SINOPSE

Morrer se torna impossível. O que muda na vida das pessoas a partir desse ponto? Entre desespero existencial, extravagâncias personalísticas e oportunismo político, a vida simplesmente segue.

PÔSTER

O DIRETOR

Gabriel Bravo de Lima deu os primeiros passos no audiovisual em um curso de iniciação cinematográfica da Artrupe, realizado em 2015, quando tinha apenas 16 anos.  Em 2018, entrou na Universidade Federal do Amazonas no curso de jornalismo com interesse principal nas disciplinas de audiovisual. Na Ufam, realizou “No dia seguinte ninguém morreu” ao lado de amigos de turma como o projeto final de uma destas matérias. Pela primeira vez, participa do Olhar do Norte.

DESTAQUES

CINEMA UNIVERSITÁRIO

“No dia seguinte ninguém morreu” marca o retorno do cinema universitário ao Olhar do Norte. Na primeira edição do evento, em 2018, “Persona”, trabalho de conclusão de curso de Daniela Coriolano e Romulo Sousa no curso de jornalismo da Ufam, integrou a mostra competitiva. O audiovisual nas universidades de Manaus vive um novo aquecimento marcado especialmente pela realização do Pirarucurta, festival promovido pela Faculdade Martha Falcão.

adaptações e criatividade

Como todo bom projeto audiovisual universitário, “No Dia Seguinte Ninguém Morreu” passa longe de ter a estrutura ideal de orçamento ou equipamentos de última geração. Nada que impeça a realização do filme com pequenas adaptações e muita criatividade. Gabriel, por exemplo, além de contar com os amigos de classe para a equipe técnica, teve os próprios pais no elenco. “A gente sabia muito bem o lugar que queríamos chegar”, disse Gabriel sobre o projeto.

FICHA TÉCNICA

Direção: Gabriel Bravo de Lima

Elenco: Ágata dos Santos, Franklin Raikar, Ednelson Lima, Lubia Bravo, Carlos dos Santos, Tom Veiga, Elânny Vlaxio, Juliana Lira

Roreiro: Gabriel Bravo de Lima       

Direção de fotografia: Gabriel Bravo de Lima e Juliana Lira

Direção de Arte: Elânny Vlaxio

Montagem: Tom Veiga

Produção: Anne Karoline, Elânny Vlaxio, Juliana Lira, Tom Veiga, Karina Stephanie

As pessoas podem esperar um filme que proporcione uma experiência de realismo fantástico. É um filme convidativo na sua forma, quase todo construído a partir de fotos, com uma narração, um filme que te guia, e isso contrasta com a natureza complexa dos temas e dos acontecimentos em tela.

Gabriel Bravo de Lima

Diretor de "No Dia Seguinte Ninguém Morreu"

Festival Olhar do Norte 2024 bate recorde de filmes inscritos

Principal festival de cinema realizado em Manaus, o Olhar do Norte atingiu uma marca histórica na edição deste ano. O evento registrou 527 filmes inscritos nas três categorias competitivas, maior número até então - o recorde anterior era de 365 curtas.  Os Estados da...

Festival Olhar do Norte abre inscrições para edição 2024

O pontapé inicial para o 6º Festival de Cinema da Amazônia – Olhar do Norte está dado: as inscrições para a edição 2024 estão abertas de 15 de abril a 17 de maio através do site oficial do evento (clique aqui). Podem se inscrever filmes com duração máxima de até 25...

‘Prazer, Ana’: o terror de uma noite qualquer

Uma noite qualquer para dezenas de pessoas em uma mesa de bar. Mais uma cerveja, mais uma cadeira, mais alguém chegando, mais vozes ao redor, mais conversa para jogar fora, mais uma marchinha de carnaval na caixa de som. O mais banal dos cenários para a mais comum das...

‘O Desentupidor’: um olhar anárquico sobre a invisibilidade social

Jimmy Christian é um dos mais prolíficos realizadores da cena amazônica. Semelhante aos Gremlins do filme homônimo de Joe Dante da década de 80 que se reproduziam em abundância no primeiro contato com a água, Jimmy produz roteiros e curtas sempre que uma nova ideia...

Olhar do Norte 2023 consagra ‘Ela Mora Logo Ali’ com quatro prêmios

Pela primeira vez, Rondônia leva o prêmio máximo do Festival de Cinema da Amazônia - Olhar do Norte 2023. “Ela Mora Logo Ali” ganhou Melhor Filme do Júri Oficial da Mostra Amazônia, a principal do evento realizado no Teatro Amazonas entre os dias 22 e 25 de agosto. A...

‘Mãri-Hi: A Árvore do Sonho’: poética do fenômeno onírico e do cinema

O curta roraimense Mãri-Hi: A Árvore do Sonho, do diretor Morzaniel Ɨramari, nos introduz em um aspecto interessante da cultura do povo Yanomami, ao apresentar o conhecimento deles sobre sonhos. No filme, vemos a câmera passeando por dentro da floresta amazônica até...

‘Bebé’: carregando o peso do mundo em 3m12

Falar em um curta metragem de pouco mais de três minutos sobre solidão feminina e a sobrecarga que mulheres historicamente são submetidas pode parecer arriscado, no sentido de ser um tema que se direciona para múltiplos caminhos. Essa ousadia foi encarada pela...

‘Ao Lado da Estrada’: acasos felizes em um filme de estrada

Ela espera à beira da estrada após o trabalho. Ele chega em uma Kombi caindo aos pedaços. Oferece uma carona. Os dois já se conhecem, os sorrisos não mentem. Dentro do carro, rola um clima ou a indicação de que deveria haver um clima. Ele coloca umas canções no rádio....

‘Meus pais, Meus atores preferidos’: o pessoal pode ser coletivo

O curta Meus pais, meus atores preferidos, de Gabriel Bravo de Lima, é o segundo trabalho do diretor - o primeiro foi “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”, vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Olhar do Norte 2020. O ponto de partida foi realizar uma série de...

‘Ana Rúbia’: permita que eu fale, não as minhas cicatrizes

A narrativa construída em cima do cinema de temática queer, que abarque experiências de corpos travestis quase sempre perpassa pelo caminho da dor. Até porque, o Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Então, é de se esperar que o cinema como...