Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo mesmo, de uma improvável história de amor. É também um episódio capaz de deixar o espectador coçando a cabeça… Uma coisa é certa, é interessante e emotivo.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

É o segundo desvio narrativo seguido. Já por dois episódios consecutivos, as aventuras e toda a trama do nosso trio de protagonistas fica na espera, enquanto acompanhamos a história de uma personagem paralela, mas que deverá ter importância na resolução do arco principal da temporada – no episódio anterior, acompanhamos Ruby enquanto ela passava a usar uma pele branca por um tempo e, em apenas breves momentos, víamos o que estava acontecendo com Tic, Letitia e Montrose.

Em “Me encontre em Daegu”, nem chegamos a dar uma parada no presente para ver o trio principal. O episódio é um flashback, destinado a explicar a curiosa conexão entre a misteriosa mulher coreana e Tic, da qual tivemos apenas algumas poucas dicas desde o início da temporada. Pois bem, essa mulher coreana é Ji-Ah, vivida por Jamie Chung. Estamos em 1950, na Coréia do Sul ocupada pelo exército norte-americano, e o clima de tensão é forte. Ji-Ah se distrai vendo musicais de Hollywood – o título deste episódio é um trocadilho com “Meet me in St. Louis”, título original de Agora Seremos Felizes (1944), famoso musical estrelado por Judy Garland. Na cena inicial, vemos Ji-Ah querendo sair pulando e cantando no meio do cinema – como já faz parte da narrativa de Lovecraft Country, ela é mais uma figura apaixonada pela arte produzida por uma sociedade que a odeia.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

Ela realmente gosta de musicais. Mas precisa reprimir sua vontade de cantar e dançar. Porque ela é… diferente. Ji-Ah é, na verdade, uma entidade monstruosa (claro) chamada Kumiho, que possui muitas caudas (!) e é usada por ela e sua mãe para captar almas de homens durante o ato sexual (!!). Ao matar 100 homens, na teoria, o demônio a abandonará e Ji-Ah voltará ao normal.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

Com o tempo, Ji-Ah conhece Tic em circunstâncias terríveis, mas um sentimento começa a nascer entre eles. Aliás, é um artifício muito interessante de “Lovecraft Country” introduzir o herói da série na posição de quase-vilão, justo quando um tocante relacionamento começa a surgir entre Ji-Ah e sua amiga Young-Ja (Prisca Kim). O episódio adiciona várias camadas interessantes ao protagonista. Mas, a partir daí, o relacionamento deles é tão bem construído, e tão bem defendido por Chung e Jonathan Majors, que o espectador não consegue deixar de torcer por eles.

CAMINHOS INESPERADOS

As atuações são o grande destaque deste episódio, e a diretora Helen Shaver extrai o máximo das interações entre Chung e Majors. Não tão bem sucedida é a parte dos efeitos de computação gráfica: o CGI ficou devendo um pouco ao retratar os momentos das manifestações do bizarro Kumiho, embora isso não chegue a comprometer o episódio. Já a reconstituição de época segue o alto padrão que já nos acostumamos a esperar de uma produção HBO, e o fato de a maior parte do episódio ser falado em coreano, e estrelado por um elenco do país adiciona ainda mais autenticidade.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

No fim das contas, temos em “Me encontre em Daegu” uma tocante história de aceitação que se encaixa bem com os temas de Lovecraft Country até o momento: Ji-Ah percebe que tudo bem ser diferente, e se autoaceitar é o mais importante. “Nós dois fizemos coisas monstruosas, mas não quer dizer que somos monstros”, ela diz a Tic numa cena, e este episódio torna o relacionamento entre eles, de uma mera curiosidade, ao mais forte da série. E ele ainda termina insinuando grandes possibilidades para o futuro, com o relacionamento de Ji-Ah e Tic devendo ter uma importância grande no conflito final da temporada.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

A bizarrice do Kumiho e seus poderes impressionam o espectador, mas quem poderia dizer que a explicação para um mistério que parecia bobo e maluco renderia a maior quantidade de emoção genuína que a série já mostrou até o momento? Aprender a esperar o inesperado parece ser a melhor forma de se acompanhar Lovecraft Country.

CRÍTICA | ‘Casa do Dragão’ 2×05: chegou a vez do time Rhaenyra

Chegamos à metade da segunda temporada de “Casa do Dragão”. E aqui temos uma virada interessante sobre a forma como a narrativa vem sendo contada. Se antes passamos muito tempo em Porto Real, observando os Verdes, agora começamos a acompanhar melhor o movimento dos...

CRÍTICA | ‘Casa do Dragão’ 2X04: a batalha entre motivações e o peso das atitudes

Para aqueles que queriam um episódio com dragões e batalhas, foi isso que “The Red Dragon and the Gold” nos entregou, com direito a discussões em alto valiriano, devaneios, espelhamentos entre Negros e Verdes e a perda de uma personagem querida pelo público. Acredito...

CRÍTICA | ‘A Casa do Dragão’ 2×03: entre fragilidades e caminhos tortuosos

Chegamos ao terceiro episódio da segunda temporada, mas a sensação é de estarmos andando em círculos e de volta ao ponto em que terminou a última temporada. Isso acontece porque o roteiro ainda quer apresentar os lados do conflito e, nesse caminho, perde toda a...

CRÍTICA | ‘A Casa do Dragão’ 2×02: entre espelhamentos e as consequências de Otto e Daemon

Duas coisas se destacam no segundo episódio desta temporada de “A Casa do Dragão”: o luto e as consequências de escolhas. Enquanto no episódio anterior acompanhou-se o luto de Rhaenyra (Emma D’Arcy) e a forma como a filha de Viserys lidou diretamente com a perda do...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...