Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com certeza não será aqui.

Dirigida e co-escrita por Mark Raso (“Kodachrome”), a trama fala sobre um dia onde todas as pessoas pararam de dormir e passaram a lidar com as consequências fisiológicas da ausência do sono. No entanto, em como a maioria dos filmes do gênero existem exceções: uma senhora mais velha e uma menina chamada “Matilda” (Ariana Greenblatt), filha da protagonista do filme, “Jill” (Gina Rodriguez). Ela é uma ex- militar que, após a perda do marido na guerra, entrou em um mundo de vícios em drogas trabalha como segurança em uma universidade.

A premissa de “Awake” pode até parecer interessante ou, no mínimo, diferente, afinal as pessoas quando param de dormir podem sofrer uma série de problemas psicológicos como perda da memória e alucinações. Essa noção da ausência do sono até entra no escopo da narrativa, porém, a condução do roteiro, feito por Mark junto com o irmão Joseph Raso, gera uma série de sequências estapafúrdias fazendo o filme cair no ridículo.

A partir da tentativa de construir momentos de tensão, o roteiro traz possíveis lógicas sobre como a humanidade buscaria soluções para sair desse problema entre elas procurar a religião, partir para a barbárie ou ir correndo buscar ajuda na ciência. A última solução geralmente responde os problemas de um filme do gênero de “ficção científica”, mas aqui a resposta vem da forma mais esdrúxula. Não vou contar pois estraga o final do filme mesmo ele sendo ruim.

 SCI-FI PARA PREENCHER CATÁLOGO DA NETFLIX

Um dos momentos mais patéticos de “Awake” é a sequência dentro da igreja. A avó da “Matilda” a leva para o pastor pensando que a menina é um milagre e um dos fiéis sugerem absurdamente sacrificá-la para salvar as pessoas. Logo em seguida, surge um diálogo do pastor tentando convencer a menina a se sacrificar pela humanidade sem sequer saber se irá dar certo ou não. Desesperada, “Jill” resolve tirar sua filha do local a qualquer custo fazendo um dos fiéis se revoltar atirando em um personagem.  

A direção de Raso até tenta inserir uma condução mais virtuosa na câmera durante a produção, no entanto, ele não faz milagres. O texto ruim ainda faz o favor de puxar todas as interpretações para a canastrice mesmo sendo um bom elenco. Gina Rodriguez (“Jane The Virgin”) se esforça para soar crível, mas o texto é tão ruim que ela vira uma caricatura na tela. Jennifer Jason Leigh (“Atypical”, “Os Oito Odiados”) aparece em alguns minutos de filme e sempre no automático. A jovem Ariana Greenblatt (“Amor e Monstros”) tem a melhor personagem da narrativa, mas, infelizmente, “Awake” explora tão pouco a garota se reservando a dar toda atenção ao personagem da mãe.  

Já não é de agora que a Netflix lança títulos com produções bem pobres narrativa e tecnicamente associadas a atores consagrados com a intenção de fazer volume de catálogo. Esse aqui claramente é mais um deles. É possível estabelecer um paralelo bem forte com outro título famoso do serviço, “Bird Box”, porém enquanto um cria momentos de tensão reais na narrativa e apresenta uma direção segura, em “Awake” você fica apático. O filme tenta vender uma ideia original, mas, no final, revela ao público não saber exatamente o que fazer com ela, ficando apenas a sensação de uma jornada inútil e sem sentido.

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...