Parece tão distante – mais precisamente sete meses – mas, o Oscar 2021 já começa a dar os seus primeiros indícios de candidatos ao prêmio, principalmente, depois dos festivais de Veneza e Toronto. Por isso, eu inicio as primeiras prévias de quem pode aparecer no prêmio mais popular do cinema mundial começando com a categoria de Melhor Atriz. 

POUCAS CHANCES 

Dificilmente, veremos a Jessie Buckley, por “Estou Pensando em Acabar com Tudo”, Anya-Taylor Joy, de “Emma”, Julia Garner, por “A Assistente”, Elisabeth Moss, por “Shirley” e “O Homem Invisível”, Lily James, por “Rebecca” e a Rachel Zegler, por “Amor, Sublime Amor”. 

A Jessie Buckley é o grande destaque de “Estou Pensando em Acabar com Tudo”, porém, não a vejo sendo indicada por um filme do Charlie Kaufman que parece não ter caído nas graças da crítica e do público. Já a Anya-Taylor Joy e, principalmente, a Julia Garner sofrem com o lançamento muito no início de 2020 e fatalmente serão abandonadas no meio do caminho.  

Quanto a Elisabeth Moss, eu cheguei até fazer um vídeo bem no início da pandemia que, para ela ser indicada, precisaria o mundo seguir paralisado como estava em março e abril e mais nada chegar no streaming e nos cinemas. Como isso era impossível de acontecer, também é quase impossível ela ser nomeada mesmo que esteja excelente em “O Homem Invisível”. 

Por fim, a Lily James, por mais fofinha que seja, e a Rachel Zegler, sinceramente, não inspiram muita a minha confiança de que conseguirão ser nomeadas. 

CHANCES MÉDIAS 

A Sophia Loren, por “The Life Ahead”, Julianne Moore, de “The Glorias”, Sidney Flanigan, por “Never Rarely Sometimes Always”, Michelle Pfeiffer, por “French Exit”, Halle Berry, de “Bruised”, Rashida Jones, por “On the Rocks”, Carey Mulligan, por “Promising Young Woman” e a Andra Day, por “Os EUA Vs Billie Holliday” aparecem com chances médias de indicações.

Lenda do cinema mundial, a Sophia Loren pode se beneficiar por ter o suporte da Netflix durante a campanha e uma personagem que é daquelas que a Academia adora abraçar: uma sobrevivente do Holocausto ajudando um garotinho muçulmano.  

Andra Day interpreta a Billie Holliday neste interessante filme do Lee Daniels, porém, ela vai ter que duelar com uma das favoritas à indicação que também faz uma gigante da música americana. A Halle Berry pode crescer com “Bruised”; o filme também dirigido por ela foi adquirido pela Netflix por US$ 30 milhões, mostrando o potencial do projeto. Já a Rashida conta com uma diretora que sempre soube fazer grandes personagens femininos, no caso, a Sofia Coppola, enquanto a Michelle Pfeiffer pode ser uma bem-vinda surpresa com uma personagem mais ácida e cômica.  

A Julianne Moore encarna um ícone do feminismo nos EUA em “The Glorias”, porém, lembrando o que aconteceu com a Feliciy Jones, em “Suprema”, no ano passado, sinto que pode ficar de fora. A Carey Mulligan seria uma possibilidade bem legal até pela proposta irônica e vingativa que “Promising Young Woman” tem.  

E, claro, não dá para esquecer da Sidney Flanigan que está brilhante em “Never Rarely Sometimes Always”. Porém, a temática do aborto, assunto ainda tabu em Hollywood, deve afastar muitos votantes, assim como o desempenho mais fechado e introspectivo dela que não é muito costumeiro da Academia privilegiar. Mas, que seria justo, isso seria. 

GRANDES CHANCES 

A Jennifer Hudson, por “Respect”, Kate Winslet, de “Ammonite”, Olivia Colman, por “The Father”, Amy Adams, por “Hillbilly Elegy”, Viola Davis, por “Ma Rainey´s Black Bottom”, Frances McDormand, por “Nomadland” e a Vanessa Kirby, por “Pieces for a Woman” são as favoritas para as indicações. 

De todas elas, a Vanessa Kirby e a Frances McDormand parecem nomes certíssimos. A eterna Princesa Margaret de “The Crown” conquistou o prêmio de Melhor Atriz em Veneza, enquanto a McDormand foi extremamente elogiada pelo ganhador do Leão de Ouro. Há quem diga, inclusive, ser o melhor trabalho dela, superando “Fargo” e “Três Anúncios Para um Crime”. 

