Segundo curta-metragem da carreira de Matheus Mota (“Folhas Brancas”) na direção, “Sociedade Fluída” representa o Amazonas na edição online do Cine Tamoio – Festival de Cinema de São Gonçalo. O evento da cidade do interior do Rio de Janeiro será realizado entre os dias 11 a 19 de setembro. 

Projeto concebido ao longo dos últimos cinco anos, “Sociedade Fluída” é um curta experimental de 17 minutos composto de segmentos sem diálogos sobre as vivências de corpos LGBTQIAP+ em Manaus. “É um filme ativista, bastante militante, que não faz questão de ser didático. O texto do filme é a imagem. Com isso, quero que “Sociedade Fluída” impacte o público pela potência das imagens para que as pessoas reflitam sobre o que viu”, declarou Matheus Mota em entrevista ao Cine Set 

Destaque de filmes como “Maria” e do futuro “Manaus Hot City”, Maria do Rio é o principal nome do elenco que ainda conta com Franklen Roosiwelt, Fran Martins, Gabriel Leão, Guimimaro, Miro Messa, Lee Jones, Guilherme BindáMafel e Dimitria Alencar. “Sociedade Fluída” traz Henrique Saunier e Davi Penafort na direção de fotografia, Stephane dos Santos na produção executiva e o próprio Matheus assumindo as funções de direção, roteiro, direção de arte e figurino. 

LGBTQIAP+ E MANAUS EM QUESTÃO 

O curta, segundo o diretor, busca exaltar as reinvenções e transformações da comunidade LGBTQIAP+, “quebrando noções de conceitos definidos pela sociedade, em um processo de construção em que nada é definitivo, repleto de transformação em que tudo flui”. Matheus ainda declara que inquietações pessoais o estimularam a fazer “Sociedade Fluída”. 

“Essa inquietação parte da busca por uma definição do que é ser masculino ou feminino. As pessoas sempre vão por caminhos muito óbvios, principalmente, fazendo a suposta diferenciação pela genitália e pela roupa que a pessoa veste. O curta busca quebrar isso”, afirma. 

Para levar essa proposta para a tela, Matheus Mota buscou diversas referências: de fotógrafos como Helmut Newton e Robert Maplethorpe ao diretor de teatro grego, Dimitri Papaioannou até o clássico do cinema brasileiro “São Paulo Sociedade Anônima”. “Além da questão de gênero, queria trabalhar Manaus como pano de fundo do curta, mas, longe do estereótipo da floresta, e mostrá-la como é: esta selva de pedra, de concreto com pouca arborização. Considero o filme do Luís Sérgio Person uma referência neste contraponto entre o homem e a cidade”.  

PROBLEMAS NO LONGO PROCESSO 

“Sociedade Fluída” foi feito sem o apoio de editais e com recursos próprios, necessitando de adaptações no roteiro para que pudesse ser executado da melhor forma possível. “Busquei manter a boa integridade das ideias originais. Isso deu muito trabalho para finalizar o processo. Mesmo assim, encerrei o projeto bem feliz com o resultado, especialmente, levando em conta todas as circunstâncias apresentadas durante a produção”, afirmou o diretor. 

Responsável pela preparação do elenco, a atriz Tainá Lima trabalhou com atores, bailarinos e modelos ao longo de cinco meses. Pelos planos de Matheus, 12 pessoas fariam parte do elenco, mas, todo o processo de ensaios chegou a contar com 22 envolvidos. O tabu das cenas de nudez presentes no roteiro provocou a saída de uma parte deles.  

“Tínhamos atores não profissionais e alguns ficaram receosos com as cenas de nudez explícita. O elenco que ficou foi o que basicamente compreendeu o filme e conseguiu encarar os desafios que o curta propunha. Foi realmente um ambiente de muita camaradagem em que todo mundo queria ver o projeto pronto e isso estimulou a todos nós”, explica Matheus Mota. As gravações de “Sociedade Fluida” aconteceram e abril a novembro de 2018, enquanto o processo de montagem foi de dezembro de 2019 a março deste ano. 

ALÉM DO CINEMA 

Em meio a tantos objetivos ambiciosos, “Sociedade Fluida” não poderia se contentar apenas com as telas do cinema. Elaborado como uma curta “artisticamente expansivo”, como define o próprio diretor, o projeto envolve fotografia, performance e artes plásticas. Desta maneira, Matheus Mota já pensa em realizar uma exposição baseada no filme para 2021. 

