Não pude deixar de pensar em muitos filmes enquanto assistia “Milagre na Cela 7”. Para quem já conhece produções que tratam de injustiça, você vai encontrar e identificar diversos mecanismos narrativos esgotados em obras do gênero em seu decorrer. Remake de um sucesso sul-coreano, a nova produção do Netflix tem tudo para funcionar quem procura um jeito fácil de secar os canais lacrimais. Entretanto, a forma como busca esse efeito, talvez, seja esse o seu maior problema.

“Milagre na Cela 7” traz a história de Memo (Aras Bulut İynemli) e sua filha Ova (Nisa Sofiya Aksongur), moradores de uma pequena vila turca, mas existe algo de especial na relação. Com deficiência intelectual, o pai acaba sendo acusado de um crime que não cometeu e condenado à morte. Com amigos e pessoas compadecidas de seu caso, começa então uma corrida para encontrar a única testemunha que pode provar sua inocência.

SAÍDAS FÁCEIS

A superficialidade do roteiro em relação a certos aspectos atrapalha o drama dirigido por Mehmet Ada Oztekin. O casamento de Memo se torna um alívio cômico, a corrupção na Turquia indicada pela avó Fatma (Celile Toyon Uysal) fica restrita a uma rápida frase de indignação a um profissional da saúde e a própria deficiência do protagonista resumida à seguinte frase: “um cérebro com o tamanho de uma ervilha”.

Os artifícios para fazer o público chorar na marra e a simplificação da história pioram ainda mais “Milagre na Cela 7”.  Temos um vilão digno das piores novelas: sujeito desprezível que, mesmo sabendo da inocência do rapaz, usa sua condenação para a ascensão política. Apesar de ser óbvio a inocência dele, o nosso herói sofre o pão que o diabo amassou sendo espancado e posto em sofrimento constante. Mesmo assim, Memo mantém um ar esperançoso irritante e pouco crível durante as demoradas 2h12. Tudo, claro, acompanhado de frases expositivas e, claro, uma trilha sonora excessiva.

Essa busca desmedida para emocionar o público sabota “Milagre da Cela 7”. Afinal, a incapacidade de acreditar nos bons elementos da trama – especialmente, a química entre Memo e Ova e o interessante Plot Twist da reta final – para ficar em saídas fáceis empobrece o drama em cartaz na Netflix.  

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...