Pensamos que conhecemos as pessoas… E as séries. Pensamos, ao ver esta quinta temporada de Better Call Saul, que a transformação de Jimmy McGill para Saul Goodman, como o conhecemos em Breaking Bad, já estava encaminhada, até mesmo definida. No entanto, as pessoas, assim como as grandes séries, surpreendem. Faltava encaixar uma peça fundamental no quebra-cabeça dessa transformação. Faltava a Kim, ou pelo menos definir de vez qual seria o papel dela na derrocada de Jimmy e sua mudança para aquela casca de ser humano, divertida, mas oca, que era Saul.

Agora parece que não falta mais. Sempre soubemos que ela teria um papel importante nisso, mas agora, parece que o caminho está traçado. Jimmy virou Saul em boa parte porque Kim, que sempre foi seu freio, “broke bad” e passou para o mau caminho. Ao longo da série a vimos participando de alguns pequenos golpes ao lado dele, e se divertindo até, mas ela sempre refreava, só ia até certo ponto. Porém, com o tempo algo foi mudando dentro da personagem. O trabalho que lhe sugava a alma, a armação contra o Mesa Verde, o casamento…

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 01 e 02

E depois dos últimos episódios, com Jimmy quase morrendo e ela encarando o perigoso Lalo de forma destemida, as coisas mudaram de vez para ela. No início deste episódio final da temporada, “Imperdoável”,  Jimmy pergunta a Kim se ele faz mal para ela. Ela nega e desconversa. Agora o mal já está feito. E o desenvolvimento da personagem ocorreu diante dos nossos olhos, enquanto estávamos distraídos… Realmente é difícil pensar numa série, hoje, tão bem escrita como Better Call Saul.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 03, 04 e 05

Enquanto isso, do outro lado da fronteira, Nacho se vê arrastado para o esconderijo de Lalo enquanto o atentado contra este se encaminha, orquestrado por Gus. A atuação tensa e precisa de Michael Mando nos faz temer pelo personagem. Em outra ligação com Breaking Bad, o vemos se reunindo com Don Eladio (Steven Bauer) à beira daquela inesquecível piscina… Nacho, assim como Kim, é o ponto fulcral de tensão na série, pois são os personagens cujo destino nós realmente não conhecemos, e essa tensão é levada até os minutos finais do episódio, e além, quando Tony Dalton de novo rouba a cena e vemos Lalo destruindo os planos tão bem construídos e prometendo vingança apenas com sua postura corporal nos minutos finais do episódio. Lalo parece o Exterminador do Futuro agora, e na próxima temporada ele voltará…

SHOW DE SEEHORN

Curiosamente, em termos de direção e momentos visualmente criativos, “Imperdoável” foi mais modesto do que geralmente vemos na série, ou em comparação com os últimos episódios. A direção de Peter Gould, co-criador do seriado, é inteligente e segura o bastante para não se fazer sentir neste momento, porque sinceramente Better Call Saul já funciona tão à perfeição que pode se dar a esses luxos. Os efeitos visuais deste episódio são mesmo o roteiro e os atores.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 06 e 07

E embora Odenkirk, Mando, Dalton, Patrick Fabian como Howard, Jonathan Banks e Giancarlo Esposito, todos brilhem, pode-se até dizer que a dona da parada agora é Rhea Seehorn. A Kim sempre foi uma figura interessantíssima por todos os anos do seriado, mas o que os roteiristas fizeram com ela nestas últimas temporadas torna a personagem numa das mais complexas e interessantes da TV atual, e a atriz merece todos os prêmios pela forma que a interpreta. O momento mais assustador do episódio – e olha que nele ainda vemos Lalo matando soldados a torto e a direito – é a expressão de Rhea quando Jimmy e Kim estão discutindo formas de prejudicar a carreira de Howard, e ele pergunta a ela “Nós não faríamos mesmo isso, não é?” e ela responde com o rosto e fazendo arminhas com os dedos.

CRÍTICA – BETTER CALL SAUL – EPISÓDIOS 08 e 09

Quem diria, começamos a ver Better Call Saul esperando presenciar a transformação de um homem, para pior, e acabamos vendo de quebra também a transformação de uma mulher! Nesta fantástica, viciante, e poderosa temporada – provavelmente a melhor da série até agora – foi justamente o que Better Call Saul nos deu ao se encaminhar para a reta final.

Justamente quando pensamos que conhecemos alguém…

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...