O cinema do Amazonas viveu uma noite histórica neste sábado (26): “O Barco e o Rio” conquistou cinco prêmios na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. A produção levou os Kikitos de Melhor Filme, Melhor Direção para Bernardo Ale Abinader, Direção de Arte para Francisco Ricardo, Direção de Fotografia com Valentina Ricardo e o prêmio do Júri Popular. 

-> LEIA TAMBÉM: Crítica – “O Barco e o Rio” – angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O filme rompeu o hiato de 23 anos do Amazonas sem produções em Gramado: a última vez aconteceu em 1997 com “Bocage – Um Hino ao Amor”, de Djalma Limongi Batista, ganhador de um prêmio especial do júri. Durante o agradecimento, o diretor Bernardo Abinader afirmou que espera que os Kikitos impulsionem a produção amazonense a ganhar ainda mais espaço no cenário nacional. 

CONHEÇA O FILME

“O Barco e o Rio” apresenta a história de duas irmãs: Vera (Isabela Catão), uma mulher religiosa, introspectiva e metódica, enquanto Josi (Carolinne Nunes) tem uma vida mais livre. O barco da família vira o motivo de discórdia entre elas com Vera querendo mantê-lo e Josi desejando vendê-lo, enquanto lida com uma gravidez inesperada. No Matapi 2019, o projeto de longa-metragem da história ganhou o pitching para participar do Talent Coprodution Meeting, do Festival de Guadalajara 2020. 

Criada em 2015 por Ana Oliveira, Bernardo Ale Abinader e Valentina Ricardo, a Fita Crepe Filmes e Artes Cênicas já produziu três curtas-metragens: “Os Monstros”, “Amém” e “A Goteira”. Por este último projeto, a direção de fotografia de Valentina recebeu menção honrosa no Festival Olhar do Norte 2019. Além do audiovisual, a Fita Crepe promove o ‘Roda na Praça’, espetáculo artístico circense feito em praças públicas no Amazonas. Contemplado pelo Funarte, o projeto já passou por cidades como Novo Airão, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Itacoatiara, Manacapuru, além de Manaus. 

LISTA DE VENCEDORES DO FESTIVAL DE GRAMADO 2020 

CURTA-METRAGEM NACIONAL 

Melhor Filme: “O Barco e o Rio”

Melhor Direção: Bernardo Ale Abinader, de “O Barco e o Rio” 

Melhor Ator: Daniel Veiga, por “Você tem Olhos Tristes” 

Melhor Atriz: Luciana Souza, por “Inabitável” 

Melhor Roteiro: “Inabitável” 

Melhor Direção de Fotografia: “O Barco e o Rio” 

Melhor Montagem: “Você tem Olhos Tristes” 

Melhor Direção de Arte: “O Barco e o Rio” 

Melhor Trilha Musical: “Atordoado, Eu Permaneço Atento” 

Melhor Desenho de Som: “Receita de Caranguejo” 

Prêmio do Júri Popular: “O Barco e o Rio” 

Prêmio da Crítica: “Inabitável” 

Menção Honrosa: Preta Ferreira, por “Receita de Caranguejo” 

LONGA-METRAGEM LATINO-AMERICANO 

Melhor Filme: “La Frontera”

Melhor Direção: Mariana Viñoles, por “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Melhor Ator: Anibal Ortiz, por “Matar a un Muerto” 

Melhor Atriz: Daylin Vega Moreno, Sheila Monterola, por “La Frontera 

Melhor Roteiro: “La Frontera 

Melhor Direção de Fotografia: “El Silencio del Cazador 

Prêmio Especial do Júri: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Prêmio da Crítica: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Júri Popular: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

LONGA-METRAGEM BRASILEIRO 

Melhor Filme: “King Kong en Asunción”

Melhor Direção: Ruy Guerra, por “Aos Pedaços” 

Melhor Ator: Andrade Júnior, por “King Kong en Asunción” 

Melhor Atriz: Isabél Zuaa, por “Um Animal Amarelo” 

Melhor Ator Coadjuvante: Thomás Aquino, por “Todos os Mortos” 

Melhor Atriz Coadjuvante: Alaíde Costa, por “Todos os Mortos” 

Melhor Roteiro: “Um Animal Amarelo” 

Melhor Direção de Arte: “Um Animal Amarelo” 

Melhor Trilha Musical: “Todos os Mortos” e “King Kong en Asunción” 

Melhor Direção de Fotografia: “Aos Pedaços” 

Melhor Direção de Arte: “Aos Pedaços” 

Prêmio da Crítica: “Um Animal Amarelo” 

Menção Honrosa: Higor Campagnaro, por “Um Animal Amarelo” 

Prêmio Especial do Júri: Elisa Lucinda, por “Por que Você não Chora?” 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...