Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no processo, eles descobrem que, dentro da espaçonave, existe um passageiro a mais. Tal situação desperta dilemas que vão sendo discutidos no decorrer da trama.  

Penna utiliza a relação dos personagens para instaurar o conflito existencial que surge com a presença do integrante clandestino. Na verdade, o roteiro assinado pelo diretor e Ryan Morrison concentra toda a narrativa nas consequências dessa descoberta tardia, perdendo oportunidade de movimentar outros dilemas interessantes que surgem no decorrer de “Passageiro Acidental”.  

O roteiro parece ter a intenção de construir seu drama diante da percepção de cada personagem sobre a situação inesperada. A questão é que, enquanto a trilha sonora atrelada a fotografia claustrofóbica – a qual em determinados momentos remete um pouco a “Alien – O Oitavo Passageiro” – arregimenta o potencial caótico que a circunstância carrega, a narrativa não consegue transpor essa sensibilidade para os personagens. Por conta dessas escolhas narrativas, o filme não sai da superficialidade. 

Explicações Superficiais 

Entendo que Penna preocupou-se em capturar como aquela pequena comunidade lidaria com a questão da sobrevivência envolvendo questões éticas. As escolhas para essa discussão, no entanto, não conseguem ser expandidas, aprisionando-se em resoluções rasas e inverossímeis. A primeira delas – e a mais absurda – é a existência de uma quarta pessoa em uma missão especial que deve ter exigido preparação, além de seguir à risca todos os cuidados e protocolos de segurança. É só observar a cena que abre “Passageiro Acidental”. Mais do que irresponsável, é totalmente irreal. 

Outra situação esquisita é a ausência de comunicação com o comando terrestre. Em certo momento, a líder da tripulação (Toni Collette) aparece com o rosto pesado e comunica sobre a falta de oxigênio – consequência de ter mais um membro na espaçonave. A partir de então, é sempre ela quem serve de porta-voz, mas, em momento, algum vemos esse contato e nem os outros personagens, criando o questionamento se realmente há uma comunicação.  

A ausência de diálogo contribui para o distanciamento dos personagens e a falta de conexão entre eles e o espectador. Não há aprofundamento de suas histórias, não criamos empatia e falta até mesmo fatores motivacionais que não soem egoístas. Por exemplo, o tratamento do personagem de Collette para com o viajante inesperado soa como antipático e desagradável, não como alguém preocupado com o futuro da expedição, mas sim com seu próprio umbigo. Como não sabemos muita coisa sobre a personagem, não há um posicionamento anterior que conteste essa sensação. Essa percepção se torna mais incômoda ainda por ele ser negro.  

Apesar da pouca profundidade de seus conflitos, esteticamente o projeto é um primor. Penna e o diretor de fotografia, Klemens Becker, nos conduzem pelos corredores da pequena espaçonave. Ora nos enclausurando junto aos tripulantes, ora nos oferecendo um olhar mais amplo sobre as figuras de ação da narrativa.   

Sem aprofundar as questões existenciais e morais que desperta ao longo da sua narrativa, “Passageiro Acidental” entra na lista dos filmes da Netflix que serão esquecidos em pouco tempo. O que não abala a carreira internacional que Penna vem construindo.  

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...

‘Me Sinto Bem Com Você’: crônica superficial dos relacionamentos pandêmicos

“Ei, você está ai?” Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de...

‘Loop’: excessos não impedem a diversão em boa sci-fi brasileira

No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem...