Filme mais recente do experiente Marco Bellocchio, ”O Traidor” é uma versão enérgica das aflições de um informante da máfia na Itália nos anos 1980. Apesar de não contar com a profundidade narrativa dos grandes dramas de máfia, as sessões lotadas no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary sugerem um potencial de atrair grandes plateias.

A co-produção Brasil-Itália, lançada neste ano no Festival de Cannes, segue três décadas da vida de Tommaso Buscetta (Pierfrancesco Favino), primeiro chefe da máfia siciliana a delatar as atividades da organização criminosa para as autoridades. As informações fornecidas por ele deram origem ao “Maxiprocesso“ – o maior processo judicial da história. 
 
Inicialmente, a história de Buscetta trata-se de um dilema moral: ele é um homem criado em um ambiente que acredita que a máfia é boa, honrada e um modo de vida que implica ordem e apoio. Com a expansão do tráfico de drogas do grupo e a subseqüente contagem de corpos aumentando a cada dia, ele começa a questionar a natureza da associação. 
 
Ao se mudar para o Brasil para comandar operações mafiosas na América do Sul, uma guerra entre facções explode na Itália e a impiedosa polícia da ditadura brasileira o prende. Com a vida de sua esposa ameaçada, ele decide cooperar com o juiz italiano Giovanni Falcone (Fausto Russo Alesi) em um esforço para derrubar a Cosa Nostra. 

DRAMA DE TRIBUNAL SUSTENTA FILME

Co-autor do roteiro, Bellocchio imbue “O Traidor” de ação suficiente para preencher seus longos 135 minutos. Apesar disso, o filme não destina muito do seu tempo ao dia-a-dia da máfia, de forma que se torna difícil para o público se importar com o destino dos gangsters quando eles começam a ser presos.

Nesse sentido, o filme empalidece em comparação com clássicos como “Os Bons Companheiros” – talvez a representação definitiva de um informante da máfia no cinema. Apesar de ele ser o protagonista, nem mesmo a personalidade de Tommaso é explorada em profundidade: apenas seu desafio ao sistema que o originou e seu medo de ser morto por ele são consistentemente usados na trama.

Os melhores momentos de “O Traidor” ocorrem quando, por volta dos 70 minutos, o longa se torna um drama de tribunal. A primeira audiência do delator, por exemplo, é um retrato tenso e habilmente editado da loucura levada aos tribunais pelo simples escopo das acusações. Seu confronto com o mafioso Pippo Calò (Fabrizio Ferracane) também mostrou como o julgamento foi marcado por ressentimentos pessoais.

Em última análise, assim como o processo eventualmente parece se arrastar e não conseguir manter o interesse da população italiana na época, “O Traidor” desliza nos últimos 30 minutos e dilui a força de sua mensagem ao longo do caminho. No entanto, a produção é uma boa adição ao cânone dos dramas de máfia e não deve deixar fãs do gênero insatisfeitos.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...