Sabe quando alguém te pergunta: ‘defina este filme em uma única palavra’? Para “Um Animal Amarelo”, tenho certeza que, antes da resposta, viria uma constante hesitação, de longas pausas para se pensar e escolher a melhor palavra, a qual, talvez, dentro de poucos instantes, não será a mais exata ou mais próxima da experiência do novo filme de Felipe Bragança  (“Não Devore Meu Coração”), selecionado para a mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020.  

Afinal, Bragança propõe uma experiência abrangente (até demais) sobre os fantasmas da formação identitária brasileira, prevalecendo uma ambivalência de sentimentos e temores. “Um Animal Amarelo” usa da metalinguagem, simbolismos, nonsense para criar desconforto no público, tanto na forma quanto no conteúdo, nesta fábula dividida em cinco partes, ambientada ao longo de mais de um século para não exatamente concluir nada, mas, sim, apresentar um estado de espírito constante de fracasso e frustração que acompanha cada brasileiro por toda uma vida, gerado a partir da base de um país marcado pela escravidão.  

O personagem central interpretado por Higor Campagnaro chama-se Fernando (ou pode ser Felipe Bragança também), um cineasta brasileiro, como faz questão de salientar sempre que possível a narradora da história. Fracassado, sem um tostão no bolso para poder rodar um filme fora do padrão convencional (aliás, a sequência da tentativa de financiamento junto ao banco é um dos pontos altos do longa), sem nenhum relacionamento mais fixo e desencantado com os rumos do país, ele decide ir para Moçambique, onde encontra um trio de produtores de diamantes liderado por Catarina (Isabél Zuaa, simplesmente espetacular) que pretende negociar as pedras em Portugal. Toda esta trajetória é assombrada por um animal amarelo, um fantasma herdado do avô (Herson Capri), um sujeito com delírios de grandeza e riqueza. 

Definida pelo próprio Bragança como uma ‘fábula transatlântica”, “Um Animal Amarelo” explora o ridículo de um país distante de se conectar com suas mais profundas raízes, sedento pelo poder e dinheiro, entregue e abatido, mas, sempre com uma imagem cínica para exalar uma falsa confiança. Quase como um ‘Lebowski’ dos trópicos sem ao cool dos Coen, Fernando é esta representação de Brasil, o que, ao mesmo tempo, se encaixa dentro da ironia autodepreciativa do filme em que o objeto da análise se mistura com quem a investiga, mas, acaba por ser, mais uma vez, a visão de alguém ainda em posição de privilégio, visto que, por mais que passe por tudo aquilo visto ao longo de duas horas, no fim das contas, ele, no máximo, será assombrado, enquanto os marginalizados pela sociedade (mulheres, negros, indígenas, LGBT+) seguem diariamente suas trajetórias fantasmagóricas  de submissão.  

Ainda assim, “Um Animal Amarelo” é instigante – talvez, esteja aqui a resposta para a indagação da pergunta inicial do texto – suficiente para criar uma grande viagem ao abranger tantos mundos que parecem distantes como Brasil, Portugal e Moçambique, mas, que estão umbilicalmente interligados, carregando raízes trágicas impagáveis e sentidas pelas antigas, atuais e futuras gerações. São as chagas de um passado que se tenta invibilizar ou minimizar a todos os custos, mas, que, de maneira alguma, irão sumir, como mostra de maneira tão poética a sequência final. 

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...