A análise de conflitos internos continua sendo uma inesgotável fonte de inspiração do diretor Karim AinouzApós se dedicar aos documentários nos últimos anos, ele retorna à ficção com “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” – produção elogiada no último Festival de Cannes, onde venceu o prêmio principal da mostra Um Certo Olhar. As lotadas sessões no Festival de Karlovy Vary confirmam o potencial do filme em falar com grandes públicos, sendo uma das mais acessíveis narrativas do cineasta nascido no Ceará.

Baseado no livro de Martha Batalha, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” traz a história de duas irmãs, Eurídice (Carol Duarte) e Guida (Júlia Stockler), separadas pelas convenções sociais do Rio de Janeiro dos anos 1950. Criadas em uma tradicional família de descendentes de portugueses, as irmãs compartilham elos definidos por amor, gênero e geração.

Quando Guida foge da cidade com um marinheiro, apenas para retornar grávida e solteira, ela se vê desprezada pelos pais conservadores. Para piorar, ela é impedida de qualquer contato com Eurídice ao ouvir de seu pai que a irmã foi estudar piano em um renomado conservatório na Áustria.

Na realidade, a personagem-título, que se torna a grande fonte de expectativa de toda família após o ocorrido com Guida, nunca saiu do Brasil. Seguindo o que se espera de uma garota da idade dela naquela época, ela se casa com um amigo da família, Antenor (Gregório Duvivier) e, apesar de tentar evitar a todo custo, acaba ficando grávida. Relutando em aceitar a vida de dona de casa, Eurídice não desiste de tentar encontrar Guida.

REPRESSÃO E DISTÂNCIA

O filme lento e com grandes ares melodramáticos torna-se vívido através do exuberante e habilidoso trabalho da diretora de fotografia Hélène Louvart. A beleza visual contrasta com o desenrolar de uma história que se assemelha a um horror psicológico, especialmente pelo fato das protagonistas mulheres não poderem se libertar das amarras que lhes são impostas por conta de seu gênero.

A ambientação da trama nos anos 1950 é reveladora: a insatisfação e a frustração dessas mulheres acabariam por abrir caminho para a libertação sexual da década seguinte. Naquela altura, porém, elas até eram vistas nos locais de trabalho, mas a independência financeira ainda era algo limitado à vida marginal, como Guida descobre a duras penas ao tentar ganhar a vida como mãe solteira.

A mais velha das irmãs Gusmão é independente, segue seus instintos e acaba pagando o preço disso. A parte triste, argumenta o roteiro, é que Eurídice, mesmo seguindo as regras sociais, tem sua felicidade negada. Seu sonho de ser pianista, que ela busca desde a infância, é constantemente adiado pela estrutura patriarcal ao seu redor. Essa pressão psicológica acumulada acaba por trazer um grande revés em sua vida.

Se o segundo ato de “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” poderia ser mais conciso, a força emocional da parte final é recompensadora. Nela, graças à participação de luxo da grande Fernanda Montenegro, o peso da distância entre ela e a irmã chega a ser quase palpável. Quando as luzes se acendem, é esse silêncio – o silêncio das mulheres impedidas de serem protagonistas da suas próprias vidas – que acompanha o público para fora da sala de cinema.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Dilili em Paris’: os encantos e perigos da capital francesa em ótima animação

Famoso pela conceituada franquia de animação ‘Kiriku’, o francês Michel Ocelot destaca novamente a cultura africana com ‘Dilili em Paris’. Apesar da animação em 2D não surpreender visualmente com as técnicas adotadas, a trama cercada de críticas sociais e...

‘O Preço da Verdade’: sobra ativismo e falta cinema em drama banal

Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que...

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...

‘Joias Brutas’: tensão explode em tela na melhor atuação de Adam Sandler

É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes...

‘A Divisão’: policial brasileiro merece ser descoberto pelo grande público

Violento, sangrento, tenso e com atenção especial para cenas de ação: “A Divisão” é um tipo de cinema nacional raro. Deixando de lado o contexto social – mesmo ainda sendo possível enxergá-lo nas entrelinhas – o longa foi produzido para ter o formato de uma série,...

‘For Sama’: história de uma guerra particular

“For Sama” é daqueles documentários que remontam experiências pessoais. Aqui, o objeto é recente e não estranho à produção recente de filmes de não-ficção, mas o viés da obra a coloca em uma categoria por si só. Indicado ao Oscar de Melhor Documentário (longa), o...

‘Jumanji: Próxima Fase’: diversão inofensiva para gastar 2h do dia

Com quase US$ 1 bilhão em bilheteria, “Jumanji: Bem-vindo à Selva” (2018) foi uma grata surpresa para Sony Pictures e claro, se é sucesso de bilheteria, tem continuação garantida. E como em time que está ganhando não se mexe, o estúdio tratou de garantir o retorno do...