Livremente inspirado em tarô e mitologia, “Moon, 66 Questions” explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de simbolismo. Com seu ritmo pausado, as salas de cinema do circuito de arte – se um dia existirem após a pandemia da COVID-19 – deverão ser seu habitat natural.

No filme, Artemis (Sofia Kokkali) volta para a Grécia depois de alguns anos para cuidar do pai doente Paris (Lazaros Georgakopoulos). Sua enfermidade o deixa com a mobilidade extremamente comprometida e, enquanto uma ajuda profissional não é contratada, sua filha tem que se encarregar dele integralmente.

De um lado, a jovem tem que lidar com a apatia da mãe, já divorciada de Paris, diante da situação e do descaso da família dele, que não se interessa pelo seu tratamento e empurra com a barriga a contratação de uma enfermeira.

De outro, ela também precisa aturar a hostilidade do paciente sob seus cuidados – um homem duro na queda, com quem ela já não tinha a melhor das relações, e um doente pouquíssimo cooperativo. Sozinha neste fogo cruzado, Artemis se lança à missão de se aproximar do próprio pai. 

 ESTRUTURA ELÍPTICA ENVOLVENTE


A cineasta Jacqueline Lentzou, estreando aqui na direção de longas-metragens depois de vários curtas celebrados, aposta em uma abordagem que privilegia ícones e símbolos ao invés de uma narrativa tradicional.

O roteiro, assinado por ela, desafia convenções dramáticas ao optar por representar uma família em crise sem discussões acaloradas ou uma grande cena de conflito. Paris, por exemplo, apesar de ser um dos personagens principais do longa e o ponto de tensão da trama, só fala depois de uma hora de projeção. O talento de Georgakopoulos em comunicar as diversas formas em que seu personagem é emocionalmente debilitado somente com gestos é digno de nota.

A despeito da narrativa, o coração de “Moon, 66 Questions” está em sua estrutura elíptica. Lentzou, juntamente com o editor Smaro Papaevangelou, alterna antigas fitas VHS gravadas por Paris, os diários de Artemis e imagens da natureza recriando a forma como a memória é processada. Reforçando essa associação, o diretor de fotografia Konstantinos Koukoulios enche as tomadas de uma luz desbotada que remete a lembranças.

Ao tentar conhecer de verdade seu pai, Artemis é obrigada a lembrar dos traumas causados por ele em sua infância e do tempo do casamento desgastado de seus pais. A maneira como ela supera essas disrupções é o que move a produção, ainda que pareça evitar um grande senso de catarse. Um filme mais direto e pujante talvez fosse mais satisfatório de um ponto de vista emocional, mas isso é uma questão de gosto. “Moon, 66 Questions” é destemido e ousado – mas requer uma audiência que seja assim também. 

 

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...