Livremente inspirado em tarô e mitologia, “Moon, 66 Questions” explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de simbolismo. Com seu ritmo pausado, as salas de cinema do circuito de arte – se um dia existirem após a pandemia da COVID-19 – deverão ser seu habitat natural.

No filme, Artemis (Sofia Kokkali) volta para a Grécia depois de alguns anos para cuidar do pai doente Paris (Lazaros Georgakopoulos). Sua enfermidade o deixa com a mobilidade extremamente comprometida e, enquanto uma ajuda profissional não é contratada, sua filha tem que se encarregar dele integralmente.

De um lado, a jovem tem que lidar com a apatia da mãe, já divorciada de Paris, diante da situação e do descaso da família dele, que não se interessa pelo seu tratamento e empurra com a barriga a contratação de uma enfermeira.

De outro, ela também precisa aturar a hostilidade do paciente sob seus cuidados – um homem duro na queda, com quem ela já não tinha a melhor das relações, e um doente pouquíssimo cooperativo. Sozinha neste fogo cruzado, Artemis se lança à missão de se aproximar do próprio pai. 

 ESTRUTURA ELÍPTICA ENVOLVENTE


A cineasta Jacqueline Lentzou, estreando aqui na direção de longas-metragens depois de vários curtas celebrados, aposta em uma abordagem que privilegia ícones e símbolos ao invés de uma narrativa tradicional.

O roteiro, assinado por ela, desafia convenções dramáticas ao optar por representar uma família em crise sem discussões acaloradas ou uma grande cena de conflito. Paris, por exemplo, apesar de ser um dos personagens principais do longa e o ponto de tensão da trama, só fala depois de uma hora de projeção. O talento de Georgakopoulos em comunicar as diversas formas em que seu personagem é emocionalmente debilitado somente com gestos é digno de nota.

A despeito da narrativa, o coração de “Moon, 66 Questions” está em sua estrutura elíptica. Lentzou, juntamente com o editor Smaro Papaevangelou, alterna antigas fitas VHS gravadas por Paris, os diários de Artemis e imagens da natureza recriando a forma como a memória é processada. Reforçando essa associação, o diretor de fotografia Konstantinos Koukoulios enche as tomadas de uma luz desbotada que remete a lembranças.

Ao tentar conhecer de verdade seu pai, Artemis é obrigada a lembrar dos traumas causados por ele em sua infância e do tempo do casamento desgastado de seus pais. A maneira como ela supera essas disrupções é o que move a produção, ainda que pareça evitar um grande senso de catarse. Um filme mais direto e pujante talvez fosse mais satisfatório de um ponto de vista emocional, mas isso é uma questão de gosto. “Moon, 66 Questions” é destemido e ousado – mas requer uma audiência que seja assim também. 

 

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...

‘Memory Box’: experimentalismo fascinante em viagem reveladora ao passado

Com o mundo digital documentando cada passo da vida moderna, o passado está deixando de ser uma coisa difícil de revisitar - ao menos de um ponto de vista prático. Porém, dependendo da vida que você levou, esse processo pode ser doloroso, não importa o meio.  O...

‘A Força da Natureza’: Mel Gibson sofre em filme de ação duro de ver

Mais um dia, mais uma volta ao redor do Sol... E mais um filmeco para se assistir na Netflix. É curioso notar como este A Força da Natureza veio a existir, pois ele explica muito sobre como o cinema funciona hoje, do ponto de vista econômico e industrial. Existe todo...

‘Wheel of Fortune and Fantasy’: Hamaguchi no limite da verborragia

"Wheel of Fortune and Fantasy", novo filme de Ryūsuke Hamaguchi, é feito sob medida para quem gosta de longas cenas de conversa. Agraciado com o Urso de Prata de Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim, o longa encontra seu diretor em modo mais conciso,...

‘Professor Polvo’: imagens deslumbrantes em doc de pequenos excessos

Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e...