“Ammonite” coloca a Kate Winslet como séria candidata com elogiado desempenho por críticos do mundo inteiro no Festival de Toronto. De lá, também sai a Olivia Colman que, ao lado do Anthony Hopkins, é o grande destaque de “The Father”. Porém, fica a dúvida se ela não será deslocada para coadjuvante, onde pode ter mais chances. 

A Amy Adams é um nome que jamais pode ser descartado por “Hillbilly Elegy” assim como a Viola Davis em “Ma Rainey´s Black Bottom”, uma produção que tem tudo para crescer demais nos próximos meses. No filme, ela interpreta mãe do Blues durante as gravações de um álbum na Chicago de 1927.  

Falando de música, a Jennifer Hudson chega com “Respect”, cinebiografia da Aretha Franklin. Vale lembrar que personagens baseados em ícones da música e do cinema estão em alta após as vitórias do Rami Malek, em “Bohemian Rhapsody, e da Renée Zelleweger, por “Judy”. 

Neste momento, acredito que a Vanessa Kirby, Frances McDormand, Viola Davis, Kate Winslet e Amy Adams seriam as indicadas.  

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Viola Davis e Renée Zellweger

De "O Diário de Bridget Jones" a "A Voz Suprema do Blues", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de Viola Davis e Renée Zellweger. https://youtu.be/nRan4CesJTQ 4. JUDY  A indicação mais fraca da carreira de Renée Zellweger foi justamente a que...

Oscar 2022: O Impacto do Globo de Ouro e das indicações ao SAG

Caio Pimenta analisa como fica a corrida do Oscar 2022 com os resultados do Globo de Ouro, as indicações ao SAG e a revelação das pré-listas do Bafta. https://www.youtube.com/watch?v=gBdDE53f-HY GLOBO DE OURO  O prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira em...

SAG 2022: Previsões Finais dos Indicados

Caio Pimenta traz as previsões para as indicações ao SAG 2022, o prêmio do Sindicato dos Atores dos EUA; divulgação será no dia 12 de janeiro. https://youtu.be/VqeURXvkXRg MELHOR ATRIZ COADJUVANTE  A corrida por Melhor Atriz Coadjuvante traz quatro nomes definidos e...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de John Ford

De "O Delator" a "Depois do Vendaval", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de John Ford. 5. DEPOIS DO VENDAVAL  “Depois do Vendaval” foi a última indicação da carreira do Ford e rendeu a ele o recorde de vitórias da categoria.  A quarta...

Oscar 2022: Previsões das Indicações – Virada do Ano

Caio Pimenta aponta quais serão os indicados ao Oscar 2022 em Melhor Filme, Direção, Ator, Atriz, Coadjuvantes, Roteiros Adaptado e Original, Animação e Filme Internacional. https://www.youtube.com/watch?v=ai0PLy0HXeE ROTEIROS  Começamos com Roteiro Adaptado, onde...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de James Stewart

De "A Mulher Faz o Homem" a "Anatomia de um Crime", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de James Stewart. https://www.youtube.com/watch?v=ZmSCAyOB_x4 5. MEU AMIGO HARVEY  A indicação mais fraca da carreira de James Stewart ao Oscar veio em...

Oscar: Os Filmes Natalinos que Disputaram o Prêmio

De ”A Felicidade Não se Compra” a “Klaus”, Caio Pimenta apresenta a lista dos filmes natalinos indicados na história do Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=mah6cVwm2kc O término da Segunda Guerra Mundial fez o Oscar se voltar para os esperançosos filmes natalinos...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Glenn Close

De "O Mundo Segundo Garp" a "Era uma vez um Sonho", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de Glenn Close. https://youtu.be/RMbZHUMUnU8 8. UM HOMEM FORA DE SÉRIE  Em 1985, a Glenn Close foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por “Um...

Oscar 2022: Previsões Finais para a Shortlist

Caio Pimenta faz as apostas de quais produções devem aparecer na aguardada shortlist do Oscar nas categorias de Melhor Filme Internacional, Documentário, Efeitos Visuais, Maquiagem e Penteado, Canção Original e Trilha Sonora....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Amy Adams

De "Retrato de Família" a "Vice", Caio Pimenta analisa da pior a melhor indicação de Amy Adams ao Oscar, além da maior esnobada. https://www.youtube.com/watch?v=1lCZYK3nvFM 6. VICE  A última nomeação da Amy Adams é justamente a pior da carreira dela.  Em “Vice”, ela...