“A ideia é exibir todas as fotografias, os designs e storyboards criados para a concepção visual, fora apresentar as performances de alguns artistas, discussões e conversas feitas durante o processo da obra”, afirma Matheus. Antes disso, ele afirmou que pretende lançar “Sociedade Fluída” em Manaus, de preferência, no Festival Olhar do Norte do ano que vem. 

Para o futuro, Matheus Mota revelou que já está escrevendo o roteiro do próximo curta e a temática será mantida. “Depois do “Sociedade Fluída”, percebi que a minha identidade no cinema é falar sobre a pauta LGBTQA+, um lugar em que me sinto confortável e confiante de falar. Pretendo aproveitar o Matapi 2020 e festivais de roteiro e desenvolvimento para elaborar meu novo filme, este com narrativa mais tradicional”. 

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 1: Apresentação

Sejam bem-vindos à websérie “Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense”. https://www.youtube.com/watch?v=n2TLnLspBXA Este é o novo projeto do Cine Set e foi contemplado no Prêmio Feliciano Lana, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa com recursos...

Com influência de ‘Oliver Twist’, Augustto Gomes prepara roteiro de longa

Augustto Gomes conseguiu circular festivais do Brasil afora com “Zana - O Filho da Mata”: a aventura infantil chegou a vencer 12 prêmios. Agora, o diretor retorna a esse universo com “Não me Deixe Dormir”, roteiro de longa-metragem em desenvolvimento contemplado...

Série amazonense em desenvolvimento aborda amores em ‘tempos líquidos’

O cenário contemporâneo de uma Manaus urbana e conectada é o pano de fundo para esta série que narra as desventuras compartilhadas por um grupo de amigos de trinta de tantos anos. É protagonizada por Letícia, uma mulher solteira  com conflitos de relacionamento, uma...

Websérie do Cine Set destaca filmes e diretores do atual cinema amazonense

Os avanços do audiovisual do Amazonas neste século com filmes premiados em festivais ao redor do planeta e o surgimento de eventos em larga escala como o Amazonas Film Festival, Matapi e Olhar do Norte serão o foco da websérie “Terceiro Ciclo do Cinema Amazonas”. O...

Cinemas de Manaus registram queda de 75,4% nas bilheterias em 2020

A crise provocada pela pandemia da COVID-19 levou os cinemas de Manaus aos piores números em anos. Fechadas por mais de cinco meses entre março a agosto, as salas tiveram reduções no faturamento total, do público e dos filmes exibidos, segundo dados do Observatório...

Zeudi Souza retorna ao cinema com terror psicológico sobre violência doméstica

Zeudi Souza anunciou uma pausa no audiovisual em 2017 durante uma entrevista aqui no Cine Set. Para o bem do cinema amazonense, o recesso não durou muito tempo e, pouco mais de três anos depois, ele realiza dois novos projetos: o curta-metragem “O Buraco” e o...

Moacyr Massulo retorna ao cinema com relatos de nomes do audiovisual amazonense

“É um filme sobre cinema. É um filme sobre o amor ao cinema. Sobre o despertar do olhar cinematográfico”.  Moacyr Massulo define assim o curta-metragem “Arte Inspira Arte”. Projeto contemplado no Prêmio Conexões Culturais 2020 – Lei Aldir Blanc – Audiovisual, o...

Policial manauara ‘À Beira do Gatilho’ é o novo filme de Lucas Martins

Lucas Martins realizou os dois primeiros curtas-metragens da carreira sem qualquer tipo de verba com tudo feito na base da amizade, força de vontade e muita criatividade. Superando as adversidades, “Barulhos” e “O Estranho sem Rosto” se revelaram boas surpresas do...

Walter Fernandes Jr. realiza primeiro curta feito em Manaus na direção

Dentro do cinema do Amazonas, Walter Fernandes Jr. já atuou em diversas funções: de professor do antigo curso de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas a idealizados do curso ‘Cineastas em Formação’, no Casarão de Ideias, até jurado e mediador de debates do...

Trajetória de candidata no Miss Amazonas Gay vira tema de curta-metragem

Transformistas fazem parte da cultura brasileira – underground ou não – há décadas. A história registra a presença desses artistas em palcos pelo menos desde os anos de 1920, fora suas marcas pelos carnavais do país. E, dentro ou fora do mainstream, essa...