Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de envolver seu público por mais de duas horas com suas histórias interligadas pelas temáticas principais e apresente uma ótima montagem e design de produção, embora não utilize todo potencial da história original.

Baseado no romance homônimo de Donald Ray Pollock, a trama ambientada entre a Segunda Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã acompanha diversos personagens num canto esquecido de Ohio, nos Estados Unidos. Cada um deles foi afetado pelos efeitos da guerra de diferentes maneiras e, em sua maioria, apresentam uma forte fé na religião como resposta para seus conflitos. Entre eles se destacam o veterano de guerra Willard Russell (Bill Skardgård), seu filho Arvin Russel (Tom Holland), o falso pregador Preston Teagardin (Robert Pattinson) e o casal de serial killers Sandy (Riley Keough) e Carl Henderson (Jason Clarke).

Com um grande número de personagens em diferentes linhas temporais, ‘O Diabo de Cada Dia’ é muito eficaz em realizar a conexões entre histórias. Para isto, além da narração ser um recurso de grande ajuda, a montagem é muito importante para manter um ritmo interessante, o qual não deixa a narrativa tediosa. Outro fator decisivo na boa dinâmica e envolvimento do público é a construção dos personagens: cada um deles possui características em comum com a outra e até mesmo desfechos semelhantes, sendo facilmente entendido que as ligações entre personagens vão além do período histórico ou laço parentesco, induzindo que esta é uma história a ser repetida muitas vezes.

A temática em si, apesar de insistir no debate batido sobre guerra, traumas e muita violência, consegue ser bem convincente quando muda seu foco para a religião. Basicamente, “O Diabo de Cada Dia” fala acerca da fé e religiosidade sendo utilizadas como justificativas para atitudes humanas mal pensadas. Para isso existem as figuras mais caricatas de pastores, interpretados brilhantemente por Robert Pattinson e Harry Melling, mas, também em pessoas devotas e até mesmo sem tanta fé. O elenco no geral é bem convincente e mostra onde o Antonio Campos investiu seus esforços trabalhando nos sotaques e semelhanças físicas dos atores.

O que não funciona

Apesar de possuir narrativas com temas mais densos, não existe um grande incômodo a ser transmitido, o que pode ser visto como uma falha, pois, “O Diabo de Cada Dia” intui isto como objetivo. Ou seja, a história não é voltada para alguma satisfação ou final feliz, muito pelo contrário; seus personagens encaram desfechos desafortunados, porém, nem todos eles passam a sensação de incômodo ou inquietação a qual o filme poderia se valer e explorar mais amplamente.

A falta de comprometimento com a proposta também ocorre com os acontecimentos do protagonista Arvin, já que ele sempre conta com resoluções fáceis para o roteiro, mas difíceis de serem aceitas pelo público, tirando qualquer credulidade da trama.

Desta forma, mesmo com um bom ritmo, “O Diabo de Cada Dia” apresenta um terceiro ato alongado e previsível, deixando uma impressão menos proveitosa do que vários outros momentos anteriores da narrativa, tornando-se mais uma boa produção, embora falte muito para ser um filme tão brilhante quanto sua proposta inicial.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...