Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras como questões existenciais, relacionamentos e a memória. Seu novo projeto, “Estou Pensando em Acabar Com Tudo”, disponível na Netflix, segue a mesma linha.

Kaufman é um diretor capaz de desenhar universos dentro da mente de seus personagens e externá-lo para nós, o que fez em “Anomalisa” e “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. Digamos que essa também seja a sua proposta ao adaptar o livro homônimo de Iain Reid. Durante seus 134 minutos de projeção, acompanhamos um casal (Jessie Buckley e Jesse Plemons) que está a caminho de um jantar com os pais do rapaz e, a partir daí, a trama se desenrola de forma inusitada.

Aliás, fugir de obviedades e enveredar por estradas ousadas é outra característica das obras de Kaufman. No filme da Netflix, por exemplo, desde o início, fica estabelecido o clima estranho. Aclimatação que o acompanha até o subir dos créditos, por sinal. Parte disso se deve a curiosa verborragia do cineasta que nos faz mergulhar na mente da personagem de Buckley. Apesar de não recordar a quanto tempo está envolvida com Jake, sua mente parece um turbilhão de ideias analisando seu relacionamento. Bizarramente, em alguns momentos, há a impressão de que o namorado está lendo seus pensamentos e puxando diálogos a partir deles.

O que é mais excêntrico, no entanto, é que, em nenhum momento, eles parecem ser um casal. Enquanto ela pensa em terminar o relacionamento, Jake é frio e distante.  Há momentos, em que ele parece querer se aproximar dela, mas, na maior parte do tempo, seu comportamento é grosseiro e seco. O que é entendido, posteriormente, quando sua mãe (Toni Collete) revela sua personalidade antissocial. Diante dessa construção, é interessante fazer um paralelo com outros protagonistas de Kaufman; mais uma vez, o cineasta nos apresenta um homem cheio de inseguranças que se relaciona com uma mulher livre. O problema nessa construção é o papel que cabe as personagens femininas desse universo.

INCÔMODA IDEALIZAÇÃO FEMININA

Em uma das discussões na estrada, Jake afirma que a dificuldade ocorre pela idealização da figura feminina. Curiosamente, essa também é uma questão recorrente para o diretor, no entanto, o que antes causava simpatia, não envelheceu tão bem assim. Prova disso é a forma como tudo é projetado ao redor da protagonista: ela é enigmática, misteriosa e desperta curiosidade aonde passa. Mas há sempre algo estranho ao seu redor.

Primeiramente, há uma sensação de indiferença de sua parte, que se transforma em medo, angústia e a cada ciclo converge em uma faceta ainda desconhecida da personagem. Isso se reflete não apenas no seu comportamento como também nas variações de sua profissão e até mesmo de seu nome. Não demora muito para que percebamos que as mudanças expostas não partem dela, mas de Jake. Tornou-se costume nas produções de Kaufman termos um homem branco hétero que tem a sua vida modificada por uma mulher. Particularmente gosto do cineasta, no entanto, pare para pensar por um instante em Clementine (“Brilho Eterno”), Lisa (“Anomalisa”) ou Maxine (“Quero ser John Malkovich”). O que realmente sabemos sobre elas que não seja o reflexo de suas existências na vida de seus parceiros?

A situação agrava-se em “Estou Pensando em Acabar com Tudo” porque a personagem feminina torna-se um canal turbulento para exorcizar ou acalentar os demônios de Jake, apesar de revelar que não gostaria de ser um acessório da felicidade do namorado. O que atenua a situação são as discussões em torno da senilidade, morte e memória e da claustrofobia imposta pela câmera de Lukasz Zal.

A cinematografia do diretor polonês, responsável por produções como “Ida” e “Guerra Fria”, é gélida, angustiante e distrativa, o movimento constante de travelling nos impele a prestar atenção em elementos que podem surtir efeitos narrativos ou serem apenas distrações. Tudo vai depender do valor que cada cena tiver para que você monte o quebra-cabeça do que acontece na trama, por isso é importante destacar também a montagem de Robert Frazen, responsável por manter o ritmo mesmo diante dos monólogos extensos e das trocas abruptas de personalidade dos personagens.

MAR DE INTERPRETAÇÕES

O longa conta também com um elenco excelente para transpor suas alegorias. Jesse Plemons, por exemplo, mistura excentricidade e fragilidade, enquanto cabe a Toni Collette e David Thewlis representarem a efemeridade da existência e colocar em cheque repulsas do jovem casal. Esse desconforto é bem desenhado no rosto de Buckley que carrega os desgastes aos quais desembocam suas reflexões existenciais.

Observar essa construção é importante para que entendamos a reviravolta final do roteiro, que nos impede, por exemplo, de conseguir classificar a produção em um gênero específico, já que ela se debruça em discutir tantas coisas imprescindíveis e distintas.

“Estou Pensando em Acabar Com Tudo” é o tipo de produção digna de ser revista, que nos possibilita um mar de interpretações devido a verborragia de Kaufman e suas discussões sobre relacionamentos, algo que já deveríamos estar acostumados nas obras do cineasta, no entanto, talvez este seja o momento dele revisitar sua visão sobre as figuras femininas e seu valor igualitário dentro de um relacionamento. Vale a pena conferir e ter suas próprias sensações sobre onde tudo vai terminar, nem que seja dentro de um carro debaixo da neve.

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...