A análise de conflitos internos continua sendo uma inesgotável fonte de inspiração do diretor Karim AinouzApós se dedicar aos documentários nos últimos anos, ele retorna à ficção com “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” – produção elogiada no último Festival de Cannes, onde venceu o prêmio principal da mostra Um Certo Olhar. As lotadas sessões no Festival de Karlovy Vary confirmam o potencial do filme em falar com grandes públicos, sendo uma das mais acessíveis narrativas do cineasta nascido no Ceará.

Baseado no livro de Martha Batalha, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” traz a história de duas irmãs, Eurídice (Carol Duarte) e Guida (Júlia Stockler), separadas pelas convenções sociais do Rio de Janeiro dos anos 1950. Criadas em uma tradicional família de descendentes de portugueses, as irmãs compartilham elos definidos por amor, gênero e geração.

Quando Guida foge da cidade com um marinheiro, apenas para retornar grávida e solteira, ela se vê desprezada pelos pais conservadores. Para piorar, ela é impedida de qualquer contato com Eurídice ao ouvir de seu pai que a irmã foi estudar piano em um renomado conservatório na Áustria.

Na realidade, a personagem-título, que se torna a grande fonte de expectativa de toda família após o ocorrido com Guida, nunca saiu do Brasil. Seguindo o que se espera de uma garota da idade dela naquela época, ela se casa com um amigo da família, Antenor (Gregório Duvivier) e, apesar de tentar evitar a todo custo, acaba ficando grávida. Relutando em aceitar a vida de dona de casa, Eurídice não desiste de tentar encontrar Guida.

REPRESSÃO E DISTÂNCIA

O filme lento e com grandes ares melodramáticos torna-se vívido através do exuberante e habilidoso trabalho da diretora de fotografia Hélène Louvart. A beleza visual contrasta com o desenrolar de uma história que se assemelha a um horror psicológico, especialmente pelo fato das protagonistas mulheres não poderem se libertar das amarras que lhes são impostas por conta de seu gênero.

A ambientação da trama nos anos 1950 é reveladora: a insatisfação e a frustração dessas mulheres acabariam por abrir caminho para a libertação sexual da década seguinte. Naquela altura, porém, elas até eram vistas nos locais de trabalho, mas a independência financeira ainda era algo limitado à vida marginal, como Guida descobre a duras penas ao tentar ganhar a vida como mãe solteira.

A mais velha das irmãs Gusmão é independente, segue seus instintos e acaba pagando o preço disso. A parte triste, argumenta o roteiro, é que Eurídice, mesmo seguindo as regras sociais, tem sua felicidade negada. Seu sonho de ser pianista, que ela busca desde a infância, é constantemente adiado pela estrutura patriarcal ao seu redor. Essa pressão psicológica acumulada acaba por trazer um grande revés em sua vida.

Se o segundo ato de “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” poderia ser mais conciso, a força emocional da parte final é recompensadora. Nela, graças à participação de luxo da grande Fernanda Montenegro, o peso da distância entre ela e a irmã chega a ser quase palpável. Quando as luzes se acendem, é esse silêncio – o silêncio das mulheres impedidas de serem protagonistas da suas próprias vidas – que acompanha o público para fora da sala de cinema.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...

‘Maria e João – O Conto das Bruxas’: terror inova sem esquecer do clássico

Se há algo que sempre foi fascinante nos contos dos irmãos Grimm é a enorme capacidade que eles tinham de integrarem um conjunto de ideias que sempre mexeram com o imaginário infantil. No fundo, os seus contos são fortes na essência por apresentaram uma linguagem...

‘A Última Coisa Que Ele Queria’: Dee Rees afunda-se em mar de narrativas sem fim

Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar...

‘Chicuarotes’: Gael García Bernal faz lição de casa na direção

Astro mexicano surgido no já clássico “Amores Brutos”, de Alejandro González Iñarritu, Gael García Bernal tornou-se um dos principais rostos do cinema latino dos últimos 20 anos. Estrelou obras importantes como “E Sua Mãe Também”, “Diários de Motocicleta”, “O...