Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por ‘Trama Fantasma’). No longa, eles protagonizam um casamento de muitos anos com humor e cumplicidade quando Joan (Manville) é diagnosticada com câncer de mama e o casal passa por mais uma crise desde a morte de sua filha. 

Sem possuir uma proposta extraordinária ou que exale originalidade, “Nosso Amor” consegue se destacar pela destreza no roteiro em aliar uma temática densa e já muito vista no cinema como o câncer com o humor e o cotidiano de um casal de meia idade. Em diversos momentos essa proposta chega perto de clichês próprios de romances, mas, todos justificados pela história, mostrando ter uma utilidade para a narrativa, principalmente quando o objetivo é deixar a trama mais fluida. 

Logo na primeira cena, sem nenhum diálogo presente, é possível perceber que Lesley Manville e Liam Neeson são escolhas perfeitas de protagonistas. Além de ambos entregarem uma carga dramática na medida certa em discussões mais densas, eles também possuem um magnetismo enorme e a habilidade de fazer o público querer acompanhá-los, o que justifica a cena inicial e tantos outros momentos apoiados somente na atuação corporal de ambos. 

Responsável por retratar a intimidade de Joan e Tom, a fotografia de “Nosso Amor” mostra muita responsabilidade e até mesmo respeito em não sufocar os personagens e seus momentos mais delicados. Esse aspecto persiste durante toda a trama já que existe uma preocupação muito grande da diretora Lisa Barros D’Sa em mostrar explicitamente cada fase do câncer enfrentado por Joan. 

O grande C da questão  

Quando se fala em câncer nos filmes, principalmente em blockbusters ou produções para o público adolescente, existe sempre uma romantização excessiva sobre a doença, fugindo até da proposta de abordar o assunto em si. Nesse quesito, ‘Nosso Amor’ oferece uma verdadeira aula de como aliar o romance a uma temática tão séria e ainda conseguir colocar traços de humor, tirando também lágrimas do público. 

Independente se o tratamento do câncer de mama é ou não conhecido pelo público, “Nosso Amor” faz questão de mostrá-lo, exibindo detalhadamente cada processo enfrentado por Joan. A atuação de Leslie, realçando todo o desconforto e medo da situação, dá a dimensão do drama que tantas mulheres precisam lidar. E, mesmo se tornando a temática central do longa, se não é limitado somente a isto, mas sim, uma motivação para o público ver a dinâmica entre os personagens, entender e se interessar por suas histórias. 

Outro elemento que ajuda muito a cumprir o objetivo de “Nosso Amor” em mostrar os diferentes momentos da doença em Joan é a caracterização de Manville. Chega a ser surreal comparar a atriz no início e fim do longa e perceber quantas mudanças foram necessárias para mostrar os efeitos causados pelo câncer de mama e, principalmente, por seu tratamento. Devido a este cuidado, “Nosso Amor” se aproxima muito de um retrato verídico sobre a doença ao mesmo tempo em que narra uma história fácil de ser acompanhada e ainda presenteia o público com ótimas atuações. 

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...