Filme mais recente do experiente Marco Bellocchio, ”O Traidor” é uma versão enérgica das aflições de um informante da máfia na Itália nos anos 1980. Apesar de não contar com a profundidade narrativa dos grandes dramas de máfia, as sessões lotadas no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary sugerem um potencial de atrair grandes plateias.

A co-produção Brasil-Itália, lançada neste ano no Festival de Cannes, segue três décadas da vida de Tommaso Buscetta (Pierfrancesco Favino), primeiro chefe da máfia siciliana a delatar as atividades da organização criminosa para as autoridades. As informações fornecidas por ele deram origem ao “Maxiprocesso“ – o maior processo judicial da história. 
 
Inicialmente, a história de Buscetta trata-se de um dilema moral: ele é um homem criado em um ambiente que acredita que a máfia é boa, honrada e um modo de vida que implica ordem e apoio. Com a expansão do tráfico de drogas do grupo e a subseqüente contagem de corpos aumentando a cada dia, ele começa a questionar a natureza da associação. 
 
Ao se mudar para o Brasil para comandar operações mafiosas na América do Sul, uma guerra entre facções explode na Itália e a impiedosa polícia da ditadura brasileira o prende. Com a vida de sua esposa ameaçada, ele decide cooperar com o juiz italiano Giovanni Falcone (Fausto Russo Alesi) em um esforço para derrubar a Cosa Nostra. 

DRAMA DE TRIBUNAL SUSTENTA FILME

Co-autor do roteiro, Bellocchio imbue “O Traidor” de ação suficiente para preencher seus longos 135 minutos. Apesar disso, o filme não destina muito do seu tempo ao dia-a-dia da máfia, de forma que se torna difícil para o público se importar com o destino dos gangsters quando eles começam a ser presos.

Nesse sentido, o filme empalidece em comparação com clássicos como “Os Bons Companheiros” – talvez a representação definitiva de um informante da máfia no cinema. Apesar de ele ser o protagonista, nem mesmo a personalidade de Tommaso é explorada em profundidade: apenas seu desafio ao sistema que o originou e seu medo de ser morto por ele são consistentemente usados na trama.

Os melhores momentos de “O Traidor” ocorrem quando, por volta dos 70 minutos, o longa se torna um drama de tribunal. A primeira audiência do delator, por exemplo, é um retrato tenso e habilmente editado da loucura levada aos tribunais pelo simples escopo das acusações. Seu confronto com o mafioso Pippo Calò (Fabrizio Ferracane) também mostrou como o julgamento foi marcado por ressentimentos pessoais.

Em última análise, assim como o processo eventualmente parece se arrastar e não conseguir manter o interesse da população italiana na época, “O Traidor” desliza nos últimos 30 minutos e dilui a força de sua mensagem ao longo do caminho. No entanto, a produção é uma boa adição ao cânone dos dramas de máfia e não deve deixar fãs do gênero insatisfeitos.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...

50 Anos de “Clamor ao Sexo”, de Elia Kazan

Dirigido pelo cineasta greco-estadunidense Elia Kazan, "Clamor do Sexo" (Splendor in the Grass, no original) é um filme bastante provocador para a sua época. Lançado em 1961, o drama aborda uma temática que não era tão comum na sociedade norte-americana da década: o...

50 Anos de ‘Bonequinha de Luxo’: um filme de Audrey Hepburn

O que torna um filme clássico? Certamente esta é uma pergunta um tanto subjetiva. É o roteiro? Direção? Atores? Bom, cabe a você, caro leitor, responder essa pergunta nada fácil. Pois a grandiosidade de um filme que extrapola o seu tempo é vasto e edifica,...

‘Love Story’: precursor dos romances açucarados atuais

Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no...

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...