O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista, aparando pontas soltas que prejudicaram seus trabalhos anteriores, e coloca Isabela Catão em evidência nacional mais do que merecida por um desempenho arrasador. 

“O Barco e o Rio” apresenta a história de duas irmãs: Vera (Isabela Catão), uma mulher religiosa, introspectiva e metódica, enquanto Josi (Carolinne Nunes) tem uma vida mais livre. O barco da família vira o motivo de discórdia entre elas com Vera querendo mantê-lo e Josi desejando vendê-lo, enquanto lida com uma gravidez inesperada. 

Abinader volta a trabalhar as angústias internas femininas em que os desejos são sufocados por conta das estruturas sociais. Se em “A Goteira”, a ‘prisão’ se dava por conta de um casamento infeliz e da expectativa da sociedade em relação a um suposto papel ideal da mulher na sociedade, em “O Barco e o Rio”, as travas são impostas pela religião. Na melhor cena do curta, Vera lida com um confronto entre o corpo e a mente, o desejo e a repressão, mantida refém por um pensamento retrógrado, conservador em que o desejo sexual e de independência da mulher precisa ser reprimido como forma de domínio.  

Este duelo, aliás, se faz presente desde o início de “O Barco e o Rio” ao já estabelecer nos primeiros minutos a tensão entre as duas irmãs seja no figurino e penteado e também na forma de se expressar de cada uma – Josi não hesita em falar palavrões e ser mais ríspida, enquanto Vera fala de maneira mais pausada e firme. Desta maneira, Abinader consegue definir bem o foco do conflito e desenvolvê-lo a partir de caminhos bastante definidos sem perder a complexidade do que busca tratar, algo que, nos curtas anteriores, se misturavam a um ponto de perder toda a potência que poderia ter. 

AS DESCONSTRUÇÕES DE CATÃO

A opção de concentrar toda história dentro do barco permite à direção de arte de Francisco Ricardo criar um cenário capaz de transmitir essa sensação de aprisionamento, especialmente, pelas frases religiosas nas paredes permeando a personagem de Isabela Catão. Há também de se exaltar a fotografia de Valentina Ricardo (mais um grande trabalho após ter sido excelente em “A Goteira”), rendendo momentos belíssimos, especialmente, a cena final. 

O destaque maior em “O Barco e o Rio”, acima de tudo, é de Isabela Catão. Depois de brilhar em “A Goteira”, a atriz amazonense constrói e desconstrói Vera de diversas maneiras, colocando sempre novos pequenos detalhes na personagem. A imagem de durona, de rigidez nos gestos e nas falas gradualmente vira um poço de conflitos internos entre o bem e o mal até se despedaçar na mais pura angústia carregada de lamentos pelos caminhos da vida. Tudo isso, senhoras e senhores, em 17 minutos. Repito: 17 MINUTOS! 

Ainda que o duelo entre as irmãs pudesse ter tido mais tempo de cena e a personagem de Carolinne Nunes maior destaque na trama, Bernardo Abinader demonstra um controle narrativo mais definido sobre o que busca e realiza, de longe, o seu melhor trabalho em “O Barco e o Rio”. Fora a consciência de que tem uma parceria preciosa com Isabela Catão, uma atriz capaz de extrair tudo e mais um pouco de suas personagens. 

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...