Após o sucesso que “Obeso Mórbido” está tendo ao receber prêmios e participando de diversas mostras de cinema pelo Brasil, o diretor Diego Bauer já tem em mente seu próximo curta-metragem. Trata-se de “Enterrado no Quintal”, uma adaptação de um conto escrito pelo amazonense Diego Moraes e que deve ser lançado a partir do próximo ano em festivais e mostras de cinema do país.

Projeto da Artrupe Produções Artísticas, o filme já tem no elenco a atriz Isabela Catão, nome que, nos últimos meses, vem despontando no audiovisual manauara. Ela arrancou elogios como protagonista de “A Goteira”, de Bernardo Ale Abinader, sendo um dos destaques na Mostra Olhar do Norte deste ano por seu excelente trabalho carregado de sutilezas no papel principal.

Em “Enterrado no Quintal”, Catão será novamente a protagonista, desta vez vivendo uma mulher que jura vingança contra o seu pai, que está desaparecido e, no passado, agredia a filha e a esposa. Sobre Catão, Bauer diz que a escolheu por ser uma oportunidade de trabalhar com uma excelente atriz e ser um “privilégio porque a Isabela é um tipo de talento que não vai demorar para alçar voos maiores e mais condizentes com a capacidade dela”.

PRESENTE DE DIEGO MORAES

Para Diego, o que lhe chamou a atenção para “Enterrado no Quintal” foi o estilo de escrita de Diego Moraes. “Já é um filme quase pronto. Da maneira como está descrito em primeira pessoa, é bastante visual. Acho que tem uma coisa bem amazônica”. Dentre os temas que busca trabalhar, a principal é a violência contra a mulher e, para Isabela Catão, esta é uma das razões que a atraiu para o curta.

“Existem minúcias que podem ser captadas com muita potência, além de abordar assuntos como a violência doméstica e as consequências que esses atos irresponsáveis podem causar na vida das pessoas que sofrem direta e indiretamente com essas questões”, declarou a atriz.

As filmagens têm previsão para iniciar em setembro e Diego Bauer e Isabela Catão dizem estar bastante ansiosos para as gravações. “Enterrado no Quintal” irá apresentar novos desafios para o diretor amazonense começando pela questão de ser uma adaptação e não um roteiro original. Mesmo assim, Bauer sabe que isso é uma exceção e não regra dentro do audiovisual local. “Eu estou aprendendo a aceitar que se eu quiser fazer um filme, provavelmente vou ter que criá-lo. Dificilmente eu vou receber um presente, como esse do Diego Moraes de oferecer um material de altíssima qualidade para que eu passe o meu olhar de diretor”.

INFLUÊNCIA MINEIRA ENCONTRA O LÍRIO DO VALE

Todo o filme será rodado no bairro Lírio do Vale, na zona oeste de Manaus, local onde o diretor mora e em que pretendia contar uma história. O projeto se encaixou dentro do que estava procurando. Influenciado pelo trabalho do cineasta mineiro André Morais Oliveira, de obras como “Temporada”, “Ela Volta na Quinta” e “Quintal”, Bauer busca trazer para o seu curta “o bairro como contador de histórias” e uma “periferia mais verde”. Ele também acredita que as imagens do Lírio do Vale irão criar um contraste com o tom de suspense alcançado a partir de soluções sonoras.

“Enterrado no Quintal” será produzido com recursos próprios da Artrupe sem esperar financiamentos via edital. Ao realizar “Obeso Mórbido”, Diego conta que o filme só foi aprovado em edital de financiamento após as filmagens. Ele resolveu fazer o mesmo desta vez e acredita que as produções em Manaus devem começar a seguir este caminho. “Temos a consciência que precisamos nos mexer para produzir de forma barata e com qualidade, sem paternalismo, como é feito em outras partes do Brasil. As condições ideais não existem e a gente pensa em fazer na raça, de forma barata”, comenta Bauer.

A equipe de “Enterrado no Quintal” conta, até o momento, com Ítalo Almeida na assistência de direção, César Nogueira na direção de fotografia, Eduardo Resing na montagem e Francisco Ricardo como Diretor de Arte. O resto do elenco e da equipe ainda será definido.

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...