Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, “Cicada” é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma ficção com fortes tons autobiográficos que tem potencial para ser um sucesso de público, principalmente em eventos e plataformas especializadas em conteúdo LGBTQ. 
 
Fifer, além de co-dirigir, co-produzir e escrever o longa, o estrela no papel de Ben, um bissexual com uma libido hiperativa e bastante disfuncional. Quando ele conhece Sam (Sheldon D. Brown) no calor de um verão nova-iorquino, um homossexual ainda dentro do armário, a atração é imediata e, aos poucos, eles se aproximam. Porém, ambos chegam a essa relação cheios de bagagem emocional e o processo de se conhecerem acaba se tornando o processo de reconhecer e tratar feridas do passado. 
 
“Cicada” tinha tudo para ser um projeto insuportavelmente autoindulgente. Para compor a dinâmica entre Ben e Sam, Fifer usa da sua própria história com Sheldon (seu namorado na vida real) – que recebe um crédito de história adicional – dando ao filme um ar que beira o docudrama. Esse viés é reforçado pelo trabalho do diretor de fotografia Eric Schleicher, que largamente opta por uma câmera observacional com um belo senso de composição, e pela música do compositor Gil Talmi, que intervém minimamente na narrativa com notas sintetizadas. 
 
O roteiro, no entanto, é hábil em evitar a tentação de romantizar a próprio romance, optando por usá-lo como base para investigar partes pouco vista dos relacionamentos homossexuais. Através de Ben, ele explora como o sexo pode ser usado como uma forma de escapar do peso do trauma. Os primeiros 15 minutos de filme, que estabelecem o personagem, mostram uma sequência frenética de encontros sexuais que claramente não lhe fazem bem.   

AMOR SEM PIEGUICE 

Já Sam toca no delicado tópico da invisibilização do negro enquanto sujeito digno de afeto. Criado em um ambiente de forte repressão religiosa dentro de um país abertamente racista, ele sofre de uma auto-rejeição profunda que o fragiliza.  

A cena em que ele conta a Ben sobre um episódio de violência ao qual sobreviveu é incrivelmente tocante. Nela, vê-se que mesmo num momento em que sua vida correu risco, o que mais lhe feriu foi a dor de não se sentir querido. É impossível não se impressionar com a nuance da atuação de Brown aqui, principalmente sabendo que ele revisitou detalhes de sua própria vida para fazê-la vir à tona. 
 
A despeito de sua sintonia e de sua clara química sexual – ilustrada em cenas bem quentes – os protagonistas são claramente de mundos distintos. No entanto, eles  são unidos pelos traumas que dividem em silêncio. Acompanhando a jornada deles em direção a uma vida mais aberta e leve, “Cicada” se mostra um romance adulto com certo otimismo, que vê nas relações uma chance de crescimento e acredita no amor sem ser piegas. 

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...