Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com certeza não será aqui.

Dirigida e co-escrita por Mark Raso (“Kodachrome”), a trama fala sobre um dia onde todas as pessoas pararam de dormir e passaram a lidar com as consequências fisiológicas da ausência do sono. No entanto, em como a maioria dos filmes do gênero existem exceções: uma senhora mais velha e uma menina chamada “Matilda” (Ariana Greenblatt), filha da protagonista do filme, “Jill” (Gina Rodriguez). Ela é uma ex- militar que, após a perda do marido na guerra, entrou em um mundo de vícios em drogas trabalha como segurança em uma universidade.

A premissa de “Awake” pode até parecer interessante ou, no mínimo, diferente, afinal as pessoas quando param de dormir podem sofrer uma série de problemas psicológicos como perda da memória e alucinações. Essa noção da ausência do sono até entra no escopo da narrativa, porém, a condução do roteiro, feito por Mark junto com o irmão Joseph Raso, gera uma série de sequências estapafúrdias fazendo o filme cair no ridículo.

A partir da tentativa de construir momentos de tensão, o roteiro traz possíveis lógicas sobre como a humanidade buscaria soluções para sair desse problema entre elas procurar a religião, partir para a barbárie ou ir correndo buscar ajuda na ciência. A última solução geralmente responde os problemas de um filme do gênero de “ficção científica”, mas aqui a resposta vem da forma mais esdrúxula. Não vou contar pois estraga o final do filme mesmo ele sendo ruim.

 SCI-FI PARA PREENCHER CATÁLOGO DA NETFLIX

Um dos momentos mais patéticos de “Awake” é a sequência dentro da igreja. A avó da “Matilda” a leva para o pastor pensando que a menina é um milagre e um dos fiéis sugerem absurdamente sacrificá-la para salvar as pessoas. Logo em seguida, surge um diálogo do pastor tentando convencer a menina a se sacrificar pela humanidade sem sequer saber se irá dar certo ou não. Desesperada, “Jill” resolve tirar sua filha do local a qualquer custo fazendo um dos fiéis se revoltar atirando em um personagem.  

A direção de Raso até tenta inserir uma condução mais virtuosa na câmera durante a produção, no entanto, ele não faz milagres. O texto ruim ainda faz o favor de puxar todas as interpretações para a canastrice mesmo sendo um bom elenco. Gina Rodriguez (“Jane The Virgin”) se esforça para soar crível, mas o texto é tão ruim que ela vira uma caricatura na tela. Jennifer Jason Leigh (“Atypical”, “Os Oito Odiados”) aparece em alguns minutos de filme e sempre no automático. A jovem Ariana Greenblatt (“Amor e Monstros”) tem a melhor personagem da narrativa, mas, infelizmente, “Awake” explora tão pouco a garota se reservando a dar toda atenção ao personagem da mãe.  

Já não é de agora que a Netflix lança títulos com produções bem pobres narrativa e tecnicamente associadas a atores consagrados com a intenção de fazer volume de catálogo. Esse aqui claramente é mais um deles. É possível estabelecer um paralelo bem forte com outro título famoso do serviço, “Bird Box”, porém enquanto um cria momentos de tensão reais na narrativa e apresenta uma direção segura, em “Awake” você fica apático. O filme tenta vender uma ideia original, mas, no final, revela ao público não saber exatamente o que fazer com ela, ficando apenas a sensação de uma jornada inútil e sem sentido.

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...