Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por ‘Trama Fantasma’). No longa, eles protagonizam um casamento de muitos anos com humor e cumplicidade quando Joan (Manville) é diagnosticada com câncer de mama e o casal passa por mais uma crise desde a morte de sua filha. 

Sem possuir uma proposta extraordinária ou que exale originalidade, “Nosso Amor” consegue se destacar pela destreza no roteiro em aliar uma temática densa e já muito vista no cinema como o câncer com o humor e o cotidiano de um casal de meia idade. Em diversos momentos essa proposta chega perto de clichês próprios de romances, mas, todos justificados pela história, mostrando ter uma utilidade para a narrativa, principalmente quando o objetivo é deixar a trama mais fluida. 

Logo na primeira cena, sem nenhum diálogo presente, é possível perceber que Lesley Manville e Liam Neeson são escolhas perfeitas de protagonistas. Além de ambos entregarem uma carga dramática na medida certa em discussões mais densas, eles também possuem um magnetismo enorme e a habilidade de fazer o público querer acompanhá-los, o que justifica a cena inicial e tantos outros momentos apoiados somente na atuação corporal de ambos. 

Responsável por retratar a intimidade de Joan e Tom, a fotografia de “Nosso Amor” mostra muita responsabilidade e até mesmo respeito em não sufocar os personagens e seus momentos mais delicados. Esse aspecto persiste durante toda a trama já que existe uma preocupação muito grande da diretora Lisa Barros D’Sa em mostrar explicitamente cada fase do câncer enfrentado por Joan. 

O grande C da questão  

Quando se fala em câncer nos filmes, principalmente em blockbusters ou produções para o público adolescente, existe sempre uma romantização excessiva sobre a doença, fugindo até da proposta de abordar o assunto em si. Nesse quesito, ‘Nosso Amor’ oferece uma verdadeira aula de como aliar o romance a uma temática tão séria e ainda conseguir colocar traços de humor, tirando também lágrimas do público. 

Independente se o tratamento do câncer de mama é ou não conhecido pelo público, “Nosso Amor” faz questão de mostrá-lo, exibindo detalhadamente cada processo enfrentado por Joan. A atuação de Leslie, realçando todo o desconforto e medo da situação, dá a dimensão do drama que tantas mulheres precisam lidar. E, mesmo se tornando a temática central do longa, se não é limitado somente a isto, mas sim, uma motivação para o público ver a dinâmica entre os personagens, entender e se interessar por suas histórias. 

Outro elemento que ajuda muito a cumprir o objetivo de “Nosso Amor” em mostrar os diferentes momentos da doença em Joan é a caracterização de Manville. Chega a ser surreal comparar a atriz no início e fim do longa e perceber quantas mudanças foram necessárias para mostrar os efeitos causados pelo câncer de mama e, principalmente, por seu tratamento. Devido a este cuidado, “Nosso Amor” se aproxima muito de um retrato verídico sobre a doença ao mesmo tempo em que narra uma história fácil de ser acompanhada e ainda presenteia o público com ótimas atuações. 

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...