Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de envolver seu público por mais de duas horas com suas histórias interligadas pelas temáticas principais e apresente uma ótima montagem e design de produção, embora não utilize todo potencial da história original.

Baseado no romance homônimo de Donald Ray Pollock, a trama ambientada entre a Segunda Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã acompanha diversos personagens num canto esquecido de Ohio, nos Estados Unidos. Cada um deles foi afetado pelos efeitos da guerra de diferentes maneiras e, em sua maioria, apresentam uma forte fé na religião como resposta para seus conflitos. Entre eles se destacam o veterano de guerra Willard Russell (Bill Skardgård), seu filho Arvin Russel (Tom Holland), o falso pregador Preston Teagardin (Robert Pattinson) e o casal de serial killers Sandy (Riley Keough) e Carl Henderson (Jason Clarke).

Com um grande número de personagens em diferentes linhas temporais, ‘O Diabo de Cada Dia’ é muito eficaz em realizar a conexões entre histórias. Para isto, além da narração ser um recurso de grande ajuda, a montagem é muito importante para manter um ritmo interessante, o qual não deixa a narrativa tediosa. Outro fator decisivo na boa dinâmica e envolvimento do público é a construção dos personagens: cada um deles possui características em comum com a outra e até mesmo desfechos semelhantes, sendo facilmente entendido que as ligações entre personagens vão além do período histórico ou laço parentesco, induzindo que esta é uma história a ser repetida muitas vezes.

A temática em si, apesar de insistir no debate batido sobre guerra, traumas e muita violência, consegue ser bem convincente quando muda seu foco para a religião. Basicamente, “O Diabo de Cada Dia” fala acerca da fé e religiosidade sendo utilizadas como justificativas para atitudes humanas mal pensadas. Para isso existem as figuras mais caricatas de pastores, interpretados brilhantemente por Robert Pattinson e Harry Melling, mas, também em pessoas devotas e até mesmo sem tanta fé. O elenco no geral é bem convincente e mostra onde o Antonio Campos investiu seus esforços trabalhando nos sotaques e semelhanças físicas dos atores.

O que não funciona

Apesar de possuir narrativas com temas mais densos, não existe um grande incômodo a ser transmitido, o que pode ser visto como uma falha, pois, “O Diabo de Cada Dia” intui isto como objetivo. Ou seja, a história não é voltada para alguma satisfação ou final feliz, muito pelo contrário; seus personagens encaram desfechos desafortunados, porém, nem todos eles passam a sensação de incômodo ou inquietação a qual o filme poderia se valer e explorar mais amplamente.

A falta de comprometimento com a proposta também ocorre com os acontecimentos do protagonista Arvin, já que ele sempre conta com resoluções fáceis para o roteiro, mas difíceis de serem aceitas pelo público, tirando qualquer credulidade da trama.

Desta forma, mesmo com um bom ritmo, “O Diabo de Cada Dia” apresenta um terceiro ato alongado e previsível, deixando uma impressão menos proveitosa do que vários outros momentos anteriores da narrativa, tornando-se mais uma boa produção, embora falte muito para ser um filme tão brilhante quanto sua proposta inicial.

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...

‘Caminhos da Memória’: você certamente já viu esse filme antes

É curioso que, para um filme tão interessado em memórias, lembranças e a forma como os seres humanos lidam com elas, Caminhos da Memória seja tão... imemorável.  É a estreia de Lisa Joy na direção, e para quem conhece o trabalho dela como produtora e co-criadora da...