O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista, aparando pontas soltas que prejudicaram seus trabalhos anteriores, e coloca Isabela Catão em evidência nacional mais do que merecida por um desempenho arrasador. 

“O Barco e o Rio” apresenta a história de duas irmãs: Vera (Isabela Catão), uma mulher religiosa, introspectiva e metódica, enquanto Josi (Carolinne Nunes) tem uma vida mais livre. O barco da família vira o motivo de discórdia entre elas com Vera querendo mantê-lo e Josi desejando vendê-lo, enquanto lida com uma gravidez inesperada. 

Abinader volta a trabalhar as angústias internas femininas em que os desejos são sufocados por conta das estruturas sociais. Se em “A Goteira”, a ‘prisão’ se dava por conta de um casamento infeliz e da expectativa da sociedade em relação a um suposto papel ideal da mulher na sociedade, em “O Barco e o Rio”, as travas são impostas pela religião. Na melhor cena do curta, Vera lida com um confronto entre o corpo e a mente, o desejo e a repressão, mantida refém por um pensamento retrógrado, conservador em que o desejo sexual e de independência da mulher precisa ser reprimido como forma de domínio.  

Este duelo, aliás, se faz presente desde o início de “O Barco e o Rio” ao já estabelecer nos primeiros minutos a tensão entre as duas irmãs seja no figurino e penteado e também na forma de se expressar de cada uma – Josi não hesita em falar palavrões e ser mais ríspida, enquanto Vera fala de maneira mais pausada e firme. Desta maneira, Abinader consegue definir bem o foco do conflito e desenvolvê-lo a partir de caminhos bastante definidos sem perder a complexidade do que busca tratar, algo que, nos curtas anteriores, se misturavam a um ponto de perder toda a potência que poderia ter. 

AS DESCONSTRUÇÕES DE CATÃO

A opção de concentrar toda história dentro do barco permite à direção de arte de Francisco Ricardo criar um cenário capaz de transmitir essa sensação de aprisionamento, especialmente, pelas frases religiosas nas paredes permeando a personagem de Isabela Catão. Há também de se exaltar a fotografia de Valentina Ricardo (mais um grande trabalho após ter sido excelente em “A Goteira”), rendendo momentos belíssimos, especialmente, a cena final. 

O destaque maior em “O Barco e o Rio”, acima de tudo, é de Isabela Catão. Depois de brilhar em “A Goteira”, a atriz amazonense constrói e desconstrói Vera de diversas maneiras, colocando sempre novos pequenos detalhes na personagem. A imagem de durona, de rigidez nos gestos e nas falas gradualmente vira um poço de conflitos internos entre o bem e o mal até se despedaçar na mais pura angústia carregada de lamentos pelos caminhos da vida. Tudo isso, senhoras e senhores, em 17 minutos. Repito: 17 MINUTOS! 

Ainda que o duelo entre as irmãs pudesse ter tido mais tempo de cena e a personagem de Carolinne Nunes maior destaque na trama, Bernardo Abinader demonstra um controle narrativo mais definido sobre o que busca e realiza, de longe, o seu melhor trabalho em “O Barco e o Rio”. Fora a consciência de que tem uma parceria preciosa com Isabela Catão, uma atriz capaz de extrair tudo e mais um pouco de suas personagens. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...