SINOPSE

Morrer se torna impossível. O que muda na vida das pessoas a partir desse ponto? Entre desespero existencial, extravagâncias personalísticas e oportunismo político, a vida simplesmente segue.

PÔSTER

O DIRETOR

Gabriel Bravo de Lima deu os primeiros passos no audiovisual em um curso de iniciação cinematográfica da Artrupe, realizado em 2015, quando tinha apenas 16 anos.  Em 2018, entrou na Universidade Federal do Amazonas no curso de jornalismo com interesse principal nas disciplinas de audiovisual. Na Ufam, realizou “No dia seguinte ninguém morreu” ao lado de amigos de turma como o projeto final de uma destas matérias. Pela primeira vez, participa do Olhar do Norte.

DESTAQUES

CINEMA UNIVERSITÁRIO

“No dia seguinte ninguém morreu” marca o retorno do cinema universitário ao Olhar do Norte. Na primeira edição do evento, em 2018, “Persona”, trabalho de conclusão de curso de Daniela Coriolano e Romulo Sousa no curso de jornalismo da Ufam, integrou a mostra competitiva. O audiovisual nas universidades de Manaus vive um novo aquecimento marcado especialmente pela realização do Pirarucurta, festival promovido pela Faculdade Martha Falcão.

adaptações e criatividade

Como todo bom projeto audiovisual universitário, “No Dia Seguinte Ninguém Morreu” passa longe de ter a estrutura ideal de orçamento ou equipamentos de última geração. Nada que impeça a realização do filme com pequenas adaptações e muita criatividade. Gabriel, por exemplo, além de contar com os amigos de classe para a equipe técnica, teve os próprios pais no elenco. “A gente sabia muito bem o lugar que queríamos chegar”, disse Gabriel sobre o projeto.

FICHA TÉCNICA

Direção: Gabriel Bravo de Lima

Elenco: Ágata dos Santos, Franklin Raikar, Ednelson Lima, Lubia Bravo, Carlos dos Santos, Tom Veiga, Elânny Vlaxio, Juliana Lira

Roreiro: Gabriel Bravo de Lima       

Direção de fotografia: Gabriel Bravo de Lima e Juliana Lira

Direção de Arte: Elânny Vlaxio

Montagem: Tom Veiga

Produção: Anne Karoline, Elânny Vlaxio, Juliana Lira, Tom Veiga, Karina Stephanie

As pessoas podem esperar um filme que proporcione uma experiência de realismo fantástico. É um filme convidativo na sua forma, quase todo construído a partir de fotos, com uma narração, um filme que te guia, e isso contrasta com a natureza complexa dos temas e dos acontecimentos em tela.

Gabriel Bravo de Lima

Diretor de "No Dia Seguinte Ninguém Morreu"

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...