Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma noite de festa que culmina em revelações, discussões e angustias.

O roteiro é uma adaptação da peça de Matt Crowley, que o escreveu junto com Ned Martel, e traz sete amigos que se reúnem no apartamento de Michael (Jim Parsons) para comemorar o aniversário de um deles. Tudo vai bem até que um convidado inesperado quebra as expectativas para a noite. E o que antes parecia uma festa entre velhos conhecidos – e, portanto, regada de intimidade passivo-agressiva -, torna-se um ambiente tóxico e carregado de preconceito, ressentimento e mágoas.

Mantello conta sua história majoritariamente em um espaço pequeno, mas muito bem aproveitado. O design de produção e os planos fotográficos nos fazem ter uma noção mais ampla do que realmente poderia ser o apartamento de Michael. Durante toda a projeção, os personagens de “The Boys in the Band” se movimentam entre a cozinha, a sala, a varanda e o quarto que visto sob novos ângulos nos oferecem a sensação de estarmos em locações diferentes, seja por notarmos um piano que não tínhamos visto ou um plano zenital que nos dá uma vista mais interessante do apartamento.

O ponto é que suas dimensões são essenciais para a construção do ambiente e de sua atmosfera doentia. As escolhas de Mantello em parceria com o diretor de fotografia Bill Pope (“Matrix”, “Baby Driver”) procuram dinamizar o texto essencialmente teatral, sem perder a sutileza e elegância das discussões que se desenrolam. E tudo isso converge para a última hora de projeção quando todas as máscaras são despidas e as relações e conflitos velados são expostos. O interessante é que a cenografia acompanha a confusão estampada nos diálogos e o apartamento outrora arrumado e cuidado por Michael e Donald (Matthew Bomer) se transforma.

 ACIDEZ SOBRE O PESO DA INTIMIDADE

Essas pequenas sacadas acompanhadas dos flashbacks dos personagens desvincula um pouco a produção do teatro. Contribui também para a fluidez da trama, a familiaridade que o elenco tem com “The Boys in The Band”, tendo em vista que são os mesmos atores que estiveram trabalhando na exibição da peça em 2018. Esse conforto possibilita que as atuações deles cresçam por meio dos pequenos gestos, olhares e reação a fala e atitude dos outros personagens ao seu redor.

Nesse quesito, Tuc Watkins e Zachary Quinto se destacam. A fala compassiva e os olhares trocados com seu parceiro, atestam a afabilidade de Hank (Watkins) e o quanto ele destoa dos outros membros da roda. Já Quinto, oferece a Harold, um tom debochado e comedido, sem alterar a voz em nenhum momento, nem mesmo quando seus comentários são mais ácidos. Essa parece ser uma característica do próprio ator, que costuma oferecer um tom mais calculista e frio a seus personagens.

Tudo isso nos faz imergir em uma produção interessante. Ácida quando necessária, leve para quebrar um pouco as relações tóxicas presentes e importante para refletir sobre a convivência e o peso ruidoso da intimidade.

Um belo exemplar de como não ser na sua roda de amigos.

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...