Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no processo, eles descobrem que, dentro da espaçonave, existe um passageiro a mais. Tal situação desperta dilemas que vão sendo discutidos no decorrer da trama.  

Penna utiliza a relação dos personagens para instaurar o conflito existencial que surge com a presença do integrante clandestino. Na verdade, o roteiro assinado pelo diretor e Ryan Morrison concentra toda a narrativa nas consequências dessa descoberta tardia, perdendo oportunidade de movimentar outros dilemas interessantes que surgem no decorrer de “Passageiro Acidental”.  

O roteiro parece ter a intenção de construir seu drama diante da percepção de cada personagem sobre a situação inesperada. A questão é que, enquanto a trilha sonora atrelada a fotografia claustrofóbica – a qual em determinados momentos remete um pouco a “Alien – O Oitavo Passageiro” – arregimenta o potencial caótico que a circunstância carrega, a narrativa não consegue transpor essa sensibilidade para os personagens. Por conta dessas escolhas narrativas, o filme não sai da superficialidade. 

Explicações Superficiais 

Entendo que Penna preocupou-se em capturar como aquela pequena comunidade lidaria com a questão da sobrevivência envolvendo questões éticas. As escolhas para essa discussão, no entanto, não conseguem ser expandidas, aprisionando-se em resoluções rasas e inverossímeis. A primeira delas – e a mais absurda – é a existência de uma quarta pessoa em uma missão especial que deve ter exigido preparação, além de seguir à risca todos os cuidados e protocolos de segurança. É só observar a cena que abre “Passageiro Acidental”. Mais do que irresponsável, é totalmente irreal. 

Outra situação esquisita é a ausência de comunicação com o comando terrestre. Em certo momento, a líder da tripulação (Toni Collette) aparece com o rosto pesado e comunica sobre a falta de oxigênio – consequência de ter mais um membro na espaçonave. A partir de então, é sempre ela quem serve de porta-voz, mas, em momento, algum vemos esse contato e nem os outros personagens, criando o questionamento se realmente há uma comunicação.  

A ausência de diálogo contribui para o distanciamento dos personagens e a falta de conexão entre eles e o espectador. Não há aprofundamento de suas histórias, não criamos empatia e falta até mesmo fatores motivacionais que não soem egoístas. Por exemplo, o tratamento do personagem de Collette para com o viajante inesperado soa como antipático e desagradável, não como alguém preocupado com o futuro da expedição, mas sim com seu próprio umbigo. Como não sabemos muita coisa sobre a personagem, não há um posicionamento anterior que conteste essa sensação. Essa percepção se torna mais incômoda ainda por ele ser negro.  

Apesar da pouca profundidade de seus conflitos, esteticamente o projeto é um primor. Penna e o diretor de fotografia, Klemens Becker, nos conduzem pelos corredores da pequena espaçonave. Ora nos enclausurando junto aos tripulantes, ora nos oferecendo um olhar mais amplo sobre as figuras de ação da narrativa.   

Sem aprofundar as questões existenciais e morais que desperta ao longo da sua narrativa, “Passageiro Acidental” entra na lista dos filmes da Netflix que serão esquecidos em pouco tempo. O que não abala a carreira internacional que Penna vem construindo.  

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...