Sabe quando alguém te pergunta: ‘defina este filme em uma única palavra’? Para “Um Animal Amarelo”, tenho certeza que, antes da resposta, viria uma constante hesitação, de longas pausas para se pensar e escolher a melhor palavra, a qual, talvez, dentro de poucos instantes, não será a mais exata ou mais próxima da experiência do novo filme de Felipe Bragança  (“Não Devore Meu Coração”), selecionado para a mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020.  

Afinal, Bragança propõe uma experiência abrangente (até demais) sobre os fantasmas da formação identitária brasileira, prevalecendo uma ambivalência de sentimentos e temores. “Um Animal Amarelo” usa da metalinguagem, simbolismos, nonsense para criar desconforto no público, tanto na forma quanto no conteúdo, nesta fábula dividida em cinco partes, ambientada ao longo de mais de um século para não exatamente concluir nada, mas, sim, apresentar um estado de espírito constante de fracasso e frustração que acompanha cada brasileiro por toda uma vida, gerado a partir da base de um país marcado pela escravidão.  

O personagem central interpretado por Higor Campagnaro chama-se Fernando (ou pode ser Felipe Bragança também), um cineasta brasileiro, como faz questão de salientar sempre que possível a narradora da história. Fracassado, sem um tostão no bolso para poder rodar um filme fora do padrão convencional (aliás, a sequência da tentativa de financiamento junto ao banco é um dos pontos altos do longa), sem nenhum relacionamento mais fixo e desencantado com os rumos do país, ele decide ir para Moçambique, onde encontra um trio de produtores de diamantes liderado por Catarina (Isabél Zuaa, simplesmente espetacular) que pretende negociar as pedras em Portugal. Toda esta trajetória é assombrada por um animal amarelo, um fantasma herdado do avô (Herson Capri), um sujeito com delírios de grandeza e riqueza. 

Definida pelo próprio Bragança como uma ‘fábula transatlântica”, “Um Animal Amarelo” explora o ridículo de um país distante de se conectar com suas mais profundas raízes, sedento pelo poder e dinheiro, entregue e abatido, mas, sempre com uma imagem cínica para exalar uma falsa confiança. Quase como um ‘Lebowski’ dos trópicos sem ao cool dos Coen, Fernando é esta representação de Brasil, o que, ao mesmo tempo, se encaixa dentro da ironia autodepreciativa do filme em que o objeto da análise se mistura com quem a investiga, mas, acaba por ser, mais uma vez, a visão de alguém ainda em posição de privilégio, visto que, por mais que passe por tudo aquilo visto ao longo de duas horas, no fim das contas, ele, no máximo, será assombrado, enquanto os marginalizados pela sociedade (mulheres, negros, indígenas, LGBT+) seguem diariamente suas trajetórias fantasmagóricas  de submissão.  

Ainda assim, “Um Animal Amarelo” é instigante – talvez, esteja aqui a resposta para a indagação da pergunta inicial do texto – suficiente para criar uma grande viagem ao abranger tantos mundos que parecem distantes como Brasil, Portugal e Moçambique, mas, que estão umbilicalmente interligados, carregando raízes trágicas impagáveis e sentidas pelas antigas, atuais e futuras gerações. São as chagas de um passado que se tenta invibilizar ou minimizar a todos os custos, mas, que, de maneira alguma, irão sumir, como mostra de maneira tão poética a sequência final. 

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...