Pensamos que conhecemos as pessoas… E as séries. Pensamos, ao ver esta quinta temporada de Better Call Saul, que a transformação de Jimmy McGill para Saul Goodman, como o conhecemos em Breaking Bad, já estava encaminhada, até mesmo definida. No entanto, as pessoas, assim como as grandes séries, surpreendem. Faltava encaixar uma peça fundamental no quebra-cabeça dessa transformação. Faltava a Kim, ou pelo menos definir de vez qual seria o papel dela na derrocada de Jimmy e sua mudança para aquela casca de ser humano, divertida, mas oca, que era Saul.

Agora parece que não falta mais. Sempre soubemos que ela teria um papel importante nisso, mas agora, parece que o caminho está traçado. Jimmy virou Saul em boa parte porque Kim, que sempre foi seu freio, “broke bad” e passou para o mau caminho. Ao longo da série a vimos participando de alguns pequenos golpes ao lado dele, e se divertindo até, mas ela sempre refreava, só ia até certo ponto. Porém, com o tempo algo foi mudando dentro da personagem. O trabalho que lhe sugava a alma, a armação contra o Mesa Verde, o casamento…

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 01 e 02

E depois dos últimos episódios, com Jimmy quase morrendo e ela encarando o perigoso Lalo de forma destemida, as coisas mudaram de vez para ela. No início deste episódio final da temporada, “Imperdoável”,  Jimmy pergunta a Kim se ele faz mal para ela. Ela nega e desconversa. Agora o mal já está feito. E o desenvolvimento da personagem ocorreu diante dos nossos olhos, enquanto estávamos distraídos… Realmente é difícil pensar numa série, hoje, tão bem escrita como Better Call Saul.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 03, 04 e 05

Enquanto isso, do outro lado da fronteira, Nacho se vê arrastado para o esconderijo de Lalo enquanto o atentado contra este se encaminha, orquestrado por Gus. A atuação tensa e precisa de Michael Mando nos faz temer pelo personagem. Em outra ligação com Breaking Bad, o vemos se reunindo com Don Eladio (Steven Bauer) à beira daquela inesquecível piscina… Nacho, assim como Kim, é o ponto fulcral de tensão na série, pois são os personagens cujo destino nós realmente não conhecemos, e essa tensão é levada até os minutos finais do episódio, e além, quando Tony Dalton de novo rouba a cena e vemos Lalo destruindo os planos tão bem construídos e prometendo vingança apenas com sua postura corporal nos minutos finais do episódio. Lalo parece o Exterminador do Futuro agora, e na próxima temporada ele voltará…

SHOW DE SEEHORN

Curiosamente, em termos de direção e momentos visualmente criativos, “Imperdoável” foi mais modesto do que geralmente vemos na série, ou em comparação com os últimos episódios. A direção de Peter Gould, co-criador do seriado, é inteligente e segura o bastante para não se fazer sentir neste momento, porque sinceramente Better Call Saul já funciona tão à perfeição que pode se dar a esses luxos. Os efeitos visuais deste episódio são mesmo o roteiro e os atores.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 06 e 07

E embora Odenkirk, Mando, Dalton, Patrick Fabian como Howard, Jonathan Banks e Giancarlo Esposito, todos brilhem, pode-se até dizer que a dona da parada agora é Rhea Seehorn. A Kim sempre foi uma figura interessantíssima por todos os anos do seriado, mas o que os roteiristas fizeram com ela nestas últimas temporadas torna a personagem numa das mais complexas e interessantes da TV atual, e a atriz merece todos os prêmios pela forma que a interpreta. O momento mais assustador do episódio – e olha que nele ainda vemos Lalo matando soldados a torto e a direito – é a expressão de Rhea quando Jimmy e Kim estão discutindo formas de prejudicar a carreira de Howard, e ele pergunta a ela “Nós não faríamos mesmo isso, não é?” e ela responde com o rosto e fazendo arminhas com os dedos.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 08 e 09

Quem diria, começamos a ver Better Call Saul esperando presenciar a transformação de um homem, para pior, e acabamos vendo de quebra também a transformação de uma mulher! Nesta fantástica, viciante, e poderosa temporada – provavelmente a melhor da série até agora – foi justamente o que Better Call Saul nos deu ao se encaminhar para a reta final.

Justamente quando pensamos que conhecemos alguém…

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...