Quando estou numa roda de amigos, por exemplo, e alguém me pergunta o que eu acho sobre os filmes do Stanley Kubrick, logo me vem à mente os seus clássicos: Laranja Mecânica (1971), O Iluminado (1980), 2001: Uma Odisséia no Espaço (1968), mas foram só esses mesmo que ele realizou? Ele não fez outros? 

A título de exercício trago aqui outro adorável diretor que também é tema de conversa entre amantes de cinema, Pedro Almodóvar. Dele nos lembramos de Tudo Sobre Minha Mãe (1999), Mulheres a Beira de um Ataque de Nervos (1988), e os demais? Recentemente fiz o seguinte exercício de análise: selecionei os diretores que eu mais gostava e ‘maratonei’ suas filmografias, entre eles, além dos já citados, Céline Sciamma, Anna Muylaert, Spike Lee, Glauber Rocha e Jordan Peele. 

O resultado foi surpreendente: acho incrível observar, dentro de uma ordem cronológica, como cada diretor reflete determinados assuntos e faz determinadas escolhas que são, muitas vezes, a síntese de seu trabalho por inteiro. E como, com o passar dos anos, aprimoram, cada vez mais, a forma de esculpir os elementos que compõem suas obras. 

No caso de Spike Lee, por exemplo, em seu longa de estreia Ela Quer Tudo (1986) ele já aborda a temática do empoderamento feminino através de sua personagem central, Nola, que hoje, inclusive tem até série na Netflix. Em seus filmes seguintes as questões raciais, os conflitos sociais, econômicos e religiosos que confrontam, muitas vezes, uma sociedade violenta, desigual e injusta são abordagens que se fazem presentes e que propõe ao espectador reflexões acerca de temas fundamentais e cada vez mais pungentes. Em sua última realização, Destacamento Blood (2019), é possível ver esses mesmos signos que percorrem seus roteiros desde Lute Pela Coisa Certa (1988), Faça a Coisa Certa (1989), Mais e Melhores Blues (1990) e por aí vai. 

MAIS DICAS

O mesmo posso dizer da diretora francesa Céline Sciamma. Do seu belo Lírios D’água (2007) até o maravilhoso Retrato de Uma Jovem Em Chamas (2019) a realizadora nos presenteia com temáticas que perpassam o universo feminino de maneira avassaladora. As descobertas do corpo, a transição da difícil fase de todos nós infância/adolescência, o amor, o sexo, sempre de modo absolutamente delicado e com uma sensíbilidade e requinte ímpares. Do seu primeiro filme até o último percebemos sua mão em cada cena, como se ela confeccionasse da maneira mais artesanal e cuidadosa possível, ou seja, ela demonstra, com isso, imensa responsabilidade e seriedade pois lida com temas sensíveis a nossa sociedade como o preconceito, homofobia e desigualdade. 

Existem também aqueles diretores como Stanley Kubrick que, por mais que ele percorra determinados temas e assuntos, sempre dão aquele jeitinho de surpreender. Seu longa de estreia que o diga. Acredito piamente que se pedissem para um desavisado dizer quem é o diretor de Medo e Desejo (1953) e De Olhos Bem Fechados (1999) ele não diria se tratar do mesmo criativo, inventivo, surpreendente, Kubrick.  

Por isso aproveito, aqui neste espaço, para indicar bons filmes não tão badalados de diretores aclamados: assistam Pepi, Luci, Bom e Outras Garotas de Montão (1980) e Labirinto de Paixões (1982) ambos de Pedro Almodóvar, A Origem dos Bebês Segundo Kiki Cavalcanti (1995) e É Proibido Fumar (2009), de Anna Muylaert e Tomboy (2011) de Céline Sciamma. Desfrutem e vejam como esses inícios de carreira impulsionaram grandes e geniais realizadores.

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...