Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de envolver seu público por mais de duas horas com suas histórias interligadas pelas temáticas principais e apresente uma ótima montagem e design de produção, embora não utilize todo potencial da história original.

Baseado no romance homônimo de Donald Ray Pollock, a trama ambientada entre a Segunda Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã acompanha diversos personagens num canto esquecido de Ohio, nos Estados Unidos. Cada um deles foi afetado pelos efeitos da guerra de diferentes maneiras e, em sua maioria, apresentam uma forte fé na religião como resposta para seus conflitos. Entre eles se destacam o veterano de guerra Willard Russell (Bill Skardgård), seu filho Arvin Russel (Tom Holland), o falso pregador Preston Teagardin (Robert Pattinson) e o casal de serial killers Sandy (Riley Keough) e Carl Henderson (Jason Clarke).

Com um grande número de personagens em diferentes linhas temporais, ‘O Diabo de Cada Dia’ é muito eficaz em realizar a conexões entre histórias. Para isto, além da narração ser um recurso de grande ajuda, a montagem é muito importante para manter um ritmo interessante, o qual não deixa a narrativa tediosa. Outro fator decisivo na boa dinâmica e envolvimento do público é a construção dos personagens: cada um deles possui características em comum com a outra e até mesmo desfechos semelhantes, sendo facilmente entendido que as ligações entre personagens vão além do período histórico ou laço parentesco, induzindo que esta é uma história a ser repetida muitas vezes.

A temática em si, apesar de insistir no debate batido sobre guerra, traumas e muita violência, consegue ser bem convincente quando muda seu foco para a religião. Basicamente, “O Diabo de Cada Dia” fala acerca da fé e religiosidade sendo utilizadas como justificativas para atitudes humanas mal pensadas. Para isso existem as figuras mais caricatas de pastores, interpretados brilhantemente por Robert Pattinson e Harry Melling, mas, também em pessoas devotas e até mesmo sem tanta fé. O elenco no geral é bem convincente e mostra onde o Antonio Campos investiu seus esforços trabalhando nos sotaques e semelhanças físicas dos atores.

O que não funciona

Apesar de possuir narrativas com temas mais densos, não existe um grande incômodo a ser transmitido, o que pode ser visto como uma falha, pois, “O Diabo de Cada Dia” intui isto como objetivo. Ou seja, a história não é voltada para alguma satisfação ou final feliz, muito pelo contrário; seus personagens encaram desfechos desafortunados, porém, nem todos eles passam a sensação de incômodo ou inquietação a qual o filme poderia se valer e explorar mais amplamente.

A falta de comprometimento com a proposta também ocorre com os acontecimentos do protagonista Arvin, já que ele sempre conta com resoluções fáceis para o roteiro, mas difíceis de serem aceitas pelo público, tirando qualquer credulidade da trama.

Desta forma, mesmo com um bom ritmo, “O Diabo de Cada Dia” apresenta um terceiro ato alongado e previsível, deixando uma impressão menos proveitosa do que vários outros momentos anteriores da narrativa, tornando-se mais uma boa produção, embora falte muito para ser um filme tão brilhante quanto sua proposta inicial.

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...