encontra espaço para abordar o embate dos dois Brasis: o moderno e desenvolvido (pelo menos, nas aparências); o arcaico e brutal. Ao longo da jornada de Duda e Cícero, eles topam com protestos por demarcação de terras indígenas, políticos bandidos, o velho coronelismo e frases criativas nas traseiras de caminhões.

UM FILME NECESSÁRIO

Nesse sentido, apesar de ter sido filmado em 2019, é até apropriado que Acqua Movie seja lançado nesta época do governo Bolsonaro, com a polarização política no Brasil ainda mais exacerbada e na qual o sofrimento dos povos indígenas só aumentou – é mais um filme brasileiro recente que teve seu lançamento adiado por causa da pandemia. Só por abordar as contradições do Brasil de frente, Acqua Movie já se configura como obra política que fala bastante ao momento em que estamos. Não deixa de ser um filme, afinal, que explora contradições até de modo visual: numa cena, os personagens estão no deserto seco, poucos minutos depois se veem rodeados pela água.

A esse respeito, “Acqua Movie” é um filme muito bonito visualmente também: a fotografia de Gustavo Hadba explora com grande força imagética a paisagem do Nordeste brasileiro. Um cânion que aparece num momento tira o fôlego do espectador; em outro vemos trechos da cidade submersa pelo ponto de vista de um dos personagens. As cores são vivas, especialmente o azul da água; e o calor do sertão praticamente perpassa da tela.

E o comentário político fica quase sempre abaixo da história de reconciliação entre mãe e filho. Negrini e Haddad estão muito bem: ela apostando na força de sua personagem e ele na inocência – e o abrir de olhos do menino é o cerne da narrativa, embora ocasionalmente o roteiro desperte no espectador um pouquinho de raiva do Cícero por se opor demais à mãe e até colocá-los em perigo em nome de um clímax dramático. Completando o elenco, Augusto Madeira e Marcélia Cartaxo vivem com gosto a família de “coronéis”, e até vemos o cineasta Claudio Assis, amigo do diretor e outra força do cinema pernambucano, numa ponta.

Embora a estrutura dramática convencional torne o longa um pouco previsível e alguns dos tópicos abordados na narrativa não sejam de fato tão aprofundados, Acqua Movie, sem dúvida, acaba sendo um filme importante no cenário brasileiro atual. Uma obra que conta uma história pessoal em meio ao cenário de contradições do Brasil, contradições estas que só se acirraram e ficaram mais brutais desde que o filme começou a ser pensado e realizado. Quinze anos, no fim das contas, não parecem ser um período de tempo tão grande assim no Brasil.